11 setembro 2008

(parte 3)Papelão,Embalão,Vidrão, Pilhão,Oleão,Rolhão,Livrão,Electrão

Ui !! E não é que em Francês, em vez de 3 R´s temos 4 R´s mais 1 V????? Estes Franceses estão muito à frente!!

Deste modo, a 3ªparte do artigo tem forçosamente que passar pelo R da RECUPERAÇÃO:


Caiu um pouco em desuso o hábito de mandar arranjar os nossos pertences. Regra geral, avariou, vai fora. Outras vezes vai fora porque existem modelos mais modernos. Não critico que as pessoas queiram melhor já que podem comprar melhor, mas critico o facto de deitarem ao lixo bens que ainda estão em bom estado de uso.


Tem que existir uma preocupação em reencaminhar esses bens para pessoas que deles necessitem ou para empresas que possam vir a usufruir de peças para novos bens.


Fico furiosa quando oiço expressões deste gênero: Ahhh isso não compensa arranjar. Fica mais cáro arranjar do que comprar um novo!! - Tudo se resume a dinheiro. E de quem é a culpa? da globalização? que permite que certos itens fiquem por um preço irrisório baseados numa mão-de-obra mal remunerada e explorada em países como a China e a India??? - Não! A culpa é toda nossa, nossa, simplesmente nossa! Somos um bando de inconscientes que consumimos sem ética, nem respeito pela humanidade, nem pelo planeta. Apesar de vivermos sem dificuldades continuamos com um espirito ridiculo de sobrevivência como se nada importasse para além de nós mesmos e do nosso umbigo!


Vamos aos exemplos de RECUPERAÇÃO:


Impressoras, Monitores e Computadores - Sim, é possivel arranjar! Há uns tempos atrás, numa empresa onde presto serviço de contabilidade deitaram fora uma impressora multifunções quase nova. Dáva muito trabalho mandar arranjar e provavelmente não compensava, mais valia comprar uma nova ("elas" estão tão baratas já com tinteiros incluidos e tudo!). A boa da Rute, ficou com a impressora, contactou a FABIGTRÓNICA em Queijas (telf. 967064389), foi lá levar e pagou a reparação (23 €). De seguida ofereceu-a à sala de ensino especial da Escola Primária de Tires. Custa muito? Não custa pois não?


Outra impressora que foi parar à mesma sala de ensino especial foi a situação de na empresa dum amigo meu, preferirem comprar impressoras com tinteiros incluidos, por apenas 25 €, durante uma promoção do Carrefour, em vez de simplesmente substituirem a tinta quando esta acabava. Resultado, termina o tinta, termina o tinteiro, termina a impressora. Acham isto normal??? Tive de interferir: fui buscar a impressora, levei os tinteiros à empresa de reciclagem de tinteiros, e por fim ofereci mais uma impressora.


A Fabigtrónica na Rua Roberto Ivens, nº9 A, em Queijas, não só arranja impressoras, fotocopiadoras, computadores e monitores como também vende todos estes equipamentos em 2ªmão. Pense em comprar usado, acredite que fica bem servido.


Electrodomésticos - Estão cada vez mais baratos, é uma verdade incontestável. E até podemos agarrar-nos ao objectivo de poupar energia se os novos electrodomésticos são classe A ou A++, se a centrifugação tem mais rpm´s, etc etc... Mas porque não dar o seu velho electrodoméstico a alguém que precise mesmo dum e que não tem nenhum? Resposta da maioria das pessoas: - Meu anjo, já ninguém quer coisas velhas!!


Eu vou provar que querem!! Quando troquei de frigorifico, coloquei um papel na porta de entrada do meu prédio que dizia assim: DOU FRIGORIFICO EM BOM ESTADO APESAR DE NÃO SER MODELO RECENTE. Ao fim de 1 semana, apareceu um rapaz que levou o frigorifico com ele. Feliz da vida porque tinha a casa vazia! Fiz o mesmo com uma cama de casal e um sofá de 3 lugares. Apareceu sempre gente interessada. E esta hein??


Roupa - Principalmente a roupa de criança deixa rapidamente de servir. Ou até mesmo a roupa de adulto assim que a idade avança e se tem filhos, o corpo muda e deixa de servir. Mas antes de dar essa roupa a alguém é possivel inventar alterações que possibilitem utilizar a mesma roupa. No caso da roupa infantil, dirija-se a uma loja de arranjos de costura e de calças faça calções, de vestidos faça saias, de manga comprida faça manga curta, de lençois faça panos de cozinha, de toalhas faça turcos de cozinha, etc etc...


Mobiliário - Não é a 1ª nem a 2ª vez que encontro peças interessantes encostadas aos caixotes de lixo. Certa vez encontrei umas cadeiras em ferro, brancas, em mau estado de pintura com alguns pontos de ferrugem mas sem estarem verdadeiramente estragadas. Peguei nas cadeiras, trouxe-as para casa, lixei-as todas, dei-lhes um preparo anti-ferrugem e pintei-as de verde garrafa. Outra vez, encontrei um baú antigo, tipo baú de piratas, em madeira e ferro, com o forro interior todo esfarelado. Limpei-o todo, dei-lhe tratamento contra bicho da madeira, forrei-o por dentro com papel autocolante a imitar madeira e ali o tenho, dá um jeito enorme para arrumações.


Viaturas - O meu primeiro carro foi um citröen com 14 anos. Comprei-o na altura por 100 contos e logo de seguida gastei 150 contos numa revisão electrica :-) para descansar a minha mãe. No entanto foi a melhor coisa que fiz, pois eu não tinha qualquer experiência de condução, tinha acabado de tirar a carta de condução e aquele carro deu-me à vontade para não temer "estragá-lo". Ainda me serviu uns quantos anos, e muitos tratamentos levou, mas nunca amei tanto um carro como aquele. Quando comprei o meu 2ºcarro, dei o latinhas a uma amiga minha que ainda o usou durante uns tempos.


Mas há de facto situações em que é impossivel recuperar. E em vez de deitar no lixo normal, opte pelo Ponto Electrão, ou na compra de um novo produto entregue o artigo velho na loja onde comprou o novo. O lixo electrónico é um sério problema para o ambiente. Conforme toda a gente sabe não é biodegradável. E pode contaminar terrenos e águas subterraneas.

O Ponto Electrão, numa primeira fase, está disponivel em 5 centros comerciais do grupo SONAE: CascaiShopping, Colombo, Vasco da Gama, Gaia Shopping, NorteShopping. Descriminatoriamente, não existe nenhum Ponto Electrão no sul de Portugal. Acho mal que nesta primeira fase não tenham pelo menos assegurado 3 pontos principais: Norte, Centro e Sul. Mas se quiserem reclamar liguem para o número verde 800 262 333 da Amb3E ou escrevam uma carta à SONAE :-)

5 comentários:

  1. Partilho de coração completo, na ideia global.
    Mas sejamos um pouco práticos:
    - onde encontro quem me arranje o ferro de engomar?
    - onde posso comprar uma borracha nova para vedar a tampa da minha panela de pressão?
    - onde encontrar quem venha pôr o meu frigorífico a "gelar" um pouco mais?
    - e a porta do quintal, cuja fechadura avariou? Quem quer arranjar?
    ....................
    Pronto.
    Hoje não lhe digo mais sobre reciclagem.
    É que a gente até quer e não tem como...

    Até porque dá sempre jeito poupar...

    ResponderEliminar
  2. Mena não posso deixar de lhe dar razão: Há alturas em que é completamente impossivel recuperar porque o desuso de reparar influênciou a limitada oferta de venda de peças e de profissionais dedicados à reparação.

    Mas vou tentar ajudá-la:

    Diga-me lá qual é a marca e modelo do seu ferro, e qual é a marca e modelo da sua panela de pressão.

    Talvez aí no Algarve seja mais dificil do que aqui em Lisboa. É provável que eu consiga descobrir o representante dessas marcas aqui. Ou talvez até consiga descobrir o fabricante num site da net.

    Com a minha máquina do pão Morphy Richards tive um problema com a hélice e com a cuba de amassar e estáva a ver que teria de comprar uma nova...

    Até que tanto procurei e perguntei nas lojas, que encontrei o representante num prédio antigo da baixa de Lisboa.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. É mesmo isso, Rute; na província só nos desenrascamos com o vizinho, curioso e engenhocas
    De resto, esuqeça os representantes das mascas...
    Dá tanto mas tanto trabalho que não justifica.
    (Além disso, a panela é mesmo velha: objecto de estimação da minha mãe...)
    Obrigada pela simpatia e beijinho.

    ResponderEliminar
  4. Desculpe os erros de escrita: problema de teclas...;)

    ResponderEliminar
  5. De nada Mena. Sempre às ordens.

    De qq forma, a Mena já está a ajudar no R da Reutilização, desde que aderiu ao Bookcrossing do Mesinha de Cabeceira.

    Espero que goste do livro da Sophia de Mello Breyner. Segue na Terça-feira por correio, directamente prós Algarves :-)))

    Beijinho.

    ResponderEliminar