27 junho 2009

RECYCLING FOOD - PÃO DE PÃO DURO RALADO


Mais uma descoberta espantosa, com excelente resultado. Pão de pão duro ralado. Um pão onde 25% da sua farinha é pão ralado.
O pão que consumimos cá em casa é sempre caseiro (salvo raras excepções). Geralmente faço 2 pães por semana, uma vez que consumimos um pão em 3 dias (+/-). Ao fim de 3 dias, o que sobra já está bastante rijo/seco, nem sabe bem em torradas e como é o "cú" do pão, vai para os cães do sogro (anteriormente, ia para as galinhas do sogro).
Embora não existisse um desperdicio real, tinhamos imensa pena de não sermos nós a consumir "os restos". Até que ao ler o livro "Wild Fermentation" segui uma sugestão de Sandor Ellix Katz: reciclar os restos na confecção de pão. A sugestão é dele, a receita é inventada por mim.
INGREDIENTES:
  • 1 copo (medida MFP) leite de espelta (ou outro);
  • 3/4 copo (medida) água;
  • 1 colher (sopa) açúcar integral;
  • 1 colher (sopa) óleo de soja (ou outro);
  • 1 colher (chá) sal fino;
  • 3 copos (medida) farinha trigo branca T65;
  • 1 copo (medida) pão ralado;
  • 1 pacote fermento seco (usei Fermipan);
  • Farinha de arroz q.b. (de grão integral moido na bimby).

CONFECÇÃO:
Junte o leite de espelta com a água e aqueça no micro-ondas. Deite na cuba da MFP.
De seguida deite o açúcar, o óleo e o sal.
Por fim adicione a farinha, o pão ralado e o fermento. Ligue a máquina no programa rápido (1.30).
Vigie a formação da bola e se necessário vá acrescentando farinha de arroz. Geralmente, costumo abrir a máquina e ajudar a massa a sair dos cantos da cuba. A massa deve ficar maliavel mas não demasiadamente húmida. É possivel que chegue a juntar cerca de 1 cálice ou chávena (café) de farinha de arroz (baseado na sensibilidade).

CONSIDERAÇÕES FINAIS:
O leite de espelta também teve a sua estreia neste pão. Encontrei-o no Continente e trouxe para experimentar. Normalmente costumo usar, sempre, 1 copo de leite de soja mas desta vez utilizei o leite de espelta em substituição.
A espelta é um parente do trigo, no entanto, a espleta não tem gluten enquanto que o trigo tem. Utilizar um leite sem glúten diminui a percentagem de glúten no pão (é um dos meus objectivos). O arroz também não tem glúten.
No entanto, se utilizarmos apenas farinhas sem glúten, o pão não cresce, já que é a elasticidade do glúten que permite ao pão crescer e manter o tamanho sem baixar. O gluten forma uma malha elástica que resulta num pão fôfo e arejado.
O glúten é a principal proteina presente em 5 cereais: trigo, cevada, aveia, centeio e malte. Algumas pessoas não possuem a enzima que digere esta fração proteíca. Desenvolvendo uma intolerância alimentar manisfestada por nauseas, enjoos, dores de cabeça, gases e diarreia.

14 comentários:

  1. Uma bela ideia, aproveitar sobras de pão para fazer o dito!
    Fizeste uma broa original e com um aspecto fantástico! :)
    Agora quem vai estranhar a situação, é o cãozinho do teu sogro...lol

    ResponderEliminar
  2. Muito bem, grande invenção. Aqui raramente sobra pão e tenho que fazer pão dia sim dia não. Quando sobra vai para o Luísinho e ele aprecia muito :) Mas esta tua ideia é genial!

    ResponderEliminar
  3. Eu tenho sempre "kg" de pão ralado no congelador, com os restos de pão que me vai sobrando.
    Gostei da ideia e do leite de espelta - vou provar!
    :)

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  4. Sempre com descobertas surpreendentes!!!

    ResponderEliminar
  5. Boa ideia essa de aproveitar pão duro, embora aqui não tenhamos sobras. Muito raramente quando tem alguma, vira farinha de rosca.
    Bjs e bom final de domingo!

    ResponderEliminar
  6. A tua ideia é excelente, cá em casa ó pão também dura 3 dias. O próximo pão sai com a tua invenção.
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Rute, esta descoberta é fantástica, assim não anda o pão ralado a rebolar no congelador.
    Leite de espelta não conhecia, quando ando pior do meu estomago, bebo mas é de soja.Ainda hoje fiz um pão de leite, mas coloquei leite de soja.

    Obrigado pela dica dos chás, também ja tinha ouvido dizer que depois das refeições para ajudar a digestão deve-se beber chá morno, mas sinceramente nunca tinha experimentado.

    Sim é mesmo a alface, isto é se comer uma salada de alface tudo frio e práticamente cru, não me faz mal.Mas se for acompanhar um prato quente de peixe ou carne já demoro mais a fazer a digestão.Engraçado, agora que estava a escrever isto é que dei conta que alface crua, sem misturar nada cozido não me faz mal.Acho que não faz sentido nenhum, mas vamos lá perceber ás vezes o nosso corpito.

    Eu normalmente por dia bebo 2 chavenas de chá verde, têm que ser descafaenado.Uma passado uma 2 horas de ter jantado e outra antes de me deitar.

    Desculpa Rute já vou longa na conversa.

    Obrigado e beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Olá a todas :-) Obrigada pelos comentários.

    Agora, Sandra G.:

    Reparaste tu e reparei eu na informação contraditória do que estávas a escrever.

    Eu explico. Se quando estás pior do estomago bebes leite de soja e melhoras é porque és intolerante à lactose. Aposto que se retirares da tua alimentação o leite de vaca e os derivados (definitivamente) melhoras consideravelmente.

    Por outro lado se quando comes alface sozinha nada acontece, mas depois se comes misturada com a carne e o peixe dificulta-te a digestão, quer dizer que o teu organismo fica em sobrecarga.

    As digestões de carne e peixe esforçam imenso o nosso organismo. O estomago e intestino para transformar a carne e o peixe gasta muito mais energia. Dai as digestões dos carnivoros demorarem no minimo 1.30 a 2.30.

    Os vegetarianos demoram menos (no máximo 1 h) e não ficamos naquele estado de sonolencia a seguir à refeição. Temos uma energia mais regular durante todo o dia, sem altos e baixos. Estamos sempre atentos e mais despertos para a vida porque não perdemos tempo em digestões demoradas (por ex).

    Com esta conversa toda, não quero transformar-te numa vegetariana mas gostava que pensasses numa vida com mais saúde. E, uma vez que sofres, nada melhor do que implementares algumas mudanças na tua alimentação para te sentires melhor, sem contratempos de digestões e etc.

    Beijinhos a todas.

    ResponderEliminar
  9. Rute.
    Que boa sujestão,está lindo o teu pão.
    Eu aproveito os restos de pão para fazer pão ralado com alhos e coentros tenho sempre no frigo.
    Mas gostei muito muito desta ideia só que não tenho m.f.p.

    bjs

    ResponderEliminar
  10. Realmente tenho sp tanto pão ralado na arca, esta ideia parece-me fenomenal...
    Leite de espelta? Onde se compra? Nunca ouvi falar...
    MAs pode-se trocar por leite de soja ou de vaca n pode?

    Bjs

    ResponderEliminar
  11. Sim sim Carlinha. Podes usar o leite que entenderes. Só utilizei o de espelta porque tinha aberto o pacote para fazer o iogurte de espelta.

    Bjinhos.

    ResponderEliminar
  12. Rute, esta receita fez-me lembrar aquelas imagens infinitamente reproduzidas nos espelhos...comecei a pensar que podes reciclar este pão e o próximo e o próximo e o próximo...a não ser que para a próxima convides alguém para comer os restos...eh eh eh

    ResponderEliminar
  13. É isso mesmo Borboleta.

    Estou agora a fazer o 2º pão do 1º pão reciclado :-))

    ResponderEliminar
  14. Reciclagem a 100%.
    Adorei essa ideia :)
    Bjos

    ResponderEliminar