10 outubro 2011

BOAS INICIATIVAS!! no Centro Comunitário Carcavelos

Olá Pessoal !!!
Venho apenas divulgar uma iniciativa que achei interessantissima.

Lembro a todos, o quão positivo é saber costurar. Mais ainda nestes tempos de crise económica onde a reciclagem de roupas tem de vigorar.

Sou filha de costureira e enquanto garota passei muitas tardes, depois da escola, no atelier de costura da minha mãe, costurando roupinha para bonecas :)

Dai, veio o gosto por moda, de criar a minha própria moda.
Em adolescente, vestia bastante excêntrico, género Madonna. Quando me casei, fui eu que desenhei meu vestido de casamento. Um vestido com dupla finalidade (1º e 2º fato de noiva), a saia de noiva retirava-se e o vestido ficava com mini-saia, completando com uma casaquinha noutro tom. Quando a Carolina foi batizada, a minha mãe utilizou o imenso pano da saia de noiva para um vestido de batizado. E mesmo esse, foi mais tarde reaproveitado por mim, no Carnaval, para vestido de princesa da filhota.

Mantenho desde sempre, as ideias transformadoras. Aliás, quando compro a roupa da filha já vou pensando no aproveitamento futuro.

Estas calças por exemplo, começaram por ser usadas no Inverno, visto terem um interior polar muito quentinho, apesar do tecido exterior ser algodão fino.

Na Primavera, retirei o interior, esse aí do lado e utilizei-o para limpezas. Passando a Carolina, a usar as calças de modo mais fresco.

Chegado o Verão, cortei em calções, pois estavam ficando curtas nas pernas.
Faço o mesmo com camisas de manga comprida e com saias com peitilho.
No aproveitar é que está o GANHO!

23 comentários:

  1. E são os pequenos gestos, que todos somados, no final do mês dá uma poupança.
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Minha mãe é costureira ainda...não fazia nada quando adolescente(observava), hoje faço alguma coisa, mas sempre lembro de como minha mãe fazia...
    Paz e bem

    ResponderEliminar
  3. Nos dias de hoje temos que aproveitar, reaproveitar e se possivel reaproveitar novamente. Minha mãe era uma exímia costureira Rute, mas a bobona aqui nunca se interessou por costura, hoje sofro. Faz muito bem voce amiga, aproveitar o dom que Deus lhe deu e acompanhar os ensinamentos de sua mãe... Bjocas querida

    ResponderEliminar
  4. Olá minhas amigas,

    Pois é Conceição, pequenos gestos todos somados, fazem-nos ficar menos dependentes do dinheiro.

    Bel, também acho que vou relacionar sempre costura com minha mãe. Ela tem umas mãos tão habilidosas!

    Josy, hoje em dia nem faço muito. Infelizmente o tempo não chega para tudo. Mas ideias tenho sempre muitos e mais que não seja levo na "costureira" para transformar.

    Beijinhos e muito grata pela vossa visita.
    Rute

    ResponderEliminar
  5. Olá, Rute!Gostei de conhecer mais esta faceta de mulher prendada!A minha avó costurava muito bem. A minha sogra é uma modista excelente, dedicada aos vestidos de noiva(claro que fez o meu!)e posso passar horas a vê-la cortar vestidos, parece magia!Eu tirei um curso de corte e costura na minha adolescência e costurei algumas coisas para mim. Hoje em dia não faço quase nada, mas gosto de ter a máquina centenária da minha avó sempre pronta. Neste Carnaval fiz uma capa de Capuchinho para a minha filhota que ficou bem bonita. Gosto de outros tipos de trabalhos manuais que faço com mais frequência: crochet, tricot, bordados, pintura em tecido(há anos que não faço), até pintura em azulejos já fiz, aprendi com uma pintora de Sintra. Mas o tempo é escasso e não podemos estar em todas!Mas saber é sempre bom, nunca se sabe para que vamos utilizar. Uma época, numa pausa entre dois empregos, ganhei um dinheirinho a vender lembrancinhas de casamento, é preciso ter criatividade, bem precisamos dela nestes tempos!
    Bela publicação!Óptima iniciativa, que merece ser divulgada!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Olá Lina,
    quando mais conheço a tua maneira de ser, mais me identifico contigo.
    Também sei fazer tudo isso, crochet, tricot, bordados, tapetes de arraiolos, peças de artesanato...
    Pelo que não me assusto facilmente com prenuncios de falta de trabalho. Possuo um género de toque de Midas. Onde quer que ponha as mãos, faço dinheiro. Pode não ser muito, mas é algum.
    E dominar a economia doméstica é primordial.
    Gastar pouco é o que estar a dar, mesmo quando o dinheiro ainda não está a faltar :)
    Beijinhos.
    Rute

    ResponderEliminar
  7. Oi Rute,
    tive uma tia costureira que fazia as minhas roupas e as de minha prima, num troca-troca sem fim e assim tínhamos sempre modelitos novos em uso.Era o que parecia aos outros, mas na verdade, essa tia, customizava os vestidos, saias e calças a cada nova estação eu e minha prima estávamos sempre catitas na moda.A prática do reúso, do aproveitamento,deve e precisa voltar á ordem do dia nos cuidados com as roupas.Há possibilidades de aproveitamento em muitas coisas de nosso dia-a-dia.
    Está aí um ótimo lembrete esse que vc nos dá,amiga.
    Bjos d'além-mar,
    Calu

    ResponderEliminar
  8. Olá Calu,
    é por isso que eu gosto de trazer estes temas ao PPP, pois é assim que vamos tomando conhecimento dos modos de vida.
    Regra geral, descobrimos que o que aproxima certos blogs, uns dos outros, é uma energia semelhante, manifestada pela maneira como pensamos, sentimos e agimos.
    A vossa energia chega a mim, bem antes de ter conhecimento das práticas de vida de cada qual.
    Não é pura coincidência, você, a Lina, a Josy e eu, estarmos tão irmanadas por aqui.
    Entre outras meninas, claro. Não dá para enumerar todas. Os grupos (abertos) vão-se formando e abraçando todos.
    Beijinhos transatlanticos.
    Rute

    ResponderEliminar
  9. Olá.
    Em Linda-a-Velha, a iniciativa de Transição local (http://transicaolav.blogspot.com/) vai organizar um encontro de costureiros(as) que queiram ensinar, aprender, partilhar conhecimento, partilhar um chá, um bolinho, uma conversa, um segredo! Fiquem atentos!
    Grand'abraço
    GPais

    ResponderEliminar
  10. Olá!!!
    Visitei o vosso espaço e adorei a movimentação energética que se sente por lá.
    É sem dúvida uma transição positiva.
    Linda-a-velha tem muita sorte em dispor dum grupo inspirado como esse. Constitui um exemplo para localidades limitrofes.

    Recomendo a visita:
    http://transicaolav.blogspot.com/

    Gostei imenso da ideia da Mercearia Solidária.
    Grand´abraço.
    Rute

    ResponderEliminar
  11. Rute, amiga!

    Afinal sempre "postaste para a teia ambiental"! Este bem que se enquadra! :)

    Pois eu sou rapariga de tricot e de croché, de artesanato e pinturas (também me ajeito a pintar em tecidos)e também já "ganhei a vida" a fazer toalhas e naperons em croché e camisolas de malha (até fiz um biquini em croché que fez furor na altura, mas esse foi para mim :) ).

    Faço bainhas, coso meias, prego botões, mas a parte da confecção de roupinhas fica para as minhas filhotas que são umas craques e eu nunca me ajeitei com as máquinas de costura, vá-se lá saber porquê (bem tentei!) :) Decididamente, máquinas não são o meu forte!

    As minhas pequenas, fazem como tu, uma peça de roupa consegue passar por três ou 4 transformações e dura uns bons anos sempre actual!

    De modo que não me apetece nada ir a um curso de costura, mas acho que a iniciativa é muito boa e a tua divulgação, excelente!

    E também fiquei a saber um pouco mais dos teus dotes! :)

    Um abraço daqueles!
    Isabel Matos

    ResponderEliminar
  12. Olá Amiguita I.M.,

    Também achei muito boa ideia saber que és tão prendada e que a habilidade versus poupança, é hereditário na tua casa :)

    Olha lá, tiveste tempo de bisbilhotar a minha resposta anterior? Tem a ver com isto:
    Mercearia Solidária
    Video TVI

    Assim que tomei conhecimento lembrei-me logo de ti. E plin, apareceste!!
    Beijinhos telepáticos.
    Rute

    ResponderEliminar
  13. Plin! Plin! :)
    Aqui estou, já acedi à página, maravilha!
    Pronto, agora é só alastrar :)
    Porque é que te lembras de mim através destas coisas? :D
    Beijinhos (vê lá se os sentes?... ;) ), Rute!
    Isabel

    ResponderEliminar
  14. Esta lembrança particular tem a ver com aquela ideia que a Paula do AprenderSemEscola nos transmitiu em 2009. Recordaste?

    Aquilo que tu querias implementar em Portugal :)
    Vou procurar o link...
    Encontrei!!!
    LETS-Local Exchange Trading Scheme

    Jamais esquecerei esta fórmula mágica de conseguir viver praticamente sem dinheiro!
    Livrar-nos das energias do dinheiro é o céu na terra para mim. Acho o dinheiro uma coisa muito suja e impregnada de ganância.
    Beijinhos (senti os teus...já estáva a dormir, LOL).
    Rute

    ResponderEliminar
  15. Rute que interessante essa Mercearia Solidária e o Lets, pena que aqui no Brasil não existe isso, aqui tudo tem um interesse por trás. É uma pena gostei muito, mas foi muito bom receber essa troca de energias, obrigada por sua partilha amiga

    ResponderEliminar
  16. Ai ai esqueci de lhe mandar 1 beijinho
    Pronto, pra me redimir, mando-lhes 5 beijinhos hehehe

    ResponderEliminar
  17. Rute querida acho incrivel essa arte da custura aprecio muito mais ainda não me arrisquei nesse mundo quem sabe não me empolgo e começo bjs!

    ResponderEliminar
  18. Amiga era uma coisa que eu adorava aprender desde gaiata, em que os meus tempos livres era em casa de uma costureira hehehee...bjokitass

    ResponderEliminar
  19. Olaaá!Rute!Nem sabes o bem que me fizeste com o teu comentário com ligação directa para estas energias positivas e benéficas. Depois de ouvir um pouco das notícias e medidas do governo hoje, estava um pouco desanimada, mas realmente tens toda a razão, temos de aprender cada vez mais a ser menos escravos do dinheiro, afinal podem nos tirar dinheiro e bens materiais, mas os sentimentos e sabedoria que temos jamais nos tiram, esses, temos de partilhar e na partilha está o ganho de cada vez mais sabedoria e novas energias. Aprendi e aprendo muito, e quando ensino aprendo ainda mais e aprendizagem é viver cada vez mais independente em todos os sentidos e também no monetário. Adorei conhecer estas iniciativas e ver que somos todas umas mulheres prendadas!Muito legal esta energia que nos une e aproxima! E por falar em prendada estou a preparar a festa de aniversário da filhota, que será no dia 22, estou numa correria danada, mas acho que vai valer a pena!
    Mil Beijões!

    ResponderEliminar
  20. olá,

    tem um selinho em meu blog pra você que você amarará. Passe lá.

    bjs

    ResponderEliminar
  21. Rute minha querida irmã,

    Que mulher prendada!!!!....rsrsrsrs
    Quando adolescente eu também comecei a fazer um curso de corte e costura no Sesi, mas infelizmente não cheguei a terminar, porque não me adaptei.....acredito que costura é uma Arte e poucas pessoas possuem este dom.....e realmente não é a minha praia, sou mais de pintura em tecido.

    Excelente iniciativa do centro comunitário, pois além de aflorar este dom em algumas pessoas que nem sabem que possuem, é uma excelente fonte de renda.

    Minha irmã, muito obrigada por suas palavras em meu espaço.
    Passei uns dias muito mal, quantas vezes li mensagens de fortalecimento espiritual, mas quando a coisa chegou em mim não agüentei.
    Mas não me cobro por ter caído, foi um grande aprendizado para a minha Alma.....e tenho certeza que aprendi a lidar muito mais com meus sentimentos.

    Espero que você esteja bem querida, um beijo enooooorme em seu Lindo coração!!!

    ResponderEliminar
  22. Eu lastimo não saber costurar...
    Até tentei aprender, mas não faz meu estilo, apesar de ter feito algumas incursões positivas, principalmente quando minha filha era pequena e aventurei-me em fazer-lhe algumas roupinhas.

    O reaproveitamento é essencial para um mundo consciente e sua atitude é primorosa nesse sentido, dando vários usos à mesma peça.
    Parabéns por fazer e partilhar !

    Beijo

    ResponderEliminar
  23. Acho que já comentei que minha mãe foi costureira por muitos anos. Aliás, ela ainda costura. Essa atividade, aliada a de confeiteira, foi uma satisfação e fonte de renda para a família.
    Pena não ter me interessado pela costura.
    Nos "encontramos" daqui a pouco na coletiva!
    Beijos, amiga!

    ResponderEliminar