29 março 2010

3 Cs... CANJA DE COCO CRÚ

Uma salva de palmas para o Delicias e Talentos que está de volta com novo passatempo: Desafio do Alfabeto Culinário!

Outro aplauso entusiástico para mim que inventei a canja de coco crú (com 3Cs no título e 3 ingredientes com C)!

E vamos lá à história da Carochinha: O coco que estamos habituadas a comprar em saquetas é coco açucarado, desidratado. O coco crú é o interior do caroço do
coco verde. Tal e qual como se fosse uma amêndoa, o coco verde tem um caroço e o miolo desse caroço é a polpa branca. Nos supermercados portugueses só encontramos os caroços dos cocos verdes e a frescura não é igual ao coco verde do qual se bebe a água no Brasil.

Por não ser doce, presta-se a vários pratos salgados, inclusivamente a sopa (adianto já que ficou uma especialidade). Bebi inspiração na colecção
Coração, Cabeça e Estômago da Assirio e Alvim, mais um sabor do Indíco, no entanto, inventei imenso! Já que a sopa de coco do livro era só caldo de legumes, coco e natas. Interessante mas adivinhava-a pouco saborosa. Pelo que decidi inovar.

INGREDIENTES:

1 Courgette;
2 Cenouras;
1 alho francês;
1 Coco fresco;
2 cubos caldo legumes biologico;
Flor de sal q.b.;
Espinafres q.b.;
Azeite q.b.;
Hortelã fresca picada.

CONFECÇÃO:

Num tacho de ferro, cozer a courgette, cenoura e alho francês com bastante água. Retirar os legumes cozidos e reservar o caldo na panela.

Partir o coco, retirar-lhe a polpa branca, retirar a casquinha castanha, lavar bem, deixar de molho em água enquanto retira a polpa toda. Ralar num ralador. Deitar o coco ralado na água da cozedura. Cozer o coco durante 1 hora.

Cortar as cenouras e o alho francês ao pedacinhos e reservar.

A meio da cozedura do coco, retirar parte do caldo e liquidificar a courgette com 2 conchas de caldo. Voltar a juntar o liquido de courgette à sopa. Adicionar os cubos de legumes (usei knorr biologico que não tem nada a ver com os cubos knorr normais). Estes não são nada salgados, nem dão aquele paladar artificial.

No fim do tempo, liquidificar um pouco da sopa com a liquidificadora de mão encostada à parede da panela. Atenção que a intenção não é triturar a sopa toda, apenas queremos dar 2 ou 3 toques de turbo.

Deite as folhas de espinafre lavadas. Usei os meus
espinafres da horta de varanda que já começaram a nascer novamente. Deixe cozer durante 7 minutos. Apague, junte a cenoura e o alho francês. Sirva com hortelã fresca picada.


SIMPLESMENTE FORA DE SÉRIE! Divinal. Um sabor exóticamente cativante. Em cada colherada, uma viagem dos sentidos!

28 março 2010

PÃO DE REGUEIFA PURATOS

Mais uma farinha Puratos! Bom não se pode dizer que é uma farinha, é... um melhorante. Já que apenas se utiliza 1 colher (sopa) para cada 500 gr de farinha de trigo.

A regueifa ou pão espanhol é tipica do norte de Portugal e tem por tradição o formato duma rosca. Também chamado de pão domingueiro por ser um pão comprado após a missa de domingo e transportado, enfiado no braço, dado ter um buraco ao meio :)

INGREDIENTES:

310 gr de água purificada (ou outra);
25 gr de fermento fresco (1 cubo);
500 gr de farinha trigo (usei biologica T80 semi-integral);
15 gr de
melhorante Regueifa 3% (1 colher sopa bem cheia).
9 gr sal fino.
CONFECÇÃO:
Colocar a água morna no copo da bimby. Juntar o fermento desfeito com os dedos mais 150 gr de farinha trigo. Programar 2 minutos, velocidade 2.
No fim do tempo juntar os restantes ingredientes. Programar 10 minutos, velocidade espiga. Juntar mais água morna se necessário que não deve exceder os 50 ml. A massa tem de ficar bastante lisa. Tapar com 2 panos, um à volta e outro por cima. Em principio leveda em 30 minutos. Sai pelo bucal da tampa.
Povilhe uma mesa com farinha e despeje a massa sobre a bancada. Com as mãos enfarinhas tenda cordas de massas, entrelace-as e disponha os feitios sobre um tapete de silicone para ir ao forno.
Leve a forno quente mas desligado por mais 30 minutos para 2ªlevedação.
Após levedação, coloque um recipiente de água dentro do interior do forno, ligue-o a 225º, pulverizando com água assim que aquecer bem.

26 março 2010

HAMBURGUER DE MILHO À SALSICHEIRO

"É só LOVE!" vão vocês dizer :)
E é verdade, é só amor por comida vegetariana. Amo todos os cereais, vegetais, frutas e outros tais! Comer cá em casa é pura paixão!

O hamburguer de milho à salsicheiro, com corações de queijo flamengo e arroz de cenoura crua e salsa picada, é uma refeição rápida e saborosa.

Ultimamente tenho optado por ter sempre arroz branco soltinho feito no frigorifico. Quando preciso é só aquecer parte e juntar o que a nossa imaginação desejar. Acreditem que este arroz com cenoura crua e salsa fresca picada é muito mais saudável do que arroz de cenoura cozido tudo junto. Esforço-me por utilizar cada vez mais alimentos crús na minha alimentação por causa do potêncial enzimático que é destruido aquando do cozimento ou da fritura.

INGREDIENTES (por pessoa):

1
hamburguer de milho e cogumelos;
1/2 cebola;
Azeite q.b.;
1 salsicha de soja;
Arroz branco pré-cozido;
1 cenoura ralada;
Salsa qb picada;
1 fatia de queijo flamengo (ou outro alternativo).
CONFECÇÃO:
Numa frigideira deite um fio de azeite (usei o meu da aldeia que é muito apaladado). Refogue 1/2 cebola às meias-luas. Quando a cebola estiver tenra junte o hamburguer. E logo de seguida a salsicha de soja às rodelas. Não deixe fritar muito, nem um nem outro.
Retire o conteúdo da frigideira e vá aquecendo o arroz pré-cozido suavemente. Rale uma cenoura e pique salsa miudinho. Junte ao arroz dentro da frigideira. Dê uma mexidela para misturar e apague o lume.
Corte os corações de queijo com uma faca de bico. Decore o prato e sirva de imediato.
Senão gostar assim da comida para o seco. Frite uns alhos em azeite e regue o hamburguer, faça um molho de natas ou guarneça com maionese. Eu gosto assim para o simples. A simplicidade é de facto "a minha praia".
Mais ainda, não utilizei sal. Visto as salsichas serem apuradas e o queijo dar-lhe um espirito. Mas se você ainda não começou a largar a dependência de cloreto de sódio, não arrisque! Pode ser perigoso :) ah ah ah
NOTA:
O arroz é cozinhado na bimby com 800 gr de água, 1/2 colher de flôr de sal, meio cesto de arroz carolino, 20 minutos, velocidade 4, temperatura 100º.

24 março 2010

TALASSAS DE COUVE ROXA E ALHO

ARTIGOS RELACIONADOS COM SANDES E WAFFLES:
Talassas são waffles ou gaufres. Porém estas têm uma particularidade que as distingue das doces: são salgadas :) Eh eh eh, salgadas mas pouco, porque só levaram pitada de flor de sal que quase não se nota!
As primeiras talassas que fiz foram as de espinafres e cebola. Muito boas por sinal. No entanto, não tirei fotos nesse dia e andava para repetir a façanha quando a cabecinha funcionou com genialidade! Talassas roxas! O alho pode não parecer... mas é um dado importante. Confere-lhe um saborzinho esplêndido!
Para aperfeiçoar, constroi-se uma sandes de talassas roxas com alface, tomate, queijo e salami veggie (uma variedade nova, saborosamente apimentado). Não usei maionese para manter a talassa light, mas quem quiser pode enriquecer a sandes com molhos.
INGREDIENTES para 2 pessoas:
  • 1 chávena (média) de farinha trigo;
  • 1 chávena (média) de Kéfir-soja;
  • 2 ovos;
  • 4 dentes alho;
  • 1/2 couve roxa pequena;
  • Fio de óleo de amendoim;
  • Pitada de flôr sal (ou outro);
  • Pimenta em pó.
CONFECÇÃO:
Numa tijela grande junte a farinha com o iogurte de kéfir. Deite repousar uns 10 minutos.
Enquanto isto, prepare a couve roxa, lave-a e corte aos pedacinhos.
Junte os ovos ao preparado de farinha e kéfir. Tempere de sal e pimenta. Triture com a liquidificadora de mão. Junte a couve e os alhos picados mais 1 fio de óleo (equivalente a 1 colher sopa). Volte a triturar com a liquidificadora até triturar praticamente toda a couve. Mas pode deixar pedacinhos bastante pequenos.
Aqueça o ferro electrico de waffles. Bem quente. Deite 1 concha (sopa) de preparado dentro da waffle maker e pressione para que as talassas não abram. Deixe tostar bem, ficam mais saborosas.
Edifique a sandes e decore com batata palha. Pensei no fim colocar azeitonas mas preferi usar mirtilhos que tornou a talassa ainda mais exótica. Uma refeição de sonho!

23 março 2010

SOPA DE MANDIOCA À MOÇAMBICANA

ARTIGOS RELACIONADOS COM MANDIOCA:

Mandioca aos cubos frita na Actifry
Beijú Sushi Rolls ou Sushi de Tapioca

Substituir a batata por mandioca é tão óbvio, tão óbvio que fiquei com cara de palerma quando li receita semelhante a esta sopa, no livro
Sabores do Índico - receitas de cozinha moçambicana que a minha amiga Xanda me emprestou!

Porque não nos lembramos nós mais de variar!? Cingirmo-nos constantemente aos mesmos hábitos alimentares, limita-nos muito além do que podemos imaginar. Ficamos com horizontes curtos, conceitos enferrujados, aborrecidos com o tédio do "sempre o mesmo"! Bahhh!

Bom mas lá assimilei a ideia de introduzir a mandioca onde anteriormente juntava a batata (mais experiências se seguirão...). Gostei da sopinha, obtive um creme muito aveludado e descobri à posteriori, um beneficio da mandioca: contém cálcio, ferro e fósforo, para além das vitaminas do complexo B. A batata só contém B e C. E a vitamina C da batata vai diminuindo à medida que a batata envelhece. Ou então como é hidrossoluvel fica na água de cozer batatas.

A mandioca é mais calorica que a batata, mas basta não adicionar nenhum outro hidrato de carbono à sopa (como massinhas por ex) para não ter medo de engordar :) E fazer uma refeição só de sopa e fruta é saúde!
INGREDIENTES:
  • 3/4 de uma mandioca pequena;
  • 250 gr abóbora laranja;
  • 1 alho francês;
  • Água q.b.;
  • Azeite e pouco sal;
  • Couve lombarda q.b.;
  • Espinafres q.b.;
  • Coentros picados e molho de soja como substituto do sal.
CONFECÇÃO:
Cortar fatias grossas da mandioca e só depois retirar a casca de cada rodela de encontro à tábua de cortar. Não descascar a mandioca como se descasca a batata. É perigoso.
Num tacho de ferro (fica deliciosa a sopa), juntar os cubos de mandioca, os cubos de abóbora e rodelas de alho francês. Cobrir com água e deixar cozer sem sal. Coze rápido. Espete o garfo, 10 minutos depois de ferver.
Triture com a liquidificadora de mão adicionando sal (pouco) e azeite. Junte a couve e o espinafre, previamente preparados e lavados. Gosto de cortar a couve lombarda com os dedos, dá-me a sensação que fica mais saborosa do que cortando-a à faca.
Depois da couve e do espinafre estarem "al dente", pique coentros para a panela e termine com um fio de molho de soja (tamari que é mais suave). As ervas aromáticas e o molho de soja são óptimas alternativas ao cloreto de sódio (sal de cozinha).

15 março 2010

RAW CHOCOLATE PIE

ARTIGOS CRUDIVOROS RELACIONADOS:

Falso Esparguete à Bolonhesa
Falsa Lasanha de 3 Molhos
Falsos Canellonis com Mango Chutney
E muitos mais na etiqueta Crudivorismo/Raw Food

Quem é que já ouviu falar de Crudivorismo??? O PublicarParaPartilhar em meados de 2009 andou na peugada deste movimento. E agora que o clima está a melhorar apetece voltar à comida saudavel, não cozinhada, plena de enzimas e vitaminas.

O crú não se resume à ingestão de frutas e vegetais em saladas. Há um mundo de saberes e sabores por detrás do Krud :)

O ano passado dediquei-me aos pratos principais falsos, ou seja, às imitações dos pratos salgados tipicamente conhecidos. Este ano estou interessada em inveredar pelas sobremesas, também de certa forma são doces fingidos que enganam, melhor ainda, qualquer um!

A tarte de chocolate apresentada é isenta de ovos, de natas, de manteiga e até, isenta de trigo! Incrivel não é? Pura magia! Fabulásticamente deliciosa!

INGREDIENTES (para 1 tarteira de 30 cm):

375 gr de miolo de noz;
1 chávena (chá) de mistura de tâmaras com passas;
Óleo prensado a frio (qualquer);
3 a 4 abacates maduros;
1 chávena (café) de xarope de agave;
3 colheres (sopa) chocolate em pó;
Sumo de 1 laranja;
Framboesas para decorar.

CONFECÇÃO:

Coloque as tâmaras e as passas de molho em água, durante 30 minutos. Utilizei estas 2 frutas desidratadas porque tinha poucas tâmaras e para compensar usei
as minhas uvas-passas da aldeia, de agricultura biológica, desidratadas no Excalibur cá em casa. Purissimas, portanto!

Na Bimby triture as nozes durante uns segundos até obter triturado solto, ainda com pedacinhos pequenos. Junte as frutas hidratadas, escorridas da água. Ajude com a espátula da bimby enquanto tritura na velocidade 4/5, durante 2 minutos.
Unte uma tarteira com uma pinga de óleo de amendoim (pouquissimo!). Espalhe a massa de nozes que obteve de modo a cobrir o fundo e as laterais da tarteira com uma camada fina.
Sem lavar o copo da bimby, triture os restantes ingredientes: polpa de abacate aos pedaços, agave nectar, chocolate em pó e sumo de laranja. Deite a mousse obtida na tarteira. Espalhe uniformemente e decore com framboesas lavadas e limpas com um pano.
Leve ao frigorifico no minimo durante 4 horas.

11 março 2010

SUPERCALIFRAGILISTICEXPIALIDOCIOUS

de Abóbora

«SUPERCALIFRAGILISTICEXPIALIDOCIOUS sei que o som dessa palavra não é nada doce!
A criança que falar vai parecer precoce!
SUPERCALIFRAGILISTICEXPIALIDOCIOUS! Ta tiriri ta ta ta, Ta tiriri ta ta ta, ...»
Assim como vai parecer muito evoluida para o seu tempo, a mãe que confecciona com consciência, este SUPERCALIFRAGILISTICEXPIALIDOCIOUS de abóbora, sem ovos, sem natas, com açúcares saudáveis, equilibrado em calorias e pobre em gorduras.
A grande novidade é o chantilly (fingido) de cajú! 3 vivas para os meus rasgos criativos!
INGREDIENTES do puré abóbora:
  • 750 gr abóbora;
  • 1 chávena (chá) uva-passa;
  • Sumo de 1 laranja grande;
  • 1 colher (sopa) açúcar mascavado claro;
  • 1 colher (chá) sementes de anís verde;
  • 1 colher (chá) canela em pó;
  • 4 colheres (chá) farinha maizena diluida em água.
INGREDIENTES do chantilly cajú:
  • 1 copo de cajús crús (ou neutros);
  • Água a tapar os cajús para demolhar;
  • Óleo de amendoim q.b.;
  • Leite de soja q.b.;
  • 2 colheres (sopa) frutose;
  • 1 colher (chá) miso branco;
  • 1 colher (café) vinagre de ameixa.
  • Raspas de chocolate para decorar.
CONFECÇÃO:
Cozer a abóbora num tacho anti-aderente, SEM água em lume brando (convém cortá-la em pedacinhos pequenos).
Numa tijela colocar as passas a demolhar no sumo da laranja. A função das passas é adoçar o puré. E desta forma podemos diminuir o açúcar utilizado.
Num copo misturador colocar os cajús a demolhar em água.
Assim que a abóbora esteja cozida, transferi-la, escorrida, para o copo da bimby (ou outra liquidificadora). Não precisa escorrer muito, basta retirar o excesso de líquido.
Juntar os restantes ingredientes do puré de abóbora, programar 4 minutos, temperatura 100º, velocidade 4/5. Quando terminar o tempo, se achar que o puré está liquido demais, programe 1 minuto na temperatura varoma, velocidade 3.
Deite o puré nas tacinhas para arrefecer.
Comece a preparar o chantilly de cajú. É como se estivesse a fazer uma maionese com a liquidificadora de mão. Retire 1/3 da água do demolho. Triture os cajús até formar um molho branco, embora ainda com alguns grumos. Junte a frutose, uma pinga de leite e o miso. Triture mais um tempo e enquanto tritura adicione fio de óleo (pouco). Termine com uns borrifos de vinagre de ameixa, continue a triturar. Por esta altura já o chantilly é espesso e em principio já estará unificado sem pedacinhos de cajú por triturar. Teste com o dedo, rectifique açúcar se necessário.
Deite o chantilly nas tacinhas e leve ao frigorifico a refrigerar umas horas. Sirva, decorado com raspas de chocolate. No meu caso levou 1 grão de chocolate ralado em cada taça (daqueles grãos de chocolate a imitar grãos de café).
Super light não é???? E suuuuuuuuuuuuuuuper bom!!
SUPERCALIFRAGILISTICEXPIALIDOCIOUS :))

10 março 2010

SALTEADO RÁPIDO DE ABÓBORA E FUNCHO

Um improviso surpreendente. Hora de almoço, nada planeado para confeccionar, arroz branco soltinho cozido na bimby (só com água e sal que é o que mais gosto) e uma abóbora grande aberta que implora por ser utilizada fresca e não congelada (detesto congelar abóbora!).
INGREDIENTES (para 1 pessoa):
  • 2 dentes de alho;
  • azeite q.b.;
  • 1/4 de bolbo funcho;
  • 1 fatia de abóbora;
  • 1 e 1/2 salsicha de soja;
  • azeitonas a gosto.
CONFECÇÃO:
Na actifry (com pá), deite um fio generoso de azeite e 2 dentes de alho laminados grosso. Programe a actifry para 20 minutos, e frite o alho durante os primeiros 5 minutos.
Junte o funcho e a abóbora cortados aos cubinhos pequenos, deixe cozinhar durante 7 a 10 minutos. Junte o arroz branco préviamente cozido e a salsicha às rodelas. Deixe assar por mais 5 minutos e retire para o prato, onde vai decorar com azeitonas.
NOTA FINAL:
Pode tentar saltear estes legumes numa frigideira mas o resultado não vai ser o mesmo. A abóbora na frigideira ou num wok vai ficar mole e aguada, enquanto que na Actifry fica crispy. A Actifry premite-lhe fritar e assar ao mesmo tempo com pouca gordura, ganhando um vidrado por fora enquanto que fica carnuda, quase crua, por dentro. Divinal.

09 março 2010

VITAMINA LAXANTE FRUTOVEG

Desta vitamina até a Carol gostou! Não sei se foi por causa da torrada, se foi por causa dos bonequinhos em cima da mesa, ou da cor que reinava ao pequeno almoço mas a miúda provou, gostou e bebeu até ao fim, lambendo os beiços :)
INGREDIENTES:
  • Sumo de 3 laranjas grandes;
  • 1 papaia madura;
  • 1 tira de abóbora crua (abóbora laranja);
  • Sumo de 1 limão.
CONFECÇÃO:
Extrair o sumo às laranjas e ao limão num espremedor. Deitar no copo do liquidificador os pedaços de papaia sem casca, sem sementes, mais os pedaços de abóbora crua. Programar 2 minutos, velocidade 8/9.
Como a papaia e a abóbora são doces são adicionei açúcar, mas é opcional. No entanto experimentem primeiro sem açúcar e só se precisar é que juntam.
A papaia é óptima para dar "corda" aos intestinos. É um laxante suave, não tenham receio :)
ARTIGOS RELACIONADOS:

08 março 2010

ANIMAIS DE MATERIAIS RECICLADOS

ARTIGOS RELACIONADOS:A Sagrada Familia de Materiais Reciclados
Fornecimento de Materiais para Trabalhos Manuais

Considero que todas as ideias geniais devem ser divulgadas e partilhadas, para dar oportunidade a outras pessoas de também elas criarem e serem inventivas. A criatividade é como uma doença boa, é contagiosa :) Por isso aqui estou eu para contagiar toda a gente!
Não tive qq intervenção nesta actividade de reciclagem, só forneci materiais da mesma forma que outras mães o fizeram. Mas assim que vi o extraordinário trabalho que a Prof. Paula fez com os seus meninos, fui logo fotografar os bichinhos todos para vos mostrar.
Mamãs de ensino domestico e não só, aqui têm uma óptima maneira de entreterem os vossos filhos, enquanto simultaneamente estarão a ensinar a reciclar, ou até mesmo a dar uma aula de biologia sobre os animais, os seus habitats, os seus hábitos de alimentação e já agora não digam às crianças que as costeletas de porco vêm desse fofinho cor-de-rosa, nem que o frango no churrasco antes foi a ternurinha amarela...(agora fui mázinha, ih ih ih).
Boas manualidades aí por casa ;) Um muito obrigado especial à Prof.Paula e à Prof. Patricia, ambas do ensino especial.

07 março 2010

QUICHE RATATOUILLE

ARTIGOS RELACIONADOS:

Ratatouille Niçoise - The Movie in my kitchen
Ratatouille Niçoise - Revista Zen Maio 2009
Ratatouille LOAF - Bolo Salgado

A quiche ratatouille foi-me apresentada pela
Gina do NacoZinhaBrasil quando confeccionei o Ratatouille LOAF. Faz tempo que estáva para pôr em prática a ideia, e como agora ando numa de quiches e de néctares, assim surgiu uma quiche ratatouille inventada.

INGREDIENTES:

  • 1 base de massa quebrada (compra);
  • 1 beringela;
  • 2 courgettes pequenas;
  • 1 fatia de abóbora laranja;
  • 1/2 pimento;
  • Azeite q.b.;
  • Alho;
  • Ervas de provence;
  • 6 ovos (para tarteira de 30 cm diametro);
  • 2 cháv. (chá) leite soja (sem açúcar e sem aromas);
  • 70 gr farinha trigo semi-integral;
  • 200 gr queijo ralado;
  • Sal, pimenta q.b.;
  • Oregãos em folha;
  • Tomates cereja.
PREPARAÇÃO:
Lavar e cortar a beringela e a courgette em tiras largas. Salgar e deixar uns 15 minutos para sair o amargo. Raspar com uma faca o excesso de sal, cortar aos cubinhos, regar com azeite e ervas de provence. Deitar um fio generoso de azeite na Actifry, programar 30 minutos e ligar com os alhos esmagados junto com o azeite. Ao fim de 5 minutos juntar os cubos de beringela e courgette.
À parte cortar a abóbora também em cubos e reservar até o relogio da Actifry apontar para 10 minutos até terminar o tempo total colocado inicialmente. Adicionar aos 10 minutos.
Numa tarteira de fundo amovivel, cobrir com a base de massa quebrada (com papel vegetal incluido). Bater os ovos com o leite de soja, a farinha e os temperos (sal e pimenta).
Colocar o ratatouille na massa quebrada e o queijo ralado, regar com a mistura de ovos, povilhar com oregãos em folha desidratados e decorar com tomate cereja cortados ao meio e disposto com o corte para baixo. Levar ao forno a 200º.

04 março 2010

CAFÉ DE GENGIBRE

Um dos meus preferidos: café ou chá de gengibre é espetacular. Convém no entanto ser apreciador deste paladar.

Lamine um polegar de gengibre, deposite na cafeteira vazia de café de saco, deixe cair o café em cima conforme a máquina for libertando a água.

Mais cafés aromaticos nesta etiqueta
aqui.

Por falar em gengibre lembrei destes artigos relacionados:

Iogurtes Soja de Manga/Gengibre e Abacate/Gengibre
Filetes de Tofú com gengibre