08 julho 2010

BLOGAGEM COLECTIVA ESPIRITUAL ECUMÊNICA

São já tantos os desafios, passatempos e blogagens colectivas que torna-se dificil contribuir para todos. Alguns são apenas fogueiras de vaidade ou procura de protagonismo, outros são estimulantes à criatividade ou momentos reflexivos especiais. Ou se calhar... todos têm uma pitada de vaidade, de protagonismo, de criatividade e de reflexão consoante a maneira como nós mesmos olhamos para o desafio. No fundo a prespectiva que temos do mundo exterior, por vezes, é o reflexo do nosso interior.

A blogagem colectiva espiritual foi-me apresentada pela Gina embora a mentora do projecto seja sua irmã Rosélia do blog Espiritual-idade. Para o tema do Domingo passado escolhi apresentar um livro e não uma confecção culinária: Alquimia Emocional de Tara Bennet-Goleman. Talvez porque na altura em que pensei aderir à blogagem, iniciei leitura deste livro e deparei-me com um prefácio de Dalai-Lama que passo a transcrever um excerto:


«(...) Embora o progresso material seja importante para o desenvolvimento humano, se prestarmos uma atenção excessiva às coisas externas, em detrimento do desenvolvimento interior, o desequilibrio nos causará problemas. A paz interior é a chave: através dela seremos capazes de ser calmos e lógicos ao lidar com as situações. Sem a paz interior, por mais confortável que a nossa vida possa ser, sob o aspecto material, ainda ficaremos preocupados, perturbados ou infelizes em decorrência das circunstâncias.

Quando estamos tranquilos interiormente, podemos ficar em paz com aqueles que nos cercam. (...) Quando sentimos amor e bondade com relação aos outros, não são apenas eles que se sentem amados e protegidos; nós também desenvolvemos a felicidade e a paz interior.»

Interpretando a mensagem de Dalai-Lama e adaptando-a ao tema da blogagem colectiva, entendo que o importante é trabalharmos o nosso interior antes de tudo o mais. De dentro para fora e nunca o inverso.

Só quando no silêncio, escurtarmos o que a alma e o corpo nos dizem é que conseguiremos fortalecer as nossas fraquezas, compensar as nossas carências, equilibrar as nossas flutuações emocionais e gerar bons sentimentos para compartilhar com os que nos rodeiam. Não adianta procurar no exterior o que nos falta interiormente. Há que cultivar, cuidar bem dos nossos jardins emocionais, harmonizar os nossos sentimentos. Não adianta buscarmos alguém que nos faça feliz, que nos ame, que se dedique a nós, se nós mesmos não nos amarmos, não nos dedicarmos ao nosso eu, não atingirmos a felicidade por nós próprios e não em função do outro. Chama-se a isto amor próprio.


Meditar não é mais do que fechar a porta aos estimulos exteriores por um momento. Virar-nos para dentro e analisar com inteligência emocional as emoções que estamos sentindo, quais as dores da alma, qual o porquê da reduzida força anímica que se possui. Implementar uma organização interior é a base do sucesso. Estabelecer prioridades de acordo com a sabedoria dos grandes mestres, aqueles que falam com o coração. Levantando a cabeça, negando logo à partida a postura depressiva, o negativismo... Tudo influência! Pense positivo, cuide do seu interior e não fique à espera que a vida lhe dê alguma coisa. Vá à luta mas só depois de muita interiorização, muita paz interior e escolha de caminhos. Se ainda está desorientado não dê nem mais um passo! Cure o seu interior antes de se aventurar no exterior.

15 comentários:

  1. Que bem que me soube ter o excerto e as tuas dissertações sobre a paz interior que cda um de nós precisa sentir.
    Que bem me sabe perceber que ainda existem pessoas para quem os bens materiais são apenas parte da vivência mas não essenciais á mesma, a paz sim, é essencial á vida, á sabedoria, á partilha para que assim possamos atinjir todos os objectivos que não devem ter fundamento material e sim espiritual.

    ResponderEliminar
  2. Bom dia Rute! Passando super rápido! Tem sorteio lá no blog, da uma passadinha lá! Bjinhos

    ResponderEliminar
  3. Amiga fiquei sem palavras com o teu post.
    É isso mesmo se não gostarmos de nós próprios como é que os outros podem gostar.Temos que nos conhecer a nós próprios e é através do nosso interior, das emoções, da nossa alma, para podermos estar bem com o mundo.
    Amiga eu sei bem o que isso é já fiz isso.

    E sabes uma coisa eu gosto das aulas de balance exactamente porque no final são 10m de meditação, relax.

    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Olá minha querida
    Pois é temos mesmo que gostar de nós, mas gostar sem pensar só no nosso umbigo.
    Quando fazia body balance, era um momento muito importante de meditação.
    P.s liguei-te na Terça, estava Oeiras, mas tu nicles....
    beijocas

    ResponderEliminar
  5. Amiga, preciso sair agora, mas não podia deixar de vir agradecer pela sua participação.
    Só pelo início que li, já senti uma abordagem ótima. Volto mais tarde para ler com calma e vou enviar-lhe um e-mail, ok?
    Cada dia fico mais empolgada com o blog, por oportunidades como essa e por encontrar pessoas queridas, como você.
    Beijinhos e até mais tarde!

    ResponderEliminar
  6. Rute, não localizei seu e-mail. Se não se importar, escreva pra mim nesse e-mail: reginabcastro@gmail.com

    Finalmente, pude ler com calma seu texto e ressalvo os seguintes itens:
    1 - A cada dia que entro num blog e vejo conteúdo desse gênero, mas me entusiasmo a tornar o Naco Zinha esse espelho da minha alma.
    2 - Há toda uma linha de coerência entre suas convicções e as coisas que você põe em prática, seja indo em busca da alimentação natural, seja no cuidado ecológico com tudo, ligado ou não à cozinha. E agora, em implementar na vida o que aprende com os grandes mestres.
    3- Gostei muito de como abordou a questão da fogueira de vaidades.
    4 - Tenho lido e participado de reuniões onde se enfatiza que a felicidade não está nos outros e que devemos buscar o autoconhecimento.

    Vou apresentar-lhe 2 blogueiros (se ainda não os conhece) muito queridos, pois percebi que têm afinidades.
    Aguardo e-mail, ok?

    Beijos!

    ResponderEliminar
  7. Maravilhoso teu post, amiga Rute! Mostra bem a ótima pessoa que vc é! Muito inspirador! Todos nós estamos em busca da evolução espiritual e do aprendizado para crescermos . E como atingir estes objetivos? Só nós conhecendo mesmo! Parabéns pela belíssima participaçao, mais uma vez!

    ResponderEliminar
  8. Bom dia a todas.

    Obrigada pelo vosso contributo neste tema.

    Elisabete, isso é uma grande verdade. Não dou valor nenhum à ostentação e aos bens materiais. A minha casa é super minimalista à excepção das máquinas de cozinha ah ah ah.

    Paula, assim que possivel passarei lá no seu blog.

    Sandra G., de facto é muito importante reservarmos uns minutos do nosso dia para pensar e repensar. Meditar sem som, sem luz, sem imagem.

    Abelhinha, gostar de nós e olharmos para dentro de nós não se deve confundir com ser egoista ou egocentrica. Eu posso trabalhar o meu interior sem deixar de me preocupar com os outros. Simplesmente, ao trabalhar o meu interior estarei a melhorar a qualidade daquilo que tenho para oferecer a quem precisa.

    Gina, fiquei tão feliz de receber esta sua reacção. Não busco elogios ou estrelato, busco sim encontrar pessoas como vc que me entendam e que melhorem o mundo da forma q vc melhora a cada dia que passa.

    Mónica, sem dúvida que o auto-conhecimento é a chave que abre todas as portas. Temos de entender a linguagem interior, ela é rica em sentimento. Só assim podemos falar na mesma linguagem ao mundo.

    Beijinhos a todas.
    Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  9. Oi, minha nova amiga
    Fico honrada em tê-la conosco nessa BLOGAGEM COLETIVA ESPIRITUAL ECUMÊNICA...
    Muito contribuiu vc e vou reforçar seu post na próxima postagem de Domingo... vale a pena!
    Espero que continue a nos enriquecer, querida.
    Estou viajando e um pouco limitada com o uso da net... quando retornar, olharei, com muito carinho seu Blog que deverá me alimentar em muitos aspectos...
    Fique na mais perfeita paz e siga conosco, tá?
    Bjs e harmonia pra vc.

    ResponderEliminar
  10. Muito feliz, a sua citação do texto do Dalai Lama, minha cara Rute.
    Recebi a sua visita no Alma Mater, e aqui estou a visitá-la. Gostei muito do seu texto, pela profundeza de seus pensamentos e pela consciência espiritual que dá para observar em cada linha e em tudo que diz.
    Como numerólogo que sou, e seguidor da filosofia de Pitágoras faço eco de suas palavras, com a frase que adornava o pórtico do Templo de Delfos: "conhece-te a ti mesmo".
    Só depois desse autoconhecimento é possível começar a pensar em vir a conhecer os outros. Quem não se conhece a si, não conhece ninguém.
    E isso está muito bem dito na sua postagem.
    Muito bom, muito bom mesmo!
    Abraços.
    Gilberto.

    ResponderEliminar
  11. Orvalho e Gilberto!

    Obrigada por terem aparecido e dado a vossa simpática opinião.

    Fico feliz de contribuir satisfatóriamente para a blogagem colectiva espiritual.

    Gina me indicou ainda o blog da Flora que quero visitar em breve. Mas hoje já não vai dar :(. Aqui em Portugal já é tarde e foi um sábado longo para mim. Longo mas gostoso, de praia :)

    Voltarei amanhã para visitas e mais comentários.
    Beijinhos e abraços.
    Tudo de bom pra vcs.

    ResponderEliminar
  12. Oi, Rute:
    Vim agradecer sua visita e adorei seu blog !
    Mais uma vegetariana para o grupo, e isso é muito bom.
    As receitas são incríveis e vou experimentar.
    Apenas precisarei de "tradução" de alguns termos. Com calma lerei tudo e comentarei.

    Beijo

    ResponderEliminar
  13. Flora! Que bom que vc me veio visitar. Obrigada.
    Prezo muito a sua presença e opinião. Obrigada por me receber de braços abertos no grupo da blogagem. Será que dá para eu entrar na vossa teia ambiental também??? Vou lá ao seu blog perguntar :)
    Beeeeijo!

    ResponderEliminar
  14. Rutinha,
    és um ser lindo! Um tesouro que veio enriquecer a Terra e cada um dos que te leêm!! Eu saio sempre mais rica do Teu Partilhar!
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  15. Querida Isabel,

    tinha tantas, mas tantas, mas tantas, saudadinhas tuas!!!

    Olha, esse é mesmo o milagre da multiplicação dos pães: tu sais mais rica do meu partilhar e eu fico mais rica após o teu partilhar :))

    Afinal quanto mais se partilhar, ou dá, mais se ganha :)

    Agradece por mim à Sarita o facto dela te ter deixado "ficar" por aqui tanto tempo a comentar, ah ah ah.
    Bjinhos às duas, mãe e filha.
    Até breve!

    ResponderEliminar