25 outubro 2010

SUSTENTO HABILIDADE NA TEIA AMBIENTAL

Dizem as más línguas que este mês eu não quis saber da teia ambiental. Enganam-se! Na verdade quis surpreender-vos quando menos estavam à espera, ih ih ih. Bom, não é verdade completa mas é quase.
Supostamente devia ter acompanhado a Teia Ambiental no dia 7, dia do ambiente, mas como foi-me impossível cumprir todas as obrigações dessa semana, resolvi publicar mais tarde. No entanto queria publicar em dia semelhante, ou seja, podia ter publicado a 16 (1+6=7), mas como 16 é número kármico, resolvi publicar hoje, dia 25 (2+5=7).
Superstições à parte, vamos lá então ao tema de hoje, SUSTENTABILIDADE que converti noutro formato, SUSTENTO HABILIDADE. Num contexto ambiental, o principio da sustentibilidade assenta no uso dos recursos naturais para satisfazer as necessidades presentes, de forma a não comprometer as necessidades futuras.
Ora, não é isso que constatamos diariamente, pois não? Alguém pensa que está a comprometer algumas espécies quando come atum ou bacalhau? Alguém pensa que está a gastar demasiado combustível em deslocações curtas quando está provado que o petróleo é finito? Alguém pensa que já não há aterros/lixeiras suficientes para todo o lixo que fazemos quando não colaboram na reciclagem?
Isto é compromoter as necessidades futuras! Isto é penhorar o futuro dos nossos filhos. Já dizia Roberto Carlos na canção
AS BALEIAS:
Não é possivel que você suporte a barra
De olhar nos olhos do que morre em suas mãos
(...)
Os seus netos vão te perguntar em poucos anos
Pelas baleias que cruzavam oceanos
Que eles viram nos livros
Ou nos filmes dos arquivos
(...)
Não é possivel que você suporte a barra

Da mesma forma que as baleias estiveram em perigo de extinção, muitos outros seres encaminham-se para esse fim. Foi necessário em 1986 considerar a Caça e Comercialização da Baleia ilegal para dar um tempo à natureza de repor o estoque de baleias nos oceanos. Caso contrário os nossos filhos e netos só irião ouvir falar das baleias conforme hoje se ouve falar dos dinossauros.
Precisamos ser obrigados por lei a deixar de consumir? a deixar de poluir? a ter consciência?...
Mas sustentabilidade não se aplica só à ecologia. Ela tem de estar integrada num sistema, e o sistema tem de ser sustentável em todos os seus sectores:
Outras participações que vale a pena conferir:
»»Sustentabilidade Ecológica;
»»Sustentabilidade Politica;
»»Sustentabilidade Económica;
»»Sustentabilidade Social;
»»Sustentabilidade Pessoal.

É nesta sustentabilidade de base que tudo começa. Temos de desenvolver a habilidade de nos sustentarmos a nós próprios, sem compromoter as gerações futuras, sem hipotecar o futuro.
Sustentabilidade pessoal pássa por ter uma alimentação consciente, por gerir eficazmente a ecónomia doméstica, por ser politicamente correcto nas relações com os outros, respeitando os demais e o planeta, e por assumir a responsabilidade sobre os residuos e desperdicios que produzimos no simples acto de viver.
Por outras palavras, uma alimentação consciente é aquela que não promove a extinção das espécies, aquela que não sobrecarrega o planeta com produção intensiva, quimicos, monoculturas, destruição de floresta, etc...
Gestão eficaz da economia doméstica é evitar o desperdicio, evitar o consumismo, evitar contrair créditos financeiros que nos tornam reféns do trabalhar para pagar tudo o que a nossa insatisfação obriga. Livrem-se de futilidades e não entrem em competição com ninguém. Não interessa quem tem o melhor carro, ou a melhor roupa!
Ser politicamente correcto nas relações, é não tentar levar vantagem sobre os outros, não visar única, exclusivamente e sempre, apenas o lucro, promover o respeito e a igualdade social.
Ser responsável pelos residuos e desperdicios, é preocuparmo-nos com aquilo que deitamos fora. Seja comida estragada, seja lixo, artigos em fim de vida... Para onde vai? Como é tratado? É reciclado? Como posso ajudar a diminuir as tolenadas de lixo que produzo?
E aqui entra em cena a minha receita de hoje: RECICLAGEM DE COMIDA. Um arroz com 1 semana, vira um risotto gourmet na frigideira, just like this, Plim!

INGREDIENTES (para 1 pessoa):
 
  • 1 cháv de arroz cozido solto;
  • 1 colher (café) bem cheia de açafrão;
  • 1 cubo de caldo de vegetais;
  • 300 ml água quente;
  • 1/4 cebola roxa picada;
  • Azeite q.b.;
  • 1/2 latinha pequena de cogumelo laminado;
  • 1/4 de tomate picado sem grainhas;
  • 1/4 de courgette (abóbrinha) aos cubinhos;
  • 1/2 cenoura aos palitos finos;
  • 1 colher (sopa) milho cozido;
  • Aipo de folha picado (salsão);
  • Levedura de cerveja, uma alternativa ao queijo parmesão.
CONFECÇÃO:De preparo muito rápido. Óptimo para hora de almoço em dia de trabalho. Um arroz de frigideira muito saboroso.
Comece por preparar o caldo de legumes com a água quente e reserve.
Refogue a cebola no azeite, junte os cogumelos escorridos, o tomate e a courgette. Deixe cozinhar. Junte o caldo, o arroz e o açafrão. Deixe ferver mexendo sempre. Junte os palitos de cenoura e o milho. Quando o caldo sumir e o arroz inchar um bocadinho, retire do lume. Sirva com aipo de folha picadinho e povilhe de levedura de cerveja ou queijo parmesão.

24 comentários:

  1. Faço minhas as tuas palavras, asa pessoas não tem consciência poluem e não se importam. Adorei a receita! podias lançar um desafio fazer receitas recicladas. Eu com sobras faço pratos que gostamos, (mas a julgar por algumas pessoas que conheço ou comem as sobras assim ou vão para o lixo, é pena não reciclarem).
    Quanto ao meu forno é muito rápido a fazer as pizzas,vais gostar, não sabia que havia na worten (comprei na dimipro)
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Rute,

    Mereces uma grande salva de palmas pelo lindo texto que escreveste. Para mim resume-se tudo a equilibrios e ciclos. E preciso nivelar as balancas, mas nao e nada facil e cada vez e mais dificil. So espero que ainda consigamos curar ou tratar de todos os males que fizemos e continuamos a fazer ao ambiente.

    Bela sugestao de reciclagem de comida. Amiga, isto dava um belo de um desafio para a blogesfera culinaria, postar receitas com reciclagem de comida, economicas e rapidas.


    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Vocês as duas estão a tentar-me!!

    Eu não sou nada de pôr em marcha desafios colectivos no blog mas confesso que vocês as duas, Conceição e Cacahuette estão a deixar-me atraida pela ideia.

    Obrigada por lerem e gostarem do que escrevi.
    Mil beijos.

    ResponderEliminar
  4. Arrozinho do bom! :)
    Eu sou batateira e arrozeira, das boas.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Traz cá esse pratinho que pode ser o meu jantar! :)
    Também sou adepta da reciclagem e às vezes nem sei como aproveitar bem algumas das sobras sem ter que abdicar delas... pelo que ideias criativas são sempre bem-vindas! :)

    ResponderEliminar
  6. Cum canário, arroz com uma semana? Estava quase a ganhar vida he he E ganhou mesmo outra vida nas tuas mãos :) Belo aspecto!

    ResponderEliminar
  7. Olá, querida Rute
    Fiz o Curso da Cozinha Brasil e fiquei empolgada... mas ter que cozinhar só para mim é desafiador demais... acabo que vou ter que reaprender...
    Seu post está "ecologicamente correto"...
    Recortei algo que me chamou muitaatenção:
    "Num contexto ambiental, o principio da sustentibilidade assenta no uso dos recursos naturais para satisfazer as necessidades presentes, de forma a não comprometer as necessidades futuras".
    Oxalá seja assim!!!
    Tenho netinhos... a vida precisa continuar... e, depois, bisnetos... se Deus quiser!!!
    Receba meu abraço fraterno e votos de que a habilidade no sustento das relações de amizade nos seja permitida.

    ResponderEliminar
  8. Rute,
    Gostei que você incluiu outros aspectos nessa teia, como o político, o social e o pessoal. Somos seres integrados e devíamos agir sempre de forma coerente em todas as direções. Nem sempre acontece, infelizmente.
    Surpreendeu-me a levedura no lugar do parmesão.
    Vamos reciclar!

    Bjs.

    ResponderEliminar
  9. Rute nem dá para dizer que este arroz é reciclado. Ficou mesmo muito bom!
    Bjs ;)

    ResponderEliminar
  10. Amiga eu também adoro reciclar, mas confesso que por vezes as ideias me faltam...é bom podermos vir aqui e conseguirmos ter ideias novas! :) Esse arrozinho marchava que era uma beleza...ai não!! Eh Eh!

    ResponderEliminar
  11. Perfeito !
    É o viver e agir holisticamente, no estilo do nº 9.
    Atualmente a humanidade segue o estilo do nº 1, pensando somente nas suas necessidades e desejos.

    Reutilizar, reduzir, reciclar, deveria fazer parte da vida.

    Ótima postagem ! Parabéns !
    Beijo

    ResponderEliminar
  12. Garparzinha,
    este arrozinho é mesmo ao teu estilo, género risotto.

    Maryzita, tá na hora do Delicias & Talentos pôr em marcha um desafio de reciclagem culinária não achas? Pedimos à Conceição ou à Cacahuette para escreverem o texto de abertura e conta comigo para actualizar as participações no D&T. Acho que faz mais sentido ser feito lá! Que dizes?

    Querida Orvalho, gostei da parte final do seu comentário. Cultivemos a habilidade no sustento das relações de amizade. Não tomemos nada como garantido, nem a vida, nem o planeta. Convém estimar e preservar, até as amizades. Obrigada por esta reflexão.

    Gina, gostei da sua frase "somos seres integrados". E ainda há quem defenda que cada homem é uma ilha! Por muito individualistas ou interiorizados, todos estamos incluidos numa familia, numa sociedade, num pais, num continente, no mundo, não é mesmo!

    Claudia Lima, vc nem imagina o excelente sabor. Reproduza para atestar a veracidade! Vá à confiança.

    Piteca, a mim também me acontece. No imediato às vezes falha a "imaginação" gastronómica. Várias vezes venho ao meu blog reavivar a memória.

    FLORA, concordo com vc e acrescento. Hoje em dia a humanidade segue a negatividade dos números.
    »» Não só do 1 com sua liderança autoritária e desprovida de sensibilidade;
    »» como do 2 com seu egocentrismo baseado em fraquezas e medos;
    »» como do 3 com a vaidade e o belo exacerbado;
    »» como o 4 com a luta por ganhos materiais, excesso de lógica e racionalidade;
    »» como o 5 com os indesejáveis vicios e as acções irresponsáveis;
    »» como o 6 com sua excessiva centralidade na familia, não conseguindo atingir o amor universal;
    »» como o 7 quando anti-social que prefere o isolamento porque desistiu de ir contra os conceitos vigentes;
    »» como o 8 quando excessivamente ambicioso por dinheiro e conquistas.

    O ideal era as pessoas caminharem sempre pelo lado positivo de seus números, graNdemente influênciadas pela influência 9, o irmão da humanidade.

    Beeeeemmmm! Flora, muito obrigada por instigar-me a este raciocinio numerologico. Professor Gilberto, estudei bem a lição?

    Beijos e abraços para todos.

    ResponderEliminar
  13. Querida Rutinha,
    hoje começo por te parabenizar pela apresentação tão atraente do prato que nos saúde ao abrir o PPP: simplesmente genial! Se o estômago já estava a dar sinais de fome, passou a roncar!
    Quanto ao teu texto como sempre muito rico em interesse e Verdades, foi um prazer ler aquilo que nos tens a dizer!
    De facto e infelizmente, a exploração de recursos tem resultado em mudanças pertubadoras no planeta, comprometendo o seu futuro. Apesar dos "grandes" terem consciência de que a sustentabilidade ambiental é inerente à prosperidade económica do mundo, o dinheiro e o poder gritam sempre mais! Aliás, só mesmo tu para nos lembrar a bonita canção das baleias que ilustra perfeitamente a ganância dos humanos por esse poder e riqueza, em detrimento da Natureza. Mas, o que mais admirei no teu texto, foi a tua transposição desta questão para a esfera pessoal, pois na verdade está nas mãos de cada um de nós, em diversos sectores, garantir a sustentabilidade, com actos tão cívicos como os que sugeres.
    Tiro-te o chapéu às palavras que escreveste que para mim, nunca ficam em vão, mas também para a tua reciclagem deliciosamente atraente!
    Olha Amiguinha que a ideia proposta pela Conceição e Cacahuete tem tudo a ver contigo :))
    Com mais tempinho, irei ler as outras participações!
    Quanto à sopa da coroa, ainda não levantei voo, mas esse já está marcado ;)
    Xiiiii.... Para a próxima, mais vale escrever-te uma carta lol, fico entusiasmada com os teus textos e dá nos meus tradicionais testamentos!!!
    Uma grande beijoca Linda Rute.

    ResponderEliminar
  14. Isabelinha, fofinha,
    sempre com comentários construtivos!
    É gratificante verificar que a minha mensagem foi perfeitamente entendida por ti.
    Foste a única que mencionou a canção das Baleias. Nunca te escapa nada pois não? É o que eu chamo uma rapariga muito atenta, NADA distraída, com uma alma profunda, NADA superficial. Que faz de cada momento da vida um momento para aprender, para debater com opiniões sólidas.

    Tens um grande potêncial minha querida. Permite-te crescer, equilibrando a materialidade e a espiritualidade pois és concerteza uma pessoa importante para acompanhar estes tempos de mudança de mentalidades.
    Muito grata pelas tuas palavras. Não é à toa que todos os blogs gostam de te receber como visita.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  15. Amiga, lindo o teu texto.
    Nos tempos que correm é sem dúvida nenhuma uma lição muito grande para muita gente, gostei particularmente da "gestão eficaz da economia doméstica" e "ser politicamente correcto nas relações".Tanto a primeira como a segunda revelam pessoas invejosas, egoistas.É dificíl mudar maneiras de ser e comportamentos.Eu não sou péssimistas mas pelo que tenho visto em situações que me rodeiam e pessoas não há volta a dar.Infelizmente é o que acontece.
    Quando o planeta terra começar a desaparecer talvez ai a mentalidade e comportamentos mudem.

    Depois deste desabafo, a tue arroz está excelente, eu também reciclo a comida que vai sobrando.
    Bjs

    ResponderEliminar
  16. Sandrinha,
    temos de combater essas fraquezas humanas, a inveja e o egoismo, entre outras.

    A melhor forma de combater é dar o exemplo, é contrariar a tendência, porque também nós lutamos contra o nosso lado lunar.

    Por isso gosto de dizer o que faço, não para ficar como a boazinha na história mas mais para servir de exemplo. "Faz o que eu digo e não faças o que eu faço", não resulta de todo, é ineficaz.

    E claro que erro, que não sou perfeita, mas esforço-me por melhorar a cada dia que pássa.

    Acredito piamente que as mentalidades estão a mudar. Ultimamente a ecologia, o vegetarianismo, a sustentabilidade virou moda. Não é que eu concorde com seguir as modas mas se as modas forem positivas, apoio-as.
    Muito antes de ser moda já eu andava nestas andanças.
    Mas talvez, somente agora, tenha mais ouvintes conscientes. Há que continuar a ser uma voz activa na multidão.

    Bjinhos e obrigada pelo teu maravilhoso contributo.

    ResponderEliminar
  17. Minha querida Rute, sei que não ando fazendo tudo que posso pelo planeta...ainda me falta um bocado de consciência, confesso!

    Mas em matéria de reciclagem de alimentos, nisso eu me dou bem...na minha casa comida não vai pro lixo, é lei!

    Um arroz de ontem vira risoto hoje, ou bolinho, ou souflê, juntando com as verdurinhas e os restinhos que sobraram do almoço, os pãezinhos que viram torradas no dia seguinte, e quantas outras opções não é?

    Ainda falta muito, mas se cada um fizer um pouquinho, conseguimos um muito não é?

    Parabéns pelas idéias, que são muitas!

    Um abraço,

    ResponderEliminar
  18. Renata, se todos fizessem tanto como você, o mundo já estáva a salvo!

    Nem imagina a quantidade de pessoas que joga comida no lixo. Sem amor nem piedade.

    Desde muito cedo que aprendi a reciclar. No inicio de casada a vida era dificil e um pedaço de carne tinha de dar para 3 refeições. Na primeira comia-se assada no forno, na 2ª fazia-se um empadão, na 3ªvez, uns salgadinhos.

    E olha que era muito saudável pois o corpo humano não necessita de excesso de proteína. Desgasta os rins que têm que filtrar e excluir os excessos através da urina.

    As pessoas que comem muita proteina animal chegam a velhinhas com os rins a dar as últimas, pois se fartaram de trabalhar coitadinhos.
    Grande abraço para vc
    e muitissimo obrigada pelo comentário.
    Rute

    ResponderEliminar
  19. Boa alternativa para reciclar arroz!!

    O meu acaba por norma dentro de um creme de sopa...

    Mas assim, cheiiinho de legumes, parece-me mt mt bem!!!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  20. Ah e um ps: comprei cerefolio e andei a pesquisar, reparei que usas muito!!

    Olha não conhecia e acabei de ficar fã numa sopinha, por mim, este serve mt melhor que a salsa, mais aromatico e ao mesmo tempo suave!!

    Beijinhoooo

    ResponderEliminar
  21. Querida Rute,

    Texto maravilhoso.

    Contem verdades, reflexões e sugestões!

    Apesar de estarmos atentas, sensiveis , sabemos o quanto é dificil mais necessário incorporar em nossas vidas posturas que busquem um aprimoramento das ações.

    A marcha se faz com escolhas sutis que vão ao encontro das mudanças que precisamos desenvolver em nossas vidas. Seja no campo fisico, mental e espirutual.

    Mas os desafios são muitos.
    No dia a dia sentimos todas as fragilidades que temos que superar.

    Seu texto é alimento em espiral, benção de inspiração que nos fortifica, alimenta, para que saboreando as palavras desperte nossas consciencias para que possamos fazer as mudanças necessárias em nossas vidas e no destino da humanidade.

    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  22. Olá Verdinha,
    sim sim, arroz para engrossar sopas é bem bom. Só não gosto muito de juntar arroz com batata.

    Quanto ao cerefólio, ADORO!
    Acredito que tenhas ficado fã.
    Beijinhos.
    ___________________________________

    Olá amiga Katia,

    isto é que foi uma grande grande surpresa, sim senhora!

    Gostei do seu resumo genialmente condensado: "Texto que contém verdades, reflexões e sugestões".

    Não podia explicar melhor a minha forma de pensar quando iniciei o esboço do artigo ainda na mente.

    Para mim não basta só apontar o dedo, gosto de levar as pessoas a reflectirem sem se sentirem ameaçadas ou criticadas e dessa forma incluo-me nas verdades. Depois explico como podemos fazer mais e melhor dando as minhas tentativas/soluções como exemplo.

    Um abraço apertado também para vc, querida colega de curso além-mar.
    Se puder veja a resposta que dei à Flora pois tem tudo a ver com numerologia.

    ResponderEliminar
  23. Minha querida aprendiz, Rute.
    Passaste na prova dos números com mérito e louvor. Perfeita esta sua tabela de enquadramento negativo no uso dos números.
    Ótimo e criativo, como poucos, o seu texto, integrando sustentabilidade e alimentação.
    Com que sutileza, falaste do risco de extinção de seres vivos, que são saboreados com insensível prazer, nos pratos da sociedade gastronômica.
    É difícil assumir-se a bandeira de ambientalista, e esquartejar um faisão ou desconhecer a origem da vitelinha que está na panela. Mas, enfim, que Deus nos proteja de nunca sermos saboreados desta forma por alienígenas canibais, que nos dêem o trato que damos aos animais.
    Bravos, Rute!
    A Teia existe não só nos dias 7, mas em todos os dias do mês.
    Abraços.
    Gilberto.

    ResponderEliminar
  24. Mestre,
    esta semana seu humor está em alta!
    Consegui imaginar-me rodeada de batatinhas, arroz e salada, a ser saboreada por um alienígena, ah ah ah.
    Bom, mas nós humanos dificilmente entraremos em vias de extinção. Qualquer dia o planeta cai de tão pesado!
    Nem sei como ainda há paises a quererem aumentar a taxa de natalidade quando a taxa de mortalidade é tão baixa e a esperança de vida continua a alargar graças aos avanços da medicina.
    Conseguiremos algum dia a verdadeira sustentabilidade?
    Num filme francês que vi no blog Pistas do Caminho, sobre uma ET que veio à terra, há lá uma parte em que os Et´s afirmam que no seu mundo têm filhos de acordo com a produção agricola do ano. Em anos de más colheitas, não há filhos. Verdadeira sustentabilidade né?
    Abraço e muito grata pelo certo na prova dos números negativos :)
    Abraço além-mar.

    ResponderEliminar