30 outubro 2007

Graffiti - Cultura Urbana

Domingo, dia 28, último dia do doclisboa, assisti a um óptimo documentário (BOMB IT) sobre os Graffitis em várias partes do mundo.

O Graffiti nasceu nos EUA na década de 70 e apresentou-se como uma forma de chamar à atenção. Os writters assinavam constantemente o seu nome ou um nick nas paredes da cidade para serem conhecidos e respeitados. O graffiti está intimamente ligado aos bandos urbanos e a prática de pintar paredes é igualada a uma guerra de bombas de tinta.

Mais tarde, o Graffiti adquire outras qualidades. É uma reacção ao poder politico, é uma reacção às desigualdades, às discriminações raciais, a vários outros problemas sociais. Idêntico ao movimento Hip Hop e ao Rap.

Pinta-se em todo lado, e quanto mais radicais os locais melhor, quanto mais ilegal melhor. Os writters saem à noite, escalam edificios, invadem estações de comboio e de metro, deixam a sua marca de acordo com o seu estado de espirito momentâneo. As cores utilizadas transmitem muita da sua raiva, da sua depressão, do seu desespero ou então são explosões de vida e de alegria.
Surgem formas de combater esta "arte" urbana:
Em certos países opta-se por multar este vandalismo, colocar câmaras de video, formar equipas de detectives para descobrirem, através das tags (assinaturas), quem é o writter.


Noutros países, recuperam-se alguns desses "artistas" de rua que formam as equipas de limpeza noturna. Também saem à rua durante a noite, mas para limpar. Em troca, concedem-lhes espaços públicos próprios para pintar.
Na Austrália, por exemplo, já há quem pague a estes "artistas" para pintarem o muro da sua garagem. E na Holanda já há galerias de arte que vendem telas caríssimas de graffitis !

Muitos Graffiters não concordam com esta descaracterização do Graffiti. Dizem: - Assim, já não faz sentido. Onde fica o caracter radical? Se o Graffiti perder a prespectiva ilegal perde identidade.

Graffiti, Arte ou Vandalismo? Eis a questão.

3 comentários:

  1. Depende muito de que forma é usado, em determinados sitios, é vandalismo, exemplo sitios publicos, Mas em sitios preparado para isso, pode ser considerado arte.

    ResponderEliminar
  2. Concordo contigo.

    Tem ainda um outro aspecto igualmente importante para a distinção entre arte ou vandalismo: Existem Graffiters que são realmente uns artistas.

    Outros, especialmente os Graffiters iniciados que não tem dinheiro para comprar variedade de cores nas tintas, utilizam o preto e riscam sem desenhar nada.

    ResponderEliminar
  3. Graffiters pra mim são artistas e n riscadores de paredes!
    Por isso pra mim Graffit é arte! Ha os bons e os menos bons, mas assinaturas e riscos kk um faz, mas qdo é nas paredes, locais publicos, privados, transportes publicos, marcos dos correios, paragens de autocarros, estaçoes..é puro vandalismo!

    admd

    ResponderEliminar