03 maio 2011

SALTEADO DE MARYLINI COM AMIZADEIAS

Endoidei de vez, eu sei!
Vamos começar por desmistificar o título?
Não há mistério nenhum. A situação é a seguinte:
Ontem a Lina, nos comentários das Favas de Sequeiro deu-me uma ideia maravilhosa para confeccioná-las. Às ideias da Lina, juntei as dicas da Cláudia, que também nos comentários dizia-me que o pai dela enquanto descasca favas, gostava de comê-las cruas.
Vai dai, quando fui à despensa escolher a massa apropriada, encontrei meio pacote duma massa oferecida pela minha "antiquissima" amiga Mary (não é que a rapariga seja velha, simplesmente já a conheço de outros carnavais). E foi assim que surgiram as AMIZADEIAS (amizade ideias).
Como não sabia o nome da pasta... pesquisei, nada encontrei... chamei-lhes MARYLINIS, prenda da Mary, inspiração da Lina.

INGREDIENTES:
  • Marylinis cozidos;
  • Azeite;
  • 2 dentes de alho laminados;
  • 1 alho-porro (parte branca);
  • 15 a 20 feijões de Fava (sem pele);
  • 3 hastes de Poejo fresco;
  • Sementes de Gergelim (sêsamo);
  • Sal fino;
  • Suco de Gengibre ralado;
  • Raspa de Laranja biológica;
  • Hortelã fresca picada.
CONFECÇÃO:
Cozer os Marylinis :) Reservar.
Numa frigideira ou wok, deitar azeite, laminas de alho, aquecer.
Juntar as favas sem pele e o alho-porro às rodelas. Atenção que quando digo pele é mesmo aquela pelicula do feijão de fava. Não me refiro à vagem. Essa é a casca, não a pele.
Retira-se a pele para facilitar o cozinhar da fava.
E é aqui que entra a ideia da Claudia, pois em vez de escaldar as favas como fez a Lina, eu simplesmente juntei as favas em crú ao azeite e alho. Prefiro assim para não perder nutrientes na água quente. Mesmo que as favas fiquem meio cruas não há problema, embora tenham cozinhado completamente.
De seguida num almofariz, trabalhe gergelim e sal, para povilhar o preparado. Reserve.
Raspe casca de laranja biológica e à parte, raspe raiz de gengibre fresco. Reserve.
Junte mais azeite ao wok, inclua a massa, misture com as favas e o alho-porro. Povilhe com o sal de gergelim, tempere com suco do gengibre ralado, termine com raspa de laranja.
Já no prato, decore com hortelã fresca picada. Coloquei imensa, pois adoro hortelã.

MUUUITO OBRIGADA ÀS MINHAS DOCES AMIGAS. Gostei muito de "almoçar com vocês" hoje.
MARYZITA, MAIS UMA VEZ, THANK YOU PELOS MARYLINIS (que vieram acompanhados duns fantásticos chocolatinhos de casca de laranja).

26 comentários:

  1. Olá, Rute!Que delícia deve ter ficado, para a próxima vou fazer como tu, não escaldar as favas e usar outras ervas.
    Estou a adorar esta partilha de ideias, esta aprendizagem e troca de informação e esta identificação de almas, acho que demoraria anos para encontrar estas amigas que em poucos meses já sinto como se conhecesse há muiiito tempo.
    Valeu, amiga!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Ena pá, essa cabeça não pára! Olha que eu vou ter mesmo que experimentar, talvez com umas adaptaçõeszitas, e tal, mas essa ideia das favas em cru no azeite e alho, agradou-me. E com poejos, com certeza ia agradar ao meu pai. Eu prefiro coentros, mas tb gosto do sabor do poejo, é muito usado no Alentejo. Sim senhora, estou contente. Que belas amizadeias! :))
    bjs

    ResponderEliminar
  3. Rute esa sua cabeçinha está sempre a trabalhar. Adorei o nome que deu ao prato por conta dessas meninas maravilhosas, esse mundinho é bom por causa disso, juntamos o útil ao agradável, fazemos pratos maravilhosos e conquistamos amigas igualmente maravilhosas. Gosto muito de massa, e de favas tbém, minha mãe fazia muito, deve ter ficado delicioso esse prato. Lindo dia pra vc amiga bjocas

    ResponderEliminar
  4. adorei a ideia. o prato ficoum lindo demais da conta. no bolo de aveia, não mencionei as gemas, já arrumei lá. as gemas vão tb na preparação do bolo. beijos

    ResponderEliminar
  5. Rute, quando li o título do post fiquei sem entender nada! Devem ser coisas que só têm em Portugal, pensei eu, rsss. Que nada, era mais uma de suas deliciosas invenções! Massa caseira é tudo de bom, babei pelos Marylinis! Um beijo.

    ResponderEliminar
  6. Pois é, enganei vcs :))
    Quando inventei o título logo pensei... as meninas vão pensar que amizadeias existem mesmo, e que marylinis são um género de linguinis, ah ah ah.

    Fico feliz que a brincadeira tenha dado certo. Às vezes pareço uma miuda pequena, divertindo-me com estas coisas, ah ah ah.

    Bom, mas...marylinis e amizadeias à parte, a combinação tem tudo de bom. O toque de laranja, o sabor de poejo, a frescura da hortelã, são mágicos! Dá pra viajar! Experimentem que vão gostar.

    Beijinhos criativos,
    Rute

    ResponderEliminar
  7. Gostei muito: amizadeias...
    é bom inventar coisas diferentes não é?
    rs
    beijos

    ResponderEliminar
  8. Rute não páras, bela invenção.
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Ufa, que já estava pensando em que língua você falava !!!
    Normalmente já tenho alguma dificuldade com seu português de Portugal, mas hoje...

    Apesar das trapalhadas linguísticas, o prato está muito agradável de se ver.

    Beijo

    ResponderEliminar
  10. Tem o nome apropriado.
    Excelente aspecto ♥

    ResponderEliminar
  11. Minha querida Rute, venho aqui agradecer-te, do fundo do coração, o meu maravilhoso jantar! :)
    Sim senhora, fiz a minha versão da tua receita, e digo-te de verdade que há muito tempo que não comia nada que me soubesse tão bem! E só fiz umas ligeiríssimas alterações: não tinha gengibre (que pena), usei raspa de limão e de laranja (que delícia), pimenta (gosto muito), e, parece que adivinhaste, usei Linguini, o primo do marylini :)) E para finalizar, coentros picados. Que delícia! A sério, uma mistura de sabores irresistível, e as favinhas cozinhadas assim ficam uma maravilha! Quem diria que as favas cruas do meu pai iam contribuir para isto... Obrigada pelas amizadeias. :)
    bjs

    ResponderEliminar
  12. Amigas,
    sério? meu português de Portugal é assim tão dificil de entender :)
    E eu ainda compliquei mais hoje... não foi?

    CLÁUDIA,
    isto até parece aquelas correntes de mails pela net, ah ah ah. A Lina apresentou-nos a inovação, eu reproduzi, agora foste tu, quem se segue???
    Ainda falta a Mary aparecer por aqui...

    Que deliciosas refeições as nossas hein!!
    Beijinhos a todas, grata pela visita,
    Rute

    ResponderEliminar
  13. Isto é que vai aqui um namoro... olha, se quiseres ver as minhas favitas, vai espreitar o cabeçalho do meu blog. Depois faço uma postagem, mas como amanhã não devo ter tempo, já fica um "aperitivo". Só que ainda não tinham os coentros, depois ainda ficou melhor. :)

    Gostei das correntes de mails, ahahah, "envie esta mensagem para 10 pessoas e tudo irá correr bem na sua vida" :))

    bjs

    ResponderEliminar
  14. Ena pá, estou estupefacta, Rute Veggie!!! Olha que já nem me lembrava de tal coisa...
    Foi um reavivar de memórias, daqueles nossos "crazy, wild and funny days"...bons velhos tempos isso sim! :)
    A massita é chiquérrima (da Orange Tree, ah pois é!) e ainda me parece em bom estado para consumo! LOL
    Curti esta grande surpresa, e apetece-me experimentar tal combinação de ingredientes, mesmo que num simples esparguete (sim, porque isto de massa gourmet não é para todos)!
    Até se me deu um "click" e pensei num passatempo criativo: "As receitas com os Nomes mais Loucos da Blogosfera" (eras forte candidata ao pódio, i'm afraid), hehehe
    Beijókas Marylínicas***

    ResponderEliminar
  15. CLÁUDIA,
    nem mais! Confeccione estas favinhas e tudo irá correr bem na sua vida, ahahah.
    Já fui espreitar o teu "aperitivo". A foto está magnifica. Acredito que os coentros tenham sido a cereja no topo da massa :)

    MARYZITA,
    de facto faz lembrar velhos tempos, "crazy, wild and funny days!". Tempos de dias da cor, de troca de galhardetes, de namoros pegados nos comentários (não é Cláudia?)...
    E essa ideia aí de "Receitas com Nomes Loucos" é de génio!! Um passatempo fantástico. Pensa a sério nele.

    Beijinhos minhas lindas,
    Rute

    ResponderEliminar
  16. Rute, a única fava que conheço é branca, parecida com um feijão branco. Além de aferventar em várias águas (porque sai uma espécie de espuma), temos que cozinhá-las pois senão ficam duras. Acho que só passar no azeite não vai dar certo... Será que essa fava que usa, tem outro nome no Brasil?
    O prato encheu meus olhos e a boca de saliva! ;)
    Beijus,

    ResponderEliminar
  17. Que nome original. Gostei da receita e da forma como nos orienta.
    bjs
    Hoje é dia da série perdas. É uum prazer que venha compartilhar.

    ResponderEliminar
  18. Rute, isso é que foi imaginação para o nome e para a refeição!! Essa cabecita não pára.

    Bjs

    ResponderEliminar
  19. Rute só mesmo tu para teres essa imaginação fertil! O título é bem engraçado e a massinha ficou a combinar com o título mas para melhor.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  20. O que é preciso é imaginação seja nos nomes, seja nas receitinhas :-)
    Pois cá em casa as favas favoritas é de esparregado, mas quendo ainda tem os tubos tenrinhos, antes do grão estar grande ;-)
    bjs

    ResponderEliminar
  21. Hehehe, adorei!
    Expressar o dobro em uma unica palavra!
    Deliciosa receita
    Um abraço
    Léia

    ResponderEliminar
  22. Oi gente linda,

    LUMA,
    na postagem anterior a Flora que é brasileira afirmou conhecer a fava e dá pelo mesmo nome no Brasil. Porém ela também referiu que é raro encontrar e que só encontra fava seca que tem de ser demolhada como o feijão, seguidamente cozida. Este prato aqui vc só pode fazer com fava fresca.

    NORMA,
    obrigada por avisar do artigo das perdas. Assim que possivel passo lá.

    SANDRINHA,
    a cabeça tem de fugir para algum lado criativo caso contrário embrutece no meio de tanta contabilidade mecanica, grrrrr.

    SUSANA,
    há que caprichar em tudo, até no título sugestivo e enigmático :)

    ALCINA,
    lembro-me bem da tua postagem do esparregado e não está esquecida. Quero reproduzir, mas infelizmente não consegui ir à aldeia na altura em que a vagem estáva tenra e que ainda não tinha fava. Mais ainda queria experimentar as flores e as folhas. Tudo é comestivel na faveira.

    LÉIA,
    as palavras são poderosas!!!!!
    Há que aprender a verdadeira arte de comunicar.

    Beijinhos a todas,
    muito grata pelo vosso carinho.
    Rute

    ResponderEliminar
  23. Adoro favas, comi um arroz malandro com elas esta semana e soube-me pela vida. Esta massa também promete :)

    ResponderEliminar
  24. AMEIXINHA,
    também ando a pensar num arroz malandrinho de fava fresca...
    e quanto aos Marylinis com amizadeias, entras na corrente? És a próxima a experimentar. A Cláudia já deu andamento.
    Beijinhos,
    Rute

    ResponderEliminar
  25. Viva Rute, a nossa corrente das favas vai de vento em popa, quem diria? A versão da Cláudia está também divina...Quem diria que um legume(a fava é um legume?)tão controverso, há os que amam e os que odeiam, fosse gerar amizades, engraçado, não é?
    Tenho que ir ao blogue da Mary!
    Beijocas!

    ResponderEliminar
  26. LINA,
    quem diria! Realmente tudo é inesperado... a vida acontece a cada momento como que por milagre :)
    A fava é uma leguminosa mas quando consumida antes de dar "semente" é um legume.
    Ou seja, não sei se leste os comentários por aqui mas há quem coma a vagem da fava tal e qual como se come o feijão verde (vagem de feijão).
    Espreita este artigo da Alcina: Esparregado de Favas
    Eh eh eh, estou sempre a "mandar-te" passear pelos berloques :)
    Boas viagens Lina Linda.
    A propósito viste a resposta que te dei na pizza violeta? Deixei-te uma balada :)
    Beijinhos,
    Rute

    ResponderEliminar