31 dezembro 2010

HAPPY NEW YEAR

HAPPY NEW YEAR, EVERYBODY!
Adeus 2010!
Olá 2011 :)
Um ano muito próspero para todos. Brindemos com o meu fabulástico Licor de Uva, à saúde de todos, à harmonia em casa, no trabalho e na sociedade em geral, muita paz e alegria!!

Esta Uvinha (identica à ginginha) é 100% caseira. A foto da videira carregada de uva de vinho é do meu terreno da aldeia, quando fui lá em finais de Agosto apanhar os cachos biológicos que crescem de mãos dadas com a natureza. Sem interferência do homem.

Geralmente costumo
desidratar em uva-passa, mas como em Ago de 2010 ainda tinha muitas passas de Set de 2009 (apesar de com elas ter feito bastante Vinho de Kéfir e Uva-Passa), decidi trilhar outros caminhos de descoberta com uvas.

INGREDIENTES:
  • 1 kg uvas soltas do cacho;
  • 1 litro de boa aguardente;
  • 2 chávenas (xicaras) de açúcar mascavado claro;
  • 4 chávenas (xicaras) de água purificada;
  • Casca de 1 limão;
  • Pau-de-canela.
CONFECÇÃO:

Faça uma calda grossa ao lume, com o açúcar integral e a água purificada.

Num garrafão de vidro, de preferência com revestimento por fora para proteger o interior de luz, introduza as uvas lavadas e seleccionadas (escolha bem para não usar uvas tocadas ou podres), mais a aguardente (encomendei caseira), e a calda de açúcar depois de fria.

Feche com rolha de cortiça, tendo a certeza que não ocorrerá permutas de ar. Guarde em local de temperatura amena durante 3 a 4 meses. Longe de luz e de calor.

Ao fim de 3 a 4 meses, retire uma parte para uma garrafa, junte casca de 1 limão biologico e 1 pau-de-canela. Beba ao fim de 1 a 2 dias.

Com o licor que restou no garrafão pode tentar outra aromatização, em vez do limão e de canela. O céu é o limite. Crie!

Fonte:
Site TudoGostoso - Autora Durvalina
NOTA:
O garrafão é reutilizado. Ao tentar comprar um garrafão na Cooperativa Agricola aqui da zona, descobri que tinham garrafões em 2ªmão para venda. Muito limpinhos, que são desinfectados com vinagre e vendidos a 1 euro ou 2 euros, já não me recordo.
Um magnifico garrafão de vidro grosso revestido a plástico branco a imitar as nervuras de vime. Claro que... se um dia tiver a sorte de encontrar um garrafão revestido a cestaria, melhor ainda. Acho-os lindissimos. A ver se visito as lojas de cestaria de Sintra, concelho limitrofe de Cascais :)

30 dezembro 2010

LEMON CURD ou Creme de Limão

Lemon Curd é um género de creme de pasteleiro com intenso sabor a limão. Tradicional de Inglaterra, muito apreciado barrado em scones, panquecas, recheio de bolos, ou em topping de variadissimas sobremesas! Multifuncional e viciante, mesmo quando só comido simples, à colherada ou em cima duma fatia de pão rústico. Apresenta um sabor agridoce podendo até acompanhar pratos principais tornando-os assim mais exóticos :)

Não confundir com o doce de limão ou com a lemon marmalade, pois estes dois não levam ovos, enquanto que o lemon curd sim.

INGREDIENTES:
  • 160 gr açúcar mascavado claro (integral);
  • 2 ovos inteiros biológicos;
  • + 1 gema de ovo biológico;
  • 60 gr manteiga de soja;
  • Sumo e cascas amarelas de 2 limões biológicos.
CONFECÇÃO:

Com o copo da bimby bem seco, pulverizar o açúcar integral, 20 seg., velocidade 9.

Juntar as cascas ao copo liquidificador, apenas parte amarela, previamente lavadas e secas, pulverizar, 15 seg, velocidade 9.

Adicionar a manteiga suavemente derretida, mais o sumo de limão, programar 2 minutos, velocidade 2.

Juntar os ovos (2 inteiros + 1 gema), programar 10 segundos, velocidade 4.

Por fim, programar 7 minutos, temperatura 80º, velocidade 2.
Retirar para os frascos e deixar arrefecer antes de refrigerar.
Dura bastante no frigorifico. Dá exactamente a quantidade da foto.

Fonte:
Forum Bimby - Autora Patuxa Versão sem bimby: Lemon Curd Manual - Autora Ângela

26 dezembro 2010

CONGUITOS DE ALFARROBA E AMÊNDOA

Um sucesso na véspera de Natal. Um simples aperitivo ou "digestivo" vegano. Muito saudável e delicioso. Muito bem vindo na altura do cafézinho. Fecha qualquer refeição com chave de ouro.

INGREDIENTES:

Tuli caseiro de Alfarroba e Amêndoa;
Chocolate em pó;
Coco desidratado sem açúcar (biologico);
Amendoim torrado.

CONFECÇÃO:

Fazer um
Tuli de Alfarroba e Amêndoa mais espesso. A mim aconteceu-me por acaso e como não dáva para barrar no pão, decidi-me por recriar noutro doce.
Faça bolinhas com a pasta, partindo dum amendoim torrado como núcleo. Metade das bolinhas passe em chocolate em pó, e a outra metade passe em coco ralado desidratado.
Dá algum trabalho manual mas é muito simples. Qualquer criança está apta a confeccioná-los. E a comê-los também!

21 dezembro 2010

CABRAS-BOMBEIRO NA TEIA AMBIENTAL

Dia 21/12/2010 é para mim um óptimo dia para participar na Teia Ambiental. Do somatório seccionado dos números, chegamos a dia 3 de mês 3 de ano 3 :) E sendo o 3, simbolo de inspiração e criatividade, sensibilidade e beleza, aquele número que confere expressividade e boa comunicação, é precisamente nesta data que me dirijo a vós, potenciada com todas as qualidades do 3 com um objectivo total 9, simbolo numerologico do irmão da humanidade e do ambiente.

A Teia de Dezembro propos-nos falar de Incêndios Florestais. Embora em Portugal estejamos a entrar no Inverno, período sem ocorrência de fogos, noutros pontos do mundo, aproxima-se a época de Verão e os desastres naturais destruidores de floresta. O tempo quente e seco que ao mais pequeno descuido, se não mesmo, à mais pequena malicia, incendeia áreas enormes, queimando fauna e flora sem dó nem piedade. No termino do
crepitar das chamas, restam as paisagens nuas em cinzas, o silêncio e o caos.

Mas, à parte de enumerar os problemas, eu gosto de soluções. Sou uma mulher de resoluções, sempre preocupada em encontrar uma saída e apoiante de medidas pró-activas que tentam antecipar as problemáticas de forma preventiva. Por isso quero dar enfoque ao
Projecto Self-Prevention Caprino que inicia funções na recta final deste ano 2010, com o objectivo de evitar os fogos estivais na região fonteiriça do Douro Português/Duero Espanhol.

Serão introduzidas 150 mil cabeças de gado caprino no Douro Interior, zona montanhosa, de dificil acesso ao ser humano, onde as cabras-bombeiro irão limpar a erva espontânea e o excesso de vegetação pelo simples processo de se alimentarem ao ar livre. Ao abrigo dum modelo piloto, a nível europeu, de auto-gestão de capitais público-privados, irão ser criados 712 postos de trabalho nas várias áreas do projecto, como, pastoreio, veterenária, leitaria e queijaria, tratamento de excrementos (biomassa), administração e comercialização de produtos caprinos.

Combate-se assim dois problemas em simultâneo: o ambiental e o social. Uma vez que a criação de emprego contrariará a desertificação do norte interior. Uma oportunidade para jovens rurais que sintam o chamamento à natureza, protegendo-a e produzindo rendimento nacional.

A única dúvida que subsiste no meio do meu pensamento é se este aumento de produção não será incompatível com o regime de
quotas leiteiras europeu... A ver vamos se Portugal ainda vai pagar multas por exceder o limite de produção de quota que lhe foi atribuida.

Para terminar, e como estamos em período natalíco onde na maior parte das mesas portuguesas irá surgir o famoso cabritinho assado no forno... deixo-vos uma alternativa vegetariana de Seitan no forno:

INGREDIENTES:

Cebolas;
Seitan;
Pimento vermelho;
Azeitonas pretas;
Alho;
Batatas;
Cenouras;
Espinafres;
Sal;
Pimenta;
Ervas de Provence;
Azeite;
Coentros frescos picados.

CONFECÇÃO:

Cortar a cebola em meias-luas e com ela fazer uma cama para o seitan.

Lardear o seitan com pimento aos palitos, azeitonas desencaroçadas e laminas de alho. Esfregar com pasta de azeite e coentros picados. Adicionar sal e pimenta moida.

Preparar as batatas e as cenouras conforme a foto. Regar com azeite e pingos de água. Cozinhar em forno a 150º.

Embora não tenha usado, pode utilizar pasta de pimentão e pasta de alho em substituição do pimento vermelho e dos alhos. E também uma pinga de vinho.

Quase no fim, juntei ao tabuleiro, uns espinafres mal cozidos que restavam no frigorifico.

Outras formas de ajudar é a reflorestação, através de várias iniciativas particulares. A exemplo:

Neste Natal ofereça Árvores
Abraçar uma causa verde por 1 Euro
Instigar a uma parceria

Outras participações que vale a pena conferir:

Alma Mater
Flora da Serra
Espiritual-idade
Dicas Green
Natureza...lindaaaaa!!

12 dezembro 2010

EMPADÃO DE 2 MASSAS (de aproveitamento)

O Projeto Reciclar na Cozinha continua por tempo indeterminado no PPP :)
Aqui vos trago um empadão de 2 tipos diferentes de massas. Um deles, o esparguete era uma sobra esquecida no frigorifico. Bastou cozer mais uma porção de massa cortada e inventar um recheio que se adapta, igualmente, de qualquer sobra.
No Delicias & Talentos conseguiu-se
47 participações. E agora segue-se a seleção do Centro Comunitário de Carcavelos para eleger as 12 próximas edições do Jornal Ágora.
INGREDIENTES:
  • Esparguete cozido;
  • Massa cortada cozida;
  • Ervilhas com cenouras baby, cozidas;
  • Tofú fumado;
  • 1 pacote de molho branco;
  • 1 pacote de natas de soja;
  • Queijo ralado q.b.;
  • Salsa para decorar.
CONFECÇÃO:
Num copo alto juntar o molho branco com as natas de soja. Temperar de sal, pimenta, noz moscada.
Numa terrina, colocar o esparguete por baixo. Depositar o recheio de ervilhas e cenouras baby cozidas, com o tofú esfarelado. Regar com parte do molho branco. Terminar com a massa cortada. Regar com o resto do molho.
Terminar com queijo ralado e levar a gratinar durante 30 minutos.
Servir com uma salada variada.

10 dezembro 2010

LEGUMES À BRÁS (de aproveitamento)

Não sei se vos tem acontecido como a mim, mas desde que o Projecto Reciclar na Cozinha começou que ando mais desperta para o reaproveitamento de sobras. Isto é que está a ser um enorme movimento de consciêncialização, hein! Atinge tudo e todos os que estão a acompanhar o Desafio, não concordam?
Pelo que, tinha umas batatas-palha de pacote na despesa, metade de um pacote que se comprou no dia em que a filhota quis fast food caseiro, ou seja,
Cachorrão vegetariano. Claro que não defendo este tipo de comida mas a rapariga está na idade de gostar destas coisas, portanto não adianta contrariar.
Vai dai, as batatas-palha preparavam-se para rançar quando lembrei que há muita gente que faz bacalhau à brás rápido, com batata-palha de compra. Gosto mais com batatas fritas na altura, caseirinhas, mas mais vale reciclar, do que deixar estragar as sobras. Deram então origem a uns legumes à brás fantásticos.
Cá no PPP também não costumamos cozinhar bacalhau, mas sim
Alho francês (porro) à brás como alterativa. Pelo que é uma versão melhorada da já publicada :)
INGREDIENTES:
  • Azeite q.b.;
  • 4 partes brancas de alho-porro médios;
  • Sobra de ervilhas cozidas com cenoura baby;
  • Batatas-palha de pacote;
  • 4 ovos M;
  • Sal e pimenta;
  • Azeitonas;
  • Coentros frescos picados.
CONFECÇÃO:
Lavar muito bem os alhos franceses por dentro. Geralmente corto-os ao meio para lavar. Picar para refogar.
Num frigideira refogar os alhos com o azeite e quando tenros juntar a tacinha de ervilhas cozidas com cenouras baby (ou outra sobra de legume cozido). Saltear. Juntar a batata-palha.
Bater os 4 ovos com sal e pimenta. Envolver o preparado da frigideira com os ovos até secar.
Servir com azeitonas e coentros frescos picados. Juntamente com uma salada. Optei por salada de alface, rúcula, pimento verde laminado e beterraba envinagrada.

08 dezembro 2010

ÚLTIMOS DIAS - PROJ. RECICLAR A NÃO ESQUECER!!

Gente!!!! Está quase a terminar o Desafio de Culinária Reciclada!
Data a não esquecer - DIA 11 - Sábado até às 23:59!

Como estamos na recta final do passatempo, resolvi armar-me em luzinha de Natal e iluminar as vossas cabeças com algumas reciclagens culinárias:

Traça Boomerang à Bolonhesa
Pão de pão duro ralado
Bombons de fibra de fruta/legume
Gelado de sobra de salada frutas
Bolo de pão ralado
Mas há mais! Muitas mais ideias! Dêem uma olhada no blog das restantes organizadoras:
E ainda no blog de algumas visitas do PPP das quais recordo estes artigos:

E peço desculpa às restantes visitas habituais mas não me lembro de reciclagens da vossa cozinha: Suzi, Abelhinha, Ameixinha, etc... avivem a minha memória com um link vosso, por favor!!

03 dezembro 2010

JARDIM DE TORNEDÓ VEGETAL

O tornedó, também chamado de tournedo, fillet mignon ou naco é um bife redondo da parte mais tenra. Agora possivel de encontrar na versão vegetariana, sobre a marca Gerblé. Embora o nome do produto seja hamburguesa de soja al estilo provençal, o formato deste "hamburguer" é redondo, pequeno e alto como um naco.
É muito saboroso, constituído 75% por tofú, juntamente com aveia, millet, amido de trigo e soja, temperado com cebola, alho, tomate, manjericão, salsa e óleo de palma. Uma combinação especialissima que lhe confere um paladar exímio.
INGREDIENTES:
  • Esparguete para 2 pessoas;
  • Mistura congelada chinesa de vegetais (contém algas, cenoura e pimento amarelo, por ex);
  • 1 cubo de vegetais;
  • Azeite q.b.;
  • Alho laminado;
  • 2 nacos Gerblé;
  • Sal e pimenta;
  • Mortandela vegetal;
  • Pimento verde crú;
  • 2 centros de alface.
CONFECÇÃO:
Refogue a mistura chinesa com azeite no tacho onde vai cozer o esparguete. Ferva água à parte. Quando a mistura descongelar, junte água suficiente para a quantidade de esparguete desejada. Tempere com um cubo de vegetais biologicos e deixe cozer.
Numa frigideira refogue no azeite, os alhos laminados grosso, frite os nacos durante pouco tempo de um lado e de outro, tempere-os (sal/pimenta). Enrole-os com metades de mortandela vegetal (usei Biosmile Texas), antes de servir.
Prepare a alface e o pimento. Monte o prato com o tornedó ao centro, o esparguete e o pimento verde à volta e a alface em cima do tornedó.

01 dezembro 2010

SELO DOCE e 9 caracteristicas sobre mim

Recebi este selinho da Luísa - Horta Encantada e aqui estou para responder a 9 coisitas sobre mim.
Como sou uma rapariga muito prática, lembrei da resposta a um desafio semelhante que publiquei em JAN 2009, e reciclei-o de 5 manias para 9 caracteristicas pessoais.
A quem possa interessar aqui fica a minha prestação no Selo Doce:
Tenho a mania...

...do "Home Made". Se pudesse não comprava nada, fazia tudo com as minhas próprias mãos. Desde alimentação, vestuário, calçado, habitação, etc.

...da "diversidade". Sou alérgica à monotonia ;-))

...do "aproveitamento". Comigo nada se perde, tudo se transforma.

...de estar sempre a ajudar os outros, e às vezes lixo-me!!

...que sou médica e opino com frequência sobre a saúde dos outros. Embora apenas em mim é que pásso da teoria à prática.

Mais 4 caracteristicas...
...defendo que a simplicidade é o expoente máximo da sofisticação.
...promovo uma vida anti-consumista, especialmente no Natal e épocas festivas.
...acredito que tudo tem causas e consequências pelo que não podemos ser irresponsáveis nos nossos actos.
...considero que a felicidade é a maior riqueza que o homem pode ter, pelo que é importante partilhá-la.

27 novembro 2010

PÃO OURIÇO DE CASTANHA

Andei a magicar na confecção deste pão durante semanas. Era até para participar com ele no Desafio de São Martinho da Ana Maria, mas o tempo não estica! Efectivamente, às vezes, até parece que encolhe (irrrrra!) e vai dai, só agora apresento o Pão Ouriço de Castanha.

Confesso que parte da inspiração provém do
Pão de Castanha e Linhaça da amiga Borboleta e os picos de sementes de girassol vi-os pela primeira vez no Pão Cacto da Moira, que sempre quis reproduzir, porém contive-me na compra dos vasinhos de barro.
A farinha de castanha utilizada por mim é totalmente caseira. Consiste em castanhas piladas (ao ar e ao sol de Outono) permitindo assim um descascar muito fácil, uma vez que a castanha interior sofre um processo de secagem (ou desidratação), encolhendo de tamanho soltando-se da casca de fora. A pele interior é que não sai com a mesma facilidade mas se restar alguma pele também não é preocupante, tritura-se tudo em farinha integral de moagem grossa.
INGREDIENTES:
  • 1 copo (medida MFP) de leite de soja;
  • 1/2 copo de água;
  • 2 colheres (sopa) manteiga de soja;
  • 2 colheres (sopa) açúcar mascavado claro;
  • 1 cubo de fermento fresco;
  • 1 colher (café) sal fino;
  • 2 colheres (sopa) farinha de linhaça;
  • 1 colher (sobremesa) canela em pó;
  • 3 copos de farinha semi-integral trigo;
  • 1 copo de farinha de castanha pilada;
  • Óleo de girassol p/trabalhar a massa;
  • Sementes de girassol p/picos.
CONFECÇÃO:
Na cuba da máquina de fazer pão coloque o leite morno, água morna (aqueça junto), a manteiga à temperatura ambiente, o açúcar, o fermento esfarelado com os dedos, e os restantes ingredientes pela ordem enumerada, à excepção do óleo e das sementes de girassol.
Seleccione programa massas na MFP e aguarde.
Quando pronta, deite a massa levedada sobre uma bancada untada com óleo de girassol enquanto pré-aquece o forno vazio. Unte bem a massa no óleo, abra-a e separe em 3 partes. Forme 3 bolas. Coloque-as em fila numa forma de bolo inglês igualmente untada com óleo. Espete as sementes de girassol e leve ao forno a 100º até dobrar de tamanho.
Aumente temperatura para 180º e pulverize o forno com água para criar atmosfera húmida. Em principio demorará 30 minutos.
Espere que arrefeça para desenformar. É delicioso. Parece bolo!
NOTA:
A farinha de linhaça é obtida pela trituração de sementes de linhaça.
A farinha de castanha é obtida pela trituração de castanhas piladas.
A função da linhaça é proporcionar uma liga fôfa, conforme faz o ovo no brioche.

22 novembro 2010

COMIDA FRANKENSTEIN NA TEIA AMBIENTAL

Tenha MEEEEEEEEDO! Tenha muuuuuito MEDO, os monstros OGMs andam aí!!!

Essas criaturas genéticamente modificadas são os novos monstros verdes de todos os cientistas, Victor Frankensteins inconsequentes, inconscientes e muitas vezes horrorizadamente arrependidos pelo contributo que dão à ciência.

Quem os irá parar? Quantas bocas mais, irão eles alimentar com
milho insecticida, arroz dourado ou tomate de longa duração genética? Quantas doenças mais, irão ser motivadas pelos transgénicos, tais como, alergias, desequilibrios hormonais (tiroide) e cancro?

Não sabemos!! Andamos todos às escuras procurando a luz da solução e é por isso que neste dia mestre (22), de mês mestre (11), em ano 3 de criatividade, escrevo a proposito do tema polémico dos OGMs que até em Portugal já deu muito que falar (
ver neste link, filme e texto).

Precisamos agir!! Não como activistas que destroem campos mas impondo uma alteração nos hábitos de consumo. BIOLÓGICO é a solução(?). Diga não aos transgénicos, procure nas embalagens se os produtos que habitualmente compra contêm organismos genéticamente modificados. Torne-se um detective OGM pelo bem da sua familia, pois estes não são mais do que "sementes" para um sistema de controlo absoluto sobre as pessoas. Senão vejamos:

»»As sementes produzidas por plantações OGM não podem ser reutilizadas em sementeira do ano seguinte, têm se ser novamente compradas ao fornecedor (o maior de todos é a mundial MONSANTO CORPORATION);

»»Quem inventa a modificação genética de um produto pode registar a descoberta e patentear a fórmula, conferindo-lhe exclusividade. O passo seguinte é monopolizar o mercado de sementes, eliminando concorrência natural, como é evidente!;

»»Mesmo que o consumidor final evite comprar produtos que contêm OGMs, perdura um sector insuficientemente legislado onde é viável a introdução de OGMs através da cadeia alimentar animal, pois apesar dos esforços, a maioria dos Eurodeputados continuam a votar a favor! Resta saber "quais ovos, leite, carne, peixe de aquacultura, e seus derivados provêm desse tipo de cadeia alimentar";

»»De mãos dadas com a industria alimentar anda a industria farmaceutica, toda contentinha por a humanidade adoecer sistematicamente necessitando de medicamentos cada vez mais fortes para controlar os virús e as degenerações consequentes da evolução de sobrevivência bacterologica contra os herbicidas e insecticidas.

Bom, valha-nos apenas ter alguma (mas pouca) esperança nos produtos biológicos e numa alimentação vegetariana, necessáriamente caseira para estar plenamente informada do que comemos, se é que isso é possivel, pois a legislação contra OGMs também ainda não chegou à restauração, dai que podemos estar a comer soja transgénica sem saber!

INGREDIENTES:

  • 1 base de pizza biológica;
  • Polpa de tomate biológica;
  • 1 cebola pequena biológica;
  • Mortandela vegetal biológica*;
  • Queijo ralado biológico;
  • Rúcula selvagem biológica;
  • Morcela vegetal biológica*;
  • Azeite biológico;
  • Manjericão desidratado biológico.
CONFECÇÃO:

Estender a base de pizza. Untar com polpa de tomate. Dispor cebola fresca laminada muito fina. Ornamentar com tiras de mortandela vegetal. Espalhar um pouco de queijo ralado, por cima umas folhas de rúcula, rodelas de morcela de arroz vegetariana e mais queijo, fio de azeite e ervas (manjericão ou oregãos).

Levar a forno quente a 180º durante 40 minutos.

NOTAS *:

Mortandela vegetariana neste link
Morcela vegetariana neste link

VIDEO "O Mundo segundo a Monsanto" aqui.
Outras participações que vale a pena conferir:

19 novembro 2010

PUDIM-DOS-CÚS no Projecto Reciclar do D&T

Sempre adorei pudim de pão, no entanto nunca antes havia convencionado um.
Mas eis que dá-se inicio ao Projeto Reciclar na Cozinha do
Delicias & Talentos e vem-me à ideia esta sobremesa tradicional portuguesa. Inclusivamente porque na semana passada tive dias tão intensos de trabalho que compramos pão (de forma em fatias).
Quando isto acontece, comer pão NÃO caseiro (o que é raro), os cús de pão vão restando no saco plástico porque ninguém cá em casa gosta das pontas do pão-de-forma industrial. São achatadas, nada fofinhas e como ficam para último, ninguém lhes pega. Vão para os cães do meu sogro ou para o lixo :(
Desta vez não!! Ao ver 6 cús de pão, "multiculturais", reparei logo na potencialidade de inovar no
Desafio de Culinária Reciclada.
A importância de reciclar comida não está apenas no poupar dinheiro, está também no diminuir desperdício, reduzir o lixo que fazemos diariamente. Preocupa-me imenso o destino de tudo o que deito fora. Como é possível tratar todos os resíduos à velocidade que são criados pela humanidade!?
Por falar em desperdício recordei a
Petição lançada por António Costa Pereira levada à Assembleia da Republica, com o objetivo de alterar a lei portuguesa que proíbe a doação a instituições de caridade, das sobras de restaurantes, cantinas e afins.
Infelizmente a lei não foi alterada, mas foi possível dentro do espirito da lei, entender melhor as obrigatoriedades conseguindo-se reaproveitar as sobras desde que estas sejam transportadas, devidamente acondicionadas e em frio (arcas ou carrinhas frigorificas). Pelo que, daqui para a frente é possível pôr em marcha um movimento de solidariedade baseado na doação das empresas na área da restauração, às instituições de apoio à fome e à precariedade social.
Burocrático, mas possível !! E agora vamos ao pudim-dos-cús :))
INGREDIENTES:
2 cús de Brioche Francês;
2 cús de Pão alemão c/sementes;
2 cús de Pão Rústico Português;
1 punhado de uvas-passa;
6 ovos M;
500 ml de leite de soja;
1 colheres (sopa) rasa de manteiga de soja;
1 lata de leite condensado de soja (marca continente*);
5 bagas de cardamomo (usar as sementes interiores apenas);
Cascas de laranja;
Sumo de 1 laranja;
Caramelo;
Pau de canela reutilizado (de mexer café).

CONFECÇÃO:
Cortar os cús de pão em quadrados pequenos (de 2 cm). Demolhar as uvas-passa num pouco de leite. Aquecer o forno a 180º.
No copo da bimby vazio, colocar os ovos, o leite à temperatura ambiente, a manteiga e o leite condensado. Triturar 2 minutos, velocidade 3/4.
Juntar as sementes de cardamomo, as uvas-passas com o pouco leite que se havia retirado dos 500 ml, e o pão, triturar 2 minutos, velocidade 1/2, temperatura 40º.
Untar a forma com o caramelo liquido, deitar o preparado na forma e depositar cascas de laranja estrategicamente espaçadas. Levar ao forno a 150º em cima dum tabuleiro com 1 dedo de água, durante 40 minutos.
Deixar arrefecer, guardar no frigorifico durante pelo menos 2 horas antes de desenformar.
Para servir, rale um pau de canela reaproveitado por cima do pudim. Tenho o hábito de trazer para casa as canelas que os cafés dão para mexer o café, que lavo, deixo secar e reutilizo.
À parte faça um caramelo mais liquido com o sumo de 1 laranja inteira pois o pudim vai ter pouco caramelo ao desenformar.´
NOTA FINAL:
*Os supermercados Continente já têm à venda na areaviva (vegetariana), um leite condensado de soja delicioso e a preço acessivel. Contém óleo de palma que lhe confere um excelente sabor. Experimente esta alternativa.

18 novembro 2010

CENOURADA DE MARMELO

No seguimento das marmeladas bimbólicas, a original e a de maçã, apresento-vos hoje, uma de cenoura. Foto com má qualidade, é verdade, mas fui forçada a fotografar com a máquina de filmar da Carolina (um brinquedo), peço desculpa.

A cenourada de marmelo é deliciosa. A cenoura confere-lhe mais doce que a maçã e tendo como base 80% de fruta perante 20% de açúcar, tem toda a vantagem juntar cenourita :)

Até pode ser um aproveitamento de cenouras esquecidas no frigorifico!

INGREDIENTES:

900 gr de Marmelo Biológico (depois de retirar caroços fica em 780 gr +/-);
3 Cenouras médias Biológicas (com casca e sem pontas);
200 gr Açúcar Mascavado Claro

CONFECÇÃO:

Lavar muito bem os marmelos e as cenouras com um esfregão.
Retirar apenas os caroços e as pontas. Partir aos pedaços. Triturar grosso com casca na Bimby. 30 segundos, vel 9.
Programar 30 minutos, temperatura 100º, velocidade 3. Ajudar com a espátula da Bimby.
Ao fim deste tempo, retirar o copinho de cima, virar o cesto ao contrário sobre a tampa para evitar salpicos, programar mais 25 minutos, temperatura Varoma, velocidade 3.

13 novembro 2010

BLOGAGEM COLECTIVA CULINÁRIA RECICLADA

O DELICIAS E TALENTOS está de novo a DESAFIAR, para comida RECICLAR :))
Quem disse que as sobras não prestam?
Que só podem ser reaquecidas antes de esquecidas no frigorífico?
Ou que estão condenadas ao desperdício sem qualquer hipotese de criatividade?

A ideia é (re)criar um prato com o que sobra de outras refeições, já que estamos em crise e precisamos POUPAR para nossa carteira e ambiente AJUDAR.
Meninas e Meninos, toca a INVENTAR para as sobras REUTILIZAR !!!!

Para saberem mais sobre esta iniciativa conjunta de vários blogs, clickem no link:
DESAFIO DE CULINÁRIA RECICLADA .

Já em marcha desde dia 15 NOV, podem acompanhar as participações neste link.

02 novembro 2010

PÃO POR DEUS e Brioche de Abóbora

Ontem foi Dia de todos os Santos (e mártires), hoje é Dia de todas as almas (Finados). Neste dia celebra-se a vida eterna pois acredita-se que a alma não morre, simplesmente se liberta do corpo e da vida que anima a matéria.

É comum nestes dias e vésperas fazerem-se Vigílias pelas almas. Inclusivamente o 31 de Outubro é uma noite de Vigília. A palavra Halloween deriva da frase All Hallow´s Evening (a noite de todos os devotos).

Fazer uma Vigília pelas almas é permanecer acordado e não dormir. A intenção da Vigília é orar pelas almas que se encontram presas no limbo ou que estejam muito apegadas à matéria, insistindo em permanecer no mundo físico por assuntos pendentes, apesar de já não terem corpo.

O estado de vigília é o estar desperto, o estar consciente. O sono é o irmão da morte. Durante o sono, o corpo relaxa, recupera a energia vital, a mente funciona num estado subconsciente e a alma desprende-se.

A tradição do Pão-por-Deus nasceu da crença que durante a época, os familiares mortos regressavam para pedirem favores ou para se reconciliarem com os vivos por forma a descansarem suas almas penadas. A crença evoluiu para a tradição de fazer o bem aos pedintes vivos, especialmente às crianças como forma pessoal de resgatar os pecados desta vida, não os levando como karma na bagagem da alma.

Após algumas catástofres naturais, como por exemplo, o terramoto de Lisboa em 1755, o dar Pão-por-Deus foi uma forma de saciar a fome a muitas crianças que passavam necessidades por motivos de pobreza extrema.

As modernices é que estragam tudo e duma tradição solidária viu-se nascer mais um consumismo nada saudável de chocolates, rebuçados, bolos e etc... Por cá, quem bateu à minha porta levou uma fatia de brioche de abóbora com manteiga! (receita adaptada do blog: Os temperos da Argas )

INGREDIENTES:
70 gr manteiga de soja derretida;
210 gr puré de abóbora cozida;
1 ovo;
1 cubo de fermento fresco de padeiro;
3 colheres (sopa) leite de soja;
75 gr açúcar mascavado claro;
1 colher (café) sal fino;
Raspa de 1 laranja;
440 gr farinha trigo semi-integral T80 (ou outra);
Arandos picados;
Azeite q.b.;
Coco desidratado.

CONFECÇÃO:

Derreta a manteiga. Coloque-a na cuba da Máq de fazer pão.

A abóbora foi cozida sem água e sem sal, em lume brando e triturada com liquidificadora de mão.
Amornar o leite e desfazer o fermento fresco no liquido. Colocar na cuba da MFP.
Juntar o ovo à abóbora, bater com garfo. Adicionar o açúcar, sal e raspa da laranja, dissolver bem. Colocar na cuba da MFP.
Anexar por fim a farinha. Seleccionar programa massas. Após inicio do amassar e formação da bola de massa, juntar os arandos. Se necessário povilhar com farinha caso a bola esteja demasiadamente húmida.
Findo o programa, untar uma bancada com azeite, deitar a massa sobre a bancada e com as mãos untadas, formar 4 bolas. Untar uma forma de bolo inglês, dispor as bolas em linha dentro da forma e levar a forno quente a 100º. Passados 15 minutos, colocar topping de coco, borrifar atmosfera dentro do forno com água e aumentar temperatura para 150º. Mais 30 minutos e estará assado. Verificar interior do pão com um palito.

31 outubro 2010

TARTE DE HALLOWEEN e Coca iluminada

Não deixam de ser interessantes as tradições populares e por vezes proporcionam momentos divertidissimos em familia.

Hoje, foi esse o caso. Comprei uma abóbora no LIDL com preço/kilo em promoção, resultando num Domingo de festa. De manhã estivemos a retirar a polpa à abóbora, a esculpir os olhos, o nariz e a boca da
Coca. Logo de seguida aproveitamos os residuos para fazer uma sobremesa com decoração criada a preceito. Depois de almoço, rumámos a casa dos avós, a filhota vestida de bruxinha, montada na sua vassoura, para lancharmos a saborosissima Tarte de Halloween.

Agora um pouco de história... Provavelmente estranharam, pararam no link Coca e já sabem o significado, mas para os mais distraídos ou mais apressados, partilho convosco a minha descoberta recente:

Pensava eu que o Halloween era "produto importado". Uma festa estrangeira que os portugueses haviam adoptado da tradição inglesa e americana. Mais que não fosse pelo estrangeirismo Halloween, não é verdade!? Inclusivamente às abóboras iluminadas chamam-se
Jack-o´-lantern.

Não podia estar mais enganada. Já que o folclore português tem também ele a tradição antiquissima de iluminar abóboras representativas de seres miticos, fantasmas ou bruxas, a que deram o nome de Coca iluminada.

Descobri ainda que a Coca portuguesa deu origem à
Cuca brasileira que se tornou famosa através do Sitio do pica-pau amarelo. A primeira versão da Cuca em 1951 era a de uma bruxa velha, feia e pobre mas aos poucos a sua fisionomia foi-se assemelhando a um jacaré fêmea de cabelos longos e estragados, um réptil de mãos contorcidas, corcunda, unhas grandes, boca rasgada e dentes imundos.

E como toda a cozinheira, é feiticeira... ABRACADABRA-ZÁS-TRÁS-PÁS, vamos ver do que sou capaz!!!!
INGREDIENTES:
  • 1 massa quebrada redonda;
  • 5 xicaras de puré de abóbora;
  • 1 + 1/2 xicara de açúcar mascavado claro;
  • 1 cálice de água;
  • 1 colher (sopa) canela moida;
  • 1 + 1/2 xicara de coco ralado;
  • 4 colheres (sobremesa) farinha maizena (amido de milho);
  • Pitada de sal fino;
  • Raspa de 1 laranja biologica.
CONFECCÃO:
Cozer a abóbora cortada aos pedaços, SEM água, numa panela anti-aderente. Triturar com liquidificadora de mão.
Noutra panela colocar o açúcar, a água e a canela. Levar ao lume para fazer um ponto de açúcar. Terminado, apague o lume, junte o coco, o puré de abóbora, a maizena diluida numa colher de água, a raspa de laranja e a pitada de sal. Mistura bem.
Aqueça o forno enquanto desenrola a massa quebrada, deite o recheio e leve ao forno a 160º durante 40 minutos.
Antes de servir povilhe de coco ralado. Usei um coco desidratado biologico sem açúcar à venda na loja de produtos naturais do C.Comercial CascaisVilla.
NOTA:
Estas quantidades são para uma tarteira grande. Se a sua tarteira for pequena, diminua quantidades.
DECORAÇÃO:
As patas da aranha foram feitas com palhinhas de sumo pretas compradas no IKEA e os olhos de smarties vermelhos pintados com caneta de tinta comestível. O corpo da aranha e a bruxinha são peças soltas dos brinquedos da Carol (bem lavados e desinfectados).

25 outubro 2010

SUSTENTO HABILIDADE NA TEIA AMBIENTAL

Dizem as más línguas que este mês eu não quis saber da teia ambiental. Enganam-se! Na verdade quis surpreender-vos quando menos estavam à espera, ih ih ih. Bom, não é verdade completa mas é quase.
Supostamente devia ter acompanhado a Teia Ambiental no dia 7, dia do ambiente, mas como foi-me impossível cumprir todas as obrigações dessa semana, resolvi publicar mais tarde. No entanto queria publicar em dia semelhante, ou seja, podia ter publicado a 16 (1+6=7), mas como 16 é número kármico, resolvi publicar hoje, dia 25 (2+5=7).
Superstições à parte, vamos lá então ao tema de hoje, SUSTENTABILIDADE que converti noutro formato, SUSTENTO HABILIDADE. Num contexto ambiental, o principio da sustentibilidade assenta no uso dos recursos naturais para satisfazer as necessidades presentes, de forma a não comprometer as necessidades futuras.
Ora, não é isso que constatamos diariamente, pois não? Alguém pensa que está a comprometer algumas espécies quando come atum ou bacalhau? Alguém pensa que está a gastar demasiado combustível em deslocações curtas quando está provado que o petróleo é finito? Alguém pensa que já não há aterros/lixeiras suficientes para todo o lixo que fazemos quando não colaboram na reciclagem?
Isto é compromoter as necessidades futuras! Isto é penhorar o futuro dos nossos filhos. Já dizia Roberto Carlos na canção
AS BALEIAS:
Não é possivel que você suporte a barra
De olhar nos olhos do que morre em suas mãos
(...)
Os seus netos vão te perguntar em poucos anos
Pelas baleias que cruzavam oceanos
Que eles viram nos livros
Ou nos filmes dos arquivos
(...)
Não é possivel que você suporte a barra

Da mesma forma que as baleias estiveram em perigo de extinção, muitos outros seres encaminham-se para esse fim. Foi necessário em 1986 considerar a Caça e Comercialização da Baleia ilegal para dar um tempo à natureza de repor o estoque de baleias nos oceanos. Caso contrário os nossos filhos e netos só irião ouvir falar das baleias conforme hoje se ouve falar dos dinossauros.
Precisamos ser obrigados por lei a deixar de consumir? a deixar de poluir? a ter consciência?...
Mas sustentabilidade não se aplica só à ecologia. Ela tem de estar integrada num sistema, e o sistema tem de ser sustentável em todos os seus sectores:
Outras participações que vale a pena conferir:
»»Sustentabilidade Ecológica;
»»Sustentabilidade Politica;
»»Sustentabilidade Económica;
»»Sustentabilidade Social;
»»Sustentabilidade Pessoal.

É nesta sustentabilidade de base que tudo começa. Temos de desenvolver a habilidade de nos sustentarmos a nós próprios, sem compromoter as gerações futuras, sem hipotecar o futuro.
Sustentabilidade pessoal pássa por ter uma alimentação consciente, por gerir eficazmente a ecónomia doméstica, por ser politicamente correcto nas relações com os outros, respeitando os demais e o planeta, e por assumir a responsabilidade sobre os residuos e desperdicios que produzimos no simples acto de viver.
Por outras palavras, uma alimentação consciente é aquela que não promove a extinção das espécies, aquela que não sobrecarrega o planeta com produção intensiva, quimicos, monoculturas, destruição de floresta, etc...
Gestão eficaz da economia doméstica é evitar o desperdicio, evitar o consumismo, evitar contrair créditos financeiros que nos tornam reféns do trabalhar para pagar tudo o que a nossa insatisfação obriga. Livrem-se de futilidades e não entrem em competição com ninguém. Não interessa quem tem o melhor carro, ou a melhor roupa!
Ser politicamente correcto nas relações, é não tentar levar vantagem sobre os outros, não visar única, exclusivamente e sempre, apenas o lucro, promover o respeito e a igualdade social.
Ser responsável pelos residuos e desperdicios, é preocuparmo-nos com aquilo que deitamos fora. Seja comida estragada, seja lixo, artigos em fim de vida... Para onde vai? Como é tratado? É reciclado? Como posso ajudar a diminuir as tolenadas de lixo que produzo?
E aqui entra em cena a minha receita de hoje: RECICLAGEM DE COMIDA. Um arroz com 1 semana, vira um risotto gourmet na frigideira, just like this, Plim!

INGREDIENTES (para 1 pessoa):
 
  • 1 cháv de arroz cozido solto;
  • 1 colher (café) bem cheia de açafrão;
  • 1 cubo de caldo de vegetais;
  • 300 ml água quente;
  • 1/4 cebola roxa picada;
  • Azeite q.b.;
  • 1/2 latinha pequena de cogumelo laminado;
  • 1/4 de tomate picado sem grainhas;
  • 1/4 de courgette (abóbrinha) aos cubinhos;
  • 1/2 cenoura aos palitos finos;
  • 1 colher (sopa) milho cozido;
  • Aipo de folha picado (salsão);
  • Levedura de cerveja, uma alternativa ao queijo parmesão.
CONFECÇÃO:De preparo muito rápido. Óptimo para hora de almoço em dia de trabalho. Um arroz de frigideira muito saboroso.
Comece por preparar o caldo de legumes com a água quente e reserve.
Refogue a cebola no azeite, junte os cogumelos escorridos, o tomate e a courgette. Deixe cozinhar. Junte o caldo, o arroz e o açafrão. Deixe ferver mexendo sempre. Junte os palitos de cenoura e o milho. Quando o caldo sumir e o arroz inchar um bocadinho, retire do lume. Sirva com aipo de folha picadinho e povilhe de levedura de cerveja ou queijo parmesão.

22 outubro 2010

TULI DE ALFARROBA E AMÊNDOA

ARTIGO RELACIONADO:

Tulicreme Caseiro de 3 chocolates e Avelã

Nunca imaginei que esta pasta de "chocolate" (sem chocolate) ficasse tão boa, gulosa, daquele género de não se conseguir parar de comer! Acreditem em mim, é fantástica!

Confesso que o tulicreme alternativo apresentado pela
Borboleta Africana no Dia Castanho despertou a minha curiosidade na altura, mas ficou-se por aí. Caiu no esquecimento em 2009 :(

Felizmente,
a Conceição do blog Eu e os Tachos resgatou a receita e avivou-me a memória, trazendo às luzes da Ribalta, a maravilhosa, inigualável, superfantástica, pasta de chocolate alternativo! Palmas para o Tuli de Alfarroba. É digno de pompa e circunstância!!!
Mais uma vez chamo a vossa atenção para os pormenores: amêndoa integral (com pele) e açúcar integral. A minha receita tem, como era de esperar, o meu cunho pessoal: a pitada de canela e o agáve.
INGREDIENTES:
  • 150 gr Amêndoa com pele;
  • 2 colheres (sopa) Açúcar Mascavado Escuro;
  • 2 colheres (sopa) Farinha de Alfarroba;
  • 1 colher (chá) Canela em pó;
  • Pitada de sal fino;
  • 1/2 chávena de óleo de milho;
  • 1/2 chávena de Xarope de ágave (também pode usar mel).

CONFECÇÃO:

Num liquidificador triturar fino as amêndoas, obtendo uma farinha integral de amêndoa.
Juntar os restantes ingredientes pela ordem apresentada. Triturar tudo junto até obter uma pasta homogénia, como se fosse uma maionese consistente.
Se necessário juntar mais óleo. No meu caso não foi preciso porque o xarope de agáve não solidifica. É um adoçante alternativo, crudivoro e muito saudável. É um néctar extraido dum cacto mexicano, rico em frutose.

21 outubro 2010

MARMELADA MISTA DE MARMELO E MAÇÃ

O ininterrupto ciclo das estações do ano dá-nos a sensação que por muito que se queira fugir à rotina, é inevitável repisar os mesmos caminhos, os mesmos costumes, as mesmas receitas.

Se por um lado aborrece-nos esta sensação de dejá-vu, de repetição. Por outro, habita-nos a sensação de conforto, de regresso ao cólo de mãe, de recordar é viver :)

Neste momento renova-se o Outono, diz-se adeus ao Verão e na passagem do calor para o frio, chega-nos as frutas e vegetais da época, os marmelos, as abóboras, as castanhas... As marmeladas, as compotas, o Halloween, o São Martinho...

Cá em casa também não é excepção. Voltamos com satisfação à
Marmelada Bimbólica do ano passado. A única diferença é a minha insistente criatividade, instigadora na busca de novidade. Assim vos deixo, com a Marmelada Mista de Marmelo e Maçã (4 M´s). Reparem no pormenor de utilizar frutos integrais (ou seja, com casca) permitindo um menor desperdicio.
INGREDIENTES:
  • 900 gr de Marmelo Biológico (depois de retirar caroços fica em 780 gr +/-);
  • 2 Maçãs ou Pêros Biológicos (com casca e sem caroços);
  • 200 gr Açúcar Mascavado Claro.
CONFECÇÂO BIMBY:
Lavar muito bem os marmelos com um esfregão para retirar o pêlo do fruto. Lavar também as maçãs.
Retirar apenas os caroços e partir aos pedaços. Triturar grosso com casca na Bimby. 30 segundos, vel 9.
Programar 30 minutos, temperatura 100º, velocidade 3. Ajudar com a espátula da Bimby.
Ao fim deste tempo, retirar o copinho de cima, programar mais 25 minutos, temperatura Varoma, velocidade 3.
CONFECÇÃO TRADICIONAL:
Bom, a pedido da querida Flora vou tentar uma descrição da maneira tradicional.
Lavar muito bem os marmelos com um esfregão para retirar o pêlo do fruto. Lavar também as maçãs.
Retirar apenas os caroços de ambos os frutos e partir aos pedaços. Colocar tudo num liquidificador, juntamente com o açúcar. Triturar grosseiramente com casca. Obtendo um género de farofinha.
Transferir para uma panela e cozinhar em lume brando, tapado, mexendo de vez em quando, até sentir que os frutos estão devidamente cozidos.
Aí, destapar para evaporar o líquido e ainda em lume brando deixar ganhar consistência de compota, mexendo com frequência para não agarrar.
Deixar arrefecer e guardar no frigirifico.
Geralmente as marmeladas não necessitam de frigorifico porque têm muito açúcar, mas como esta é light pode estragar.
NOTA:
Não é uma marmelada muito doce. Mas eu gosto assim. Quem quiser mais doce aumenta açúcar. Porém é uma marmelada com intenso sabor.
É uma óptima ideia para reciclar maçãs esquecidas no frigorifico!

02 outubro 2010

CROMOTERAPIA CULINÁRIA - SOPA DA COROA

A cromoterapia é uma terapia alternativa que utiliza as cores para curar desequilibrios energéticos. Através das cores, equilibramos os chakras que são meridianos principais de energia em nós.
A cor emite uma vibração curativa e desse modo permitirá ao chakra abrir-se, deixar fluir a energia mantendo a corrente de ligação entre uns e outros. Chakras parados ou disfuncionais são a causa de muitas doenças. São bloqueios.
A cor entra nas nossas vidas através de vários meios: luzes, alimentos coloridos, roupas, paredes pintadas, mobiliário, etc... Aqui neste blog falamos de cromoterapia culinária e da importância da cor à nossa mesa.
Deixo-vos com um creme violeta ao qual chamei sopa da coroa por ser a côr do 7ºchakra (chakra coronário ou da coroa), o qual abre as portas da consciência ao infinito, aumenta a percepção além do tempo e do espaço. É a fusão expansiva com o espirito universal.
INGREDIENTES:
  • 1 cebola média;
  • 2 batatas médias;
  • 1/2 courgette média descascada;
  • 1/2 couve roxa;
  • Azeite;
  • Sal.
CONFECÇÃO:
Utilizei a bimby.
Descascar e cortar a cebola, batatas e courgette. Deitar no copo da bimby. Mais a couve roxa cortada aos pedacinhos. Regar com azeite. Programar 10 min, velocidade 1 a 2, temperatura 100º.
Ferver água à parte. Deitar sobre os legumes refogados quando terminarem os 10 minutos, até cobrir mais "1 dedo" de altura. Juntar sal a gosto. Programar 20 min, velocidade 4 a 5, temperatura 100º.
COMER! É deliciosa. Parece veludo. É um creme verdadeiramente espiritual :) Dá-te asas!!!!