20 maio 2009

A GLOBALIZAÇÃO DA POBREZA

Recebi este mail agora mesmo e achei tão engraçado que quis partilhar convosco. No entanto estive para alterar o nome do protagonista de António para Amexinha (ih ih ih, tadinha da nossa amiga):
"O António, depois de dormir numa almofada de algodão (Made in Egipt), começou o dia bem cedo, acordado pelo despertador (Made in Japan) às 7 da manhã.
Depois de um banho com sabonete (Made in France) e enquanto o café (importado da Colômbia) estava a fazer na máquina (Made in Chech Republic), barbeou-se com a máquina eléctrica (Made in China).Vestiu uma camisa (Made in Sri Lanka), jeans de marca (Made in Singapure) e um relógio de bolso (Made in Swiss).
Depois de preparar as torradas de trigo (produced in USA) na sua torradeira (Made in Germany) e enquanto tomava o café numa chávena (Made in Spain), pegou na máquina de calcular (Made in Korea) para ver quanto é que poderia gastar nesse dia e consultou a Internet no seu computador (Made in Thailand) para ver as previsões meteorológicas.
Depois de ouvir as notícias pela rádio (Made in India), ainda bebeu um sumo de laranja (produced in Israel), entrou no carro Saab (Made in Sweden) e continuou à procura de emprego.Ao fim de mais um dia frustrante, com muitos contactos feitos através do seu telemóvel (Made in Finland) e, após comer uma pizza (Made in Italy), o António decidiu relaxar por uns instantes.
Calçou as suas sandálias (Made in Brazil), sentou-se num sofá (Made in Denmark), serviu-se de um copo de vinho (produced in Chile), ligou a TV (Made in Indonésia) e pôs-se a pensar porque é que não conseguia encontrar um emprego em PORTUGAL..."
E viva a globalização!

8 comentários:

  1. He he, não dava para ser eu porque eu não faço a barba (para já é só o bigode e outras coisitas hi hi)!
    Olha lá, o gajo tem tanta coisa em casa, a maioria importada... não me parece muito que precise de um emprego ;)

    ResponderEliminar
  2. Pode ter sido um despedimento recente, coitadito!

    Pior pior é se ficou com as créditos por pagar porque hoje em dia as pessoas têm tudo do bom e do melhor mas ós depois, vai-se a ver e estão a pagar tudo a crédito.

    Bom, olha que a idade tudo traz. Até pêlo a mais!

    ResponderEliminar
  3. Eu nem o bigode nem outras coisas...hehe...mas com esses artigos todos made in isto made in aquilo eu é que preciso de saber como ele faz isso sem emprego.
    bjsss

    ResponderEliminar
  4. Ó Abelhinha, olha que não é nada dificil. Basta ele ir a uma loja de chineses para encontrar vários itens asiáticos (baratinhos):

    Made in Japan,China,Singapure,India,Korea,Thailand, Indonesia...

    E até nas nossas casas se nos dermos ao trabalho de olhar para o "Made in" encontramos vários alimentos estrangeiros.

    Vão lá espreitar a vossa despensa! E a roupa que vestem?

    Se for Zara, Bershka, Pinkie e etc... É tudo chinês!

    ResponderEliminar
  5. O gajo não lê os códigos de barras!
    Os produtos portugueses começam por 560, e se fosse mais nacionalista, provavelmente não estaria desempregado! Em Portugal sê Tuga! :)

    ResponderEliminar
  6. Ó Mary, confesso a minha ignorância, não sabia que o código de barras dos produtos portugueses começam todos por 560. Obrigada pela informação.

    No entanto eu costumo sempre ler as etiquetas de roupa. E geralmente toda a minha roupa é comprada numa lojinha que só vende roupa das fabricas do Norte.

    Da mesma forma procedo com os produtos que recebo da Quintinha e que dizem donde são oriundos (Nacional ou outro). Tento comer local e da época.

    O pior são as máquinas de cozinha!!! Essas é que têm muitas nacionalidades:

    Desidratador é Americano;
    Máquina Gelados é Italiana;
    Bimby é Alemã;
    MFP Morphy Richards julgo que é Inglesa;
    Forno Solar é PORTUGUÊS!!!

    ResponderEliminar
  7. Ah, pois é... É uma realidade que compramos tudo de marcas estrangeiras mas... há muitas coisas que nós não fabricamos porque fica caro (as fábricas querem lucro fácil) e depois os poucos produtos que fabricamos (excepção do calçado) são de má qualidade! Há uns anos tive o azar de comprar um fogão nacional que até tinha um bom forno e bons queimadores mas a chapa que deveria ser de inox estava toda ferrugenta em menos de 1 ano, a garantia ainda trocou algumas peças. É assim...

    ResponderEliminar
  8. Há muito produto bom em Portugal, Suzi, mas como os produtos estrangeiros são sempre mais baratos porque são feitos em grande escala, os fabricantes portugueses, muitas vezes preferem exportar do que vender cá.

    A competitividade dos produtos fabricados na Ásia é tão grande que acredito que muitas vezes os produtores portugueses aldrabem nos materiais só para conseguir 1 preço final identico ao produto chinês (ou outro asiático).

    Na China as pessoas são mal págas e vivem em cidades/fabrica onde só vivem para trabalhar. Não há sindicatos, nem leis do trabalho, etc...

    E cá o que temos? Trabalho digno mas que não dá lucro às empresas. Pelo que, senão podes poupar na mão-de-obra, então poupa na materia prima para obteres um produto final competitivo.

    Inclusivamente os maiores exportadores de Inox são a Coreia do Sul, o Japão e Taiwan, dai que o teu fogão poderia ser de fabrico português mas o inox ser asiático :-)) É o tipico!

    ResponderEliminar