01 outubro 2007

A Sabedoria Popular

Este sketch dos Gatos cai-me que nem uma luva :-) Ter tudo do bom e do melhor não é para mim.
Conseguir manter um equilibrio de consumo e bens materiais evita os extremos de pobreza e de riqueza.

Sábias palavras: "Eu nunca tenho barriga de miséria, no mínimo tenho barriga remediada."
Ou seja, não sou rica, nem sou pobre, sou feliz com o que tenho ;-)

7 comentários:

  1. Pois é! Muitos têm a mania de ter tudo e mais alguma coisa, todas as novidades, tudo o que é melhor, ter aquilo que está na moda. Mas não se é mais feliz por isso. Eu não sou menos feliz por, por exemplo, continuar a vestir um casaco que me dura há anos em vez de comprar um novo que está na moda. Ou continuar a usar o meu telemóvel que já tenho há 3 anos (e que é o meu 1º) em vez de comprar um da última geração com câmara e tudo. Não é porque não possa ter, mas simplesmente porque não me faz falta nem me faz mais feliz! Enquanto as coisas me durarem e não tendo porque as substituir ou aumentar a quantidade, uso-as. Não quero contribuir para o aumento de lixo por este tipo de caprichos! À mesa é a mesma coisa, nem 8 nem 80, de barriga vazia não fico e nem demasiado cheia, encontro o ponto de equilíbrio que me faz sentir bem e leve. E é nisto que também eu me tento basear.
    Tens 1 blog interessante Rute!! =)

    ResponderEliminar
  2. Obrigada, Sara. Foi um prazer receber a tua visita, o teu comentário e o teu elogio LOLOLOL

    Por falar em telemóvel, ainda no principio deste ano tive uma pega com uma operadora de telemóveis:

    Como tinha terminado o meu contracto de permanência, queriam que eu assinasse novo contracto e que escolhesse novo equipamento.

    Ficaram espantados quando eu lhes disse: Claro que assino o novo contracto, visto não me fazer diferença nenhuma. Porém não quero novo telemóvel.

    O vendedor insistia: Mas sairam novos modelos. O seu telemóvel já é arcaico!!

    Deixá-lo ser :-)

    ResponderEliminar
  3. Ora muito bem dito! E sabes que mais? Eu acho que os novos telemóveis com câmara e mais não sei quê, não duram tanto tempo e estão sujeitos a avariar mais vezes. O meu que é básico básico: nokia 3310, nunca avariou nem nunca tive problemas com ele, já o do meu pai, o da minha avó e o de uma amiga minha, que são novos e têm uma série de funções que o meu não tem (nem precisa!), já tiveram problemas quer em não dar o toque de chamada quando alguém liga para esse nº, ou em voltar a receber uma mensagem qualquer que alguém há tempos mandou, ou problemas com a bateria... Acho que quanto mais funções tiver mais frágil se torna. E como só quero telemóvel para mandar mensagens necessárias ou fazer e receber chamadas igualmente necessárias, não preciso de mais nada. Aliás, as radiações de aparelhos como telemóveis são prejudiciais à saúde, mesmo que estando guardado no bolso das calças!
    Eu também tenho todo o prazer em vir aqui ao teu blog Rute! Adoro comentar temas interessantes! =)

    ResponderEliminar
  4. Sem querer arranjamos aqui um tema fora do tema, muito interessante mesmo.
    Os fabricantes de telemóveis fazem de proposito para estes equipamentos durarem pouco. Só assim fazem a economia mexer.

    Os primeiros telemóveis que surgiram eram uns tijolos grandes, todo o terreno. As baterias não viciavam com tanta facilidade. E como as pessoas não falavam tanto ao telemóvel, a autonomia parecia maior.

    As pessoas poderiam optar por comprar novas baterias quando as originais se danificam, mas não! E podiam levar os telemóveis a arranjar, mas isso é impensável. Só o trabalho!!

    Cá em casa arranja-se tudo, recicla-se tudo. Ainda há tempos um isqueiro para acender o fogão que tinha ficou sem gás. O normal seria deitar aquilo fora, visto este tipo de isqueiros nos chineses custar 2 euros. Mas guardei-o na despensa.

    Mais tarde (quase 1 ano dps), descobri uma lojinha que vende latas de gás para recarregar isqueiros. Fiquei francamente satisfeita por tê-lo guardado.

    Até qq dia.

    ResponderEliminar
  5. Concordo e subscrevo!

    Tenho ate medo de ter demais... pois a queda poderá ser maior...

    Logo prefiro viver no intermedio...

    Pergunta muito tipica: "olha la o que fazias se te calhasse o euro milhoes?",. resposta ainda mais tipica "ui ferias, reforma, carros, boa vida"
    Ja a minha resposta " epah nao tenho noçao do quanto dinheiro é, mas se der para pagar a minha casa, carro e de todos aqueles que me sao queridos optimo, pois sem emprestimos ja vivemos muitooo bem"
    Claro que isto nao é tao linear, mas basicamente é assim que penso.

    É mais seguro viver assim, so que viver nos extremos...!

    Rute o teu blog nao pára de me surpreender! :)

    ResponderEliminar
  6. Exacto também penso assim:

    Quanto mais alto sobes, de mais alto podes cair!

    Beijinhos :-)

    ResponderEliminar