16 janeiro 2011

BIODESAGRADÁVEL NA TEIA AMBIENTAL

Biodesagradável ou biodegradável?
Biofuel ou biofool?
Biodiesel ou biodisease?

Que é biochato, é! Ganho uma bio-irritação cada vez que tomo consciência do aproveitamento económico e político dos movimentos pró-ecológicos!

Andava tão contente com a reciclagem de óleos usados, com a reciclagem de plástico, com o dizer NÃO aos sacos plásticos, e até mesmo, numa primeira fase, com a fibra vegetal plástica... quando caí, literalmente das nuvens, desiludida com o facto, do sonho ecológico e sustentável, não ser a realidade em marcha!

Mas porquê!? Porque é que os interesses económicos falam sempre mais alto e todas as descobertas maravilhosas dos cientistas, acabam na mão dos tios patinhas que adoram mergulhar em dinheiro e nunca se cansam de acumular riqueza!?

É o que se passa com os bioplásticos e os biocombustíveis! O que parecia ser excelente alternativa ao petróleo, arrisca-se a ser, desastre ambiental. Corre-se o risco de semear apenas plástico e combustível em vez de semear alimento, simplesmente porque é mais lucrativo!

Quando tal acontece, tudo é válido. Se não são amidos para comer, mas sim para converter em combustivel ou plástico, qual o problema de ser OGM?

Parece inofensivo mas não é! A exemplo temos o impacto do algodão genéticamente modificado na fauna local e as alergias causadas aos trabalhadores agricolas de plantações transgénicas em geral. No entanto, roupa OGM em nada nos parece prejudicial, pois não?

O mesmo sucede com o bioplástico feito apartir de amido de milho e de batata. E com o biocombustível feito apartir de óleos vegetais de girassol, soja e palma. A primeira ilação que se retira é que é uma alternativa ecologica porque são produtos compostaveis, de fonte renovável... mas será sustentável? Com que direito incentivam as petroliferas e os governos à agricultura para biocombustivel? Com que direito se procede ao desmatamento de floresta para conversão em plantio de bioplástico?

Não seria bem mais fácil acabar com corridas de automóveis ou de motas, com shows aéreos de avionetas, com desportos nauticos de embarcações de recreio e motas-de-água, com tudo o que é superfulo e fútil? Só aí poupariamos imenso petróleo! Há sim que encontrar alternativas energéticas mais ecológicas e renováveis, mas fugir dum problema para nos metermos noutro, a mim parece-me pura estupidez!

Na minha cozinha continua-se a utilizar o milho e a batata para um fim meramente primário. O 1ºdegrau das necessidades humanas, lembra-nos que há uma hierarquia a respeitar: Primeiro alimenta-se o mundo, depois aproveita-se os excedentes para os mais diferentes fins. Não se coloca a carroça à frente dos bois. Não faz sentido utilizar terrenos de cultivo para alimentar carros e industria de plásticos, enquanto que a escassez de alimentos leva ao aumento dos preços ou até mesmo à fome em certos continentes.

INGREDIENTES para o rolo de kibe:
  • 1 copo de triguilho para kibe;
  • Tomilho seco;
  • 250 gr tofú fumado;
  • 1 cebola grande picada;
  • 4 dentes de alho picados;
  • 1 chávena milho congelado ou enlatado;
  • 2 ovos inteiros;
  • Azeite;
  • Manjericão seco;
  • Sal e pimenta em pó;
  • Um pouco de farinha.

CONFECÇÃO:

Temperar o kibe seco com tomilho e sal. Hidratar com água quente durante 15 minutos.

Picar o tofú fumado. Picar a cebola + os alhos. Picar o milho congelado. Pode utilizar directamente do congelador para o triturador.

Espremer o kibe, juntar o tofú, a cebola/alho, o milho. Temperar de manjericão, sal, pimenta, azeite. Bater 2 ovos e incorporar na massa.

Numa assadeira untada de azeite, moldar um rolo de kibe. Enfarinhar ligeiramente para que não abra durante o assado. Levar a forno quente (200º) durante 30 minutos.

À parte fritar alhos em azeite e quase no fim do rolo estar pronto, regar com o azeite e alhos. Acompanhar com batata-frita, espinafres salteados e tomate com oregãos.

Este é um momento de reflexão que pretende inquietar as mentes mais dorminhocas. A Teia Ambiental em 2011 terá tema livre. Todos estão convidados a participar. É de periodicidade mensal. Outras participações que vale a pena conferir:

Alma Mater
Flora da Serra

Dicas Green

22 comentários:

  1. Sabe aquele velho ditado "se correr o bicho pega, se ficar o bicho come"?
    É exatamente isso que acontece !
    Nem sabemos para que lado correr...

    O rolo de quibe está muito apetitoso!

    Beijo

    PS: metida como eu só, vou sugerir-lhe que troque a forma do comentário, pois assim como está não podemos conferir a postagem no momento em que estamos fazendo o comentário.

    ResponderEliminar
  2. Querida Flora,

    e como é que eu faço isso? Trocar a forma do comentário? grrr
    Beijinho.
    Rute

    ResponderEliminar
  3. Oi Rute:

    1)Clique em Nova Postagem
    2)Entre em Configuração
    3)Clique em Comentários
    4)No ítem Posição do Formulário de Comentários, escolha : postagem abaixo incorporada

    Assim, o comentário fica junto da postagem, logo abaixo, como é no meu blog.
    Qualquer dúvida, pergunte, ok ?
    Beijo

    ResponderEliminar
  4. Excelente o protesto, Rute!
    Mas, de que adiantam esses nossos protestos, se o mundo nos vê como tolos que somente se preocupam com coisas chatas?
    De que adianta falarmos que carne não deveria mais ser ingerida pela raça humana, se quase 100% da população mundial não vive sem carne?
    Loucos ou tolos? Eu nem sei o que nos julgam, por nos preocuparmos com os outros, com o planeta e com os habitantes de outros países que não os nossos.
    Fomos educados e alfabetizados assim. Quem foge à regra, precisa ir ao médico. O vício da carne se rivaliza com o do cigarro. Viva o kibe sem carne!!!!

    Ninguém está nem aí para os bioscombustíveis, se eles não forem fontes de lucro. Se vai ter gente passando fome, enquanto os tanques dos automóveis e as máquinas das fábricas estão bem alimentadas e a custo baixo, isso é o que interessa.

    É para fazer essas denúncias que a Teia foi criada em 2010, e que vai crescer em 2011.
    Nós falamos, acusamos, denunciamos e agimos. Não ficamos no discurso, tomamos atitudes.

    Abraços ecológicos.
    Gilberto.

    ResponderEliminar
  5. OI, Rute querida
    Copiei a receitinha do quibe e hoje fiz uma reciclada que ficou uma delícia: bolinho de arroz amanhecido e batata, recheado com cenoura e presunto picadinhos... Me lembrei de vc.
    A reciclagem é indispensável no tempo atual... em tudo... para o bem de todos...
    Bjs, mesmo com gostinho triste pelo clima daqui...

    ResponderEliminar
  6. Rute, adorei a receitinha!!
    Levo-a comigo e não me escapa. :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Rute querida! Vc sempre me surpreende, amiga! Tão consciente, preocupada com as pessoas, em manter uma vida saudável, com a saúde do planeta! Vc tem toda razão. Já havia pensado muito sobre isso, também.
    Menina, também sinto muita falta de ser "figurinha assídua" na blogosfera. Passei muitas vezes por seu blog, mas não deixava recado, pois o tempo ficou curto demais! Sophia me requisita muito!! E no pouco tempo que sobrava eu não tinha animo pra nada por causa da gravidez. rsss!
    Mas, uma hora as coisas ficam mais fáceis e eu volto às visitas diárias rsss! Pelo menos é o que eu espero ansiosamente!
    Gde. beijo.

    ResponderEliminar
  8. Amiga Flora,
    obrigada pela dica.
    Parece melhor este formato sim.
    Vamos experimentar a ver se habituo.
    Quanto ao post da Teia, é isso mesmo. Tem alturas que já não sabemos o que fazer, o que apoiar, ou como fazer as escolhas mais acertadas.

    Creio que mais cedo ou mais tarde será necessário uma legislação de rotulos que separe o que é bioplástico, do que é fibra de petróleo biodegradável, e do que é plástico eco-reciclado. Só assim poderemos optar consciente.

    E o mesmo com o biocombustivel. Existir a rotulagem de separação, do que é reciclado, do que é simplesmente bio, directamente da plantação para o motor do automóvel.

    Beijinho além-mar.
    Rute

    ResponderEliminar
  9. Gilberto,
    pegando nas palavras da Flora, sabe aquele ditado popular: água mole em pedra dura, tanto bate até que fura!
    Esperemos que as palavras dos loucos tanto batam nos ouvidos dos sãos que furem o bloqueio das mentes adormecidas.
    As minhas inquietações não podem ficar caladas. Ao partilhá-las é possivel encontrar ressonância nas inquietações alheias e assim continuar a juntar mais voz activa aos grupos marginais, aqueles que são forçados a viver à margem por serem minorias. O centro de comando pertence à maioria, aos governantes que hipnotizam o povo com o tilintar do dinheiro. Cabe-nos a nós, aos que não se deixam adormecer, acordar as consciências minimas da sobrevivência e alargá-las a uma escala superior.
    Abraço bem português, colega conspirador preservacionista :)
    Rute

    ResponderEliminar
  10. Oi Rô,
    procurei por seu artigo da Teia de Janeiro e não encontrei. Publicou? Diga-me o link p.f.

    Quanto ao bolinho de arroz, deve ter ficado uma reciclagem bem gostosa! Pela descrição, só pode ser de babar :)

    Que bom que lembrou de mim!! Significa que o Projecto Reciclar na Cozinha continua activo na mente dos participantes.
    Beijinho espiritual, querida orvalho do céu.
    Rute

    ResponderEliminar
  11. Gasparzinha,
    sempre que encontro um ingrediente novo para experimentar, recordo o teu comentário em que dizias:
    "novo filão para explorares Rute" :)
    O kibe é mais um! É como descobrir ouro na fenda duma rocha, ah ah ah.
    Fico à espera da tua ajuda para explorar esta mina, ok?
    Beijos,
    Rute

    ResponderEliminar
  12. Mónica,
    sei como é. Ser mamãe ocupa-nos demasiado. Ainda há quem pense que sobra muito tempo nos primeiros meses de vida dum bébé. Puro engano!
    Acredito que neste momento da sua vida, pense ainda mais na ecologia porque inevitávelmente estará preocupada com o futuro. O seu e o da sua familia.
    Faz bem, reflectir um pouco sem cair em exagero, pois sei de pessoas que começaram a ficar amarguradas e depremidas com uma visão dum mundo sem solução.
    Ele tem solução sim. Basta todos nós nos unirmos pelo bem comum. E isso não é assim tão impossivel. Não é utopia. É realidade. A crise mundial e as catástrofes naturais vão reaproximar as pessoas de novo e fazer esquecer os individualismos.
    Bj grandão pra vc e pra Sophia.
    Rute

    ResponderEliminar
  13. Oi, Rute:
    Gosto muito mais desse modelo de comentário pois, como gosto de responder ítem por ítem, preciso voltar ao texto para relembrar o que foi escrito.
    Da forma atual, é só ir lá em cima e conferir o que foi dito na postagem.

    Beijo

    ResponderEliminar
  14. Mais uma das tuas belas invensões e descobertas.
    Kibe, ainda não me aventurei por essas "rochas" :)

    Bjs

    ResponderEliminar
  15. Pois é Flora,
    dá-me a entender que eu também gosto mais deste modelo de comentários. Alarga-se horizonte de visão lateralmente e permite consultar o texto.
    Também gosto de verificar o artigo enquanto comento e xeretar nos comentários das outras pessoas, ah ah ah. Mais fácil assim :)
    Obrigada mais uma vez!
    ________________________________________________

    Sandrinha,
    estás sempre a tempo de trilhar estas "rochas". Os filões precisam mesmo de exploradoras empenhadas, ah ah ah. Ó pra gente de capacete de mineiro à procura de "ouro culinário" :))
    Beijinhos,
    Muitos,
    Rute

    ResponderEliminar
  16. Bem amiga isso e que e indignacao...Eu tambem fico toda lixada com coisas deste genero, mas enfim...como sempre o dinheiro esta por detras de tudo e mais alguma coisa.

    Ainda nunca fiz kibe, mas adorei o teu rolinho.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  17. Oi Rute!

    Precioso o seu post, muito dali eu não sabia.
    Mas infelizmente o que eu já sabia é que a política já está se beneficiando do que os ambientalistas defendem há tanto tempo para a humanidade.

    Também me pergunto, por que, o dinheiro sempre fala mais alto?
    Acho que as pessoas estão mal interpretando o que os escritores de auto-ajuda chamam de 'viver o presente'.

    É muito importante e gratificante viver o presente pensando em todos e no futuro de todos.

    Muito obrigada por publicar para partilhar!

    Beijinhos green
    *ainda vou postar meu pitaco de janeiro na Teia Ambiental, no dia 25.

    ResponderEliminar
  18. Amiga Cacahuete,
    e porque não te juntas a nós na teia? Gostaria de ler a pormenor as tuas indignações. Se te sentires inspirada, começa já a pensar num tema ambiental para postares dia 7 FEV 2011. Se por algum motivo não conseguires nesse dia, publica em dia similar, 16 ou 25, a redução de ambos dá 7 :)
    É uma pequena batota para quem anda sempre atrasada como eu, ah ah ah.
    Beijinhos.
    P.s.-É verdade, se quiseres postar ainda em JAN também podes.
    ________________________________________________

    Renata,
    pois é. Fui lá no dicas green procurar seu texto. Mas já nem deu para comentar por lá pois estes artigos tomam muito do nosso tempo, e já estáva correndo para me despachar.
    Fico feliz que tenha gostado do tema. E que tenha aumentado conhecimento com ele :)
    Beijinhos green tb pra vc.
    Vou lembrar de vc no dia 25 ;) A 3ªfase da teia de Janeiro!

    ResponderEliminar
  19. O ser humano é mesmo perverso!! consegue destruir quase tudo que toca!! mas olha amiga vamos contentes reciclando e fazendo o que achamos bem independente do que os outros fazem porque se pensamos muito nisso azeda-nos o estomago e estas comidinhas não nos caem bem :-)
    Gostei do aspecto deste rolinho :-)

    ResponderEliminar
  20. É uma pena, mas infelizmente as pessoas preocupam-se mais em enriquecer de com o planeta o mal é que daqui a pouco será que há planeta?...
    Adorei o teu kibe até já comprei esse trigo agora vou copiar a receita.
    Bjs

    ResponderEliminar
  21. Alcina,
    "quem faz o que pode, a mais não é obrigado" e assim vamos fazendo, reciclando, agindo de acordo com a nossa consciência. Mas para optar bem convém estar informado. É este o proposito da Teia. Informar.
    Beijinhos de kibe ;)
    ________________________________________________

    Conceição,
    vivemos numa sociedade materialista portanto é "natural" que o dinheiro e a riqueza alicie muitos. Numa sociedade mais espiritualizada talvez fosse diferente... quem sabe...
    Beijinhos e fico à espera das tuas experiências kiberianas :)

    ResponderEliminar
  22. Amo kibe, levo esta receita comigo!
    Um abraço
    Léia

    ResponderEliminar