15 maio 2012

ESPERANÇA - No Reino de Ouros ♦

BCAP - 3ªFASE - ESPERANÇA
«As armas (♠) e os corações (♥) assinalados  que da ocidental praia lusitana, 
por mares nunca dantes navegados, passaram ainda além da Taprobana. 
Em perigos e guerras esforçados, mais do que prometia a força humana, 
e entre gente remota edificaram, Novo Reino (♦) que tanto sublimaram.» 
(Os Lusiadas)
Acreditar na existência de uma terra prometida é ter fé no caminho de ouros (♦). Procurar chão firme para realizar nossos sonhos e desejos, velejar o caminho maritimo (♥) ao sopro do vento (♠), ultrapassar tormentórios que mais tarde se revelam cabos da Boa Esperança.  
Os descobrimentos em contexto amoroso ordenam sempre que em determinada altura se lance a âncora ao mar. A mulher do leme grita: -Terra à vista!! - ou por outras palavras - Amor sólido à vista!
Lembro vagamente de pensar: sim, este sim. Ousa sonhar mas também tem audacia para concretizar. Vê-lo cuidar dos irmãos fez-me encontrar nele uma qualidade que os outros não tinham. Sim, este sim. Será bom pai de certeza (e quanto a isso não houve engano). Sim, este sim. Entre nós foi amor à primeira vista como se nos conhecessemos de outras vidas.
Ouro (♦) vem da terra, é um metal precioso, mas nunca, em hipotese alguma, casei por interesse. Inclusive passamos dificuldades financeiras no inicio do matrimónio. E foi aí que o paraiso se foi transformando lentamente em deserto. A materialidade tem dessas atrações, torna o homem escravo de suas riquezas e formas.
Que coisa estranha!? Mas quando é que eu irei entender o amor? Se é encantado, é fantasia, muitos véus escondem a real pessoa que amamos. Se desencanta, desequilibra-nos. A descrença faz-nos agir de modo egoista e magoado. E eis que depositamos toda a esperança num amor concreto, sem grandes malabarismos, desesperando de seguida com o mau estar da pessoa amada.
Junto com a falta de dinheiro (♦) veio a gravidez desejada. Olha lá a luzinha da esperança iluminando de novo! Pois é, mas ninguém falou que meu corpo se modificaria. Ninguém falou que o parto podia complicar, que o resultado poderia não ser o esperado, que toda a idealização ficaria aquém das expectativas. Mais um fóssil de actividade biológica no deserto, lembrando que ali na areia já houve mar.
Cruzes! Mas manifestar o amor no plano físico é assim tão doloroso? Como é que alguém pode competir com amor ao individualismo, amor ao dinheiro, à beleza corporal e à liberdade? "Ahh tem fé, um dia ele amadurece e assenta arraiais." Kkkkê! Um dia?
Não sei se foi fé, esperança... eu acho que foi paciência. Doses maciças de paciência para aturar imaturidade, porque quem ama, perdoa tudo. Mas também eu, era imatura a nível emocional e reclamava muito, cobrava muito... as dunas (muros) do deserto distanciavam-nos cada vez mais um do outro.
Até que um dia toda a esperança foi embora. Nessa fase o amor versou assim:
«Verde foi meu nascimento
E de luto me vesti
Para dar a luz ao mundo
Mil tormentos padeci.»
Coitada da azeitona que nasce esperançosa e termina a cair da árvore, varejada da Oliveira! Assim terminei eu, varejada de um casamento! Vestir-se de luto é amadurecer. Antigamente o azeite era usado nas lamparinas para iluminar as casas, porém para transformar azeitona em azeite, o fruto passa por várias fases, tem de ser repetidamente triturado, prensado, coado, até finalmente dar luz ao mundo.

Estabelecendo o paralelo, no amor também passamos mil tormentos até descobrirmos a verdadeira alquimia que transmuta chumbo em ouro (♦). Aí nos tornamos Magas(os), percebemos que todo o metal inferior tem potencialidade para ser transformado em superior.
 E agora vamos à materialização (♦) do vosso amor:
  1. Eu 
  2. Luma
  3. CadeiranteEmPrimeirasViagens
  4. ReflexõesFloridas
  5. TachosVsPanelas
  6. PequenoQuiproquó
  7. SextaFeira
  8. DebbyEuAmoAminhaVida
  9. ChicaEscrevePorAí 
  10. BelBlogandoComAvida 
  11. InfinitoParticular 
  12. AromaDeCafé 
  13. ProjetandoPessoas 
  14. SuTheBest 
  15. DhonaBorboleta 
  16. PensandoEmFamilia 
  17. DuasMoçasPrendadas
  18. SóTutoriais
  19. MeuCadernoDeInspirações
  20. TenhoAlmaVintage
  21. VamosPerservar
  22. JanelaPessoal
  23. SaoBanza
  24. NaoEstavaAfim
  25. EuCrioAminhaVida 
  26. AsasDosVersosEreversos 
  27. TrocandoIdeias 
  28. DemocratizaçãoDaModa  
  29. LuluOnTheSky 
  30. DoQueEuGosto 
  31. PontoLivro 
  32. CozinhandoComJosy 
  33. VozAtiva2 
  34. SimplesEclara 
  35. ConversasComXunandinha 
  36. LadoDeForaDoCoração 
  37. ÓculosDoMundo 
  38. RodaViva 
  39. CasaDaAlquimia 
  40. Ca e Murillo 
  41. VivendoUmDiaDeCadaVez 
  42. FractaisDeCalu 
  43. UmaCertaLuz 
  44. CasaCoisasEsabores 
  45. AescolaÉbela 
  46. DiarioDeUmaTransformação 
  47. AvaliandoAvida 
  48. InsanidadeTemporária 
  49. EsplendorDaCriação 
  50. MãosDeManteiga 
  51. LichiaDoce 
  52. NadaSério 
  53. ArteLivreVimaje 
  54. M@myrene 
  55. CameliaDePedra 
  56. JardimFechado 
  57. CorpoAlmaEspirito 
  58. DraftToDraft 
  59. JorgeVicente 
  60. LuluExperiência 
  61. SonharEser 
  62. RumosLibertadores 
  63. SeguindoMinhasPegadas 
  64. BuscandoOamor 
  65. FloraDaSerra 
  66. SonhosEmelodias
  67. ConversasCartomanticas 

55 comentários:

  1. E eu...olha que estou como a azeitona...a cair varejada de uma esperança de amizade...e assim saiu uma visão meio torta da esperança!De certa forma encontro alguns pontos em comum nas nossas participações. Porque será?
    Amanhã venho cá outra vez!
    Beijito

    ResponderEliminar
  2. Muita clara sua trajetória, tão real que se assemelha a muitas outras histórias, mas esta da azeitona é sua com muita propriedade metafórica.
    Eu vou participar, mas aqui ainda estamos no dia 14.
    bjs,

    ResponderEliminar
  3. Muito legal, adorei sua história, delicia essas blogagens.
    também estou participando
    Beijo

    ResponderEliminar
  4. Bom diaaaaa, madrinha. :)
    de manhã é que se começa o dia...

    só para dizer que publiquei, volto mais tarde para ler o teu texto com atenção. Para já, gostei de ver poesia, também usei, para variar. :)

    beijinhos, até logo

    ResponderEliminar
  5. Bom dia Rute lindo teu texto...Linda essa esperança... ela nos da força para continuar, e se nunca desistirmos recebemos a dobrar... eu aprendi a lutar pelas coisas da vida, com dor, com pensamentos negativos e se um dia pensava desistir, olhava as estrelas, as ondas do mar sorria e continuava!!!

    Beijocas!!!

    ResponderEliminar
  6. Nossa!!! Que linda alquimia em forma de esperança! Amei!
    bjs Sandra
    http://projetandopessoas.blogspot.com//

    ResponderEliminar
  7. Que maravilha,Rute!! E saber usar com sabedoria esse aprendizado, vindo da alquimia é maravilhoso. E fico aqui de queixo caído como tu consegues misturar azeitonas, lindas olivas ao amor e dá certo!! LINDO!! Muito obrigado pelo carinho e por aqui, na fase sempre do vamos que vamos, dito, pensado, várias vezes ao dia!! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  8. "Amor sólido à vista" :)) A tua imaginação não tem limites, a analogia com o navegador que descobre terra está o máximo. :)
    O pior é que às vezes essa terra ou esse amor não passa de uma miragem... mas de qualquer forma tudo é enriquecimento, todas as experiências deixam um resultado positivo, umas mais, outras menos.
    E se o navegador não tivesse esperança de encontrar terra sólida e não apenas miragem, nunca se teria metido num barco e não teria descoberto tanto mundo, e isto é válido para os navegadores marinheiros e para os navegadores em sentido figurado.
    Afinal, navegar é preciso.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Bom dia, minha querida...

    Um dia vc me disse que temos coisas em comum, vivências parecidas... e temos mesmo. E qta dor passamos, por sonhar, por ter esperanças.... por insistir, não desistir... mas às vezes temos que desistir sim de um sonho que durou o tempo que tinha que durar e sonhar de novo, esperar de novo.... e de novo, qtas vezes for necessário.
    Eu digo, Rute, vale a pena! A vida nos surpreende sempre, qdo temos esperanças e sonhos, qdo queremos sim, custe o que custar, sermos felizes e termos paz. Isso acontece!

    O meu post já está lá!!!

    Um ótimo dia pra vc!
    Beijos

    ResponderEliminar
  10. Olá, Rute querida
    "O que me importa o tempo e o espaço,
    Se trilhei caminhos orvalhados
    Em busca do calor do teu abraço?"
    (Auxiliadora)

    Esperar que a azeitona se transforme em azeite...
    Me fez recordar da minha infância quando ia pra roça no ES e via o leite se balançando, se saculejando... e se transformar na manteiga...
    Perfeita Esperança!!!


    Concedei-lhe, ó Deus, prodigamente, o ORVALHO DO CÉU...
    Até o próximo mês, se Deus quiser!!!
    Abraços esperançosos de paz

    "Jamais desista de ser feliz, pois a vida é um espetáculo
    imperdível, ainda que se apresentem dezenas
    de fatores a demonstrarem o contrário."
    Fernando Pessoa.

    ResponderEliminar
  11. Fiz um texto com o título "Não é todo primeiro amor que vale a pena", dizendo basicamente que o nosso ideal de felicidade passa longe do que é a realidade. As pessoas tendem a querer modificar o outro, moldando para o modelo que foi imprimido dentro da nossa educação sentimental.
    As crianças pequenas quando brincam, ao se aborrecerem deixam o brinquedo de lado. Outras mais expansivas, chegam a destruir o brinquedo. As mais resignadas, guardam o brinquedo no armário e muitas vezes esquecem dele. As crianças crescem, mas algumas não amadurecem. Quantas pessoas conhecemos que guardam o seu amor em um armário? Contrariadas não se desfazem dos brinquedos por certos apegos e saem a dar opiniões sobre o dito brinquedo. Não brinco mais, pois me chateia. Quando você joga o brinquedo no lixo ou "dá" para alguém, sempre aparece um espírito de porco, questionando "por que você desfez do brinquedo, ele ainda estava tão bom"... Minha amiga, convenhamos que temos que praticar o desapego até mesmo com o amor. Vai dizer que não é bom ter espaço sobrando dentro do armário? Boa blogagem!! Estamos na fita!! Beijus,

    ResponderEliminar
  12. Também fiz meu texto e citei um dos exemplos de esperança. Adorei participar e sempre que houver blogagens coletivas, se for possível participarei.
    Big Beijos

    ResponderEliminar
  13. Rute, muito legal o paralelo que fez com a azeitona, que nasce verde de esperança e depois cai, para depois de muito prensada virar o mais puro azeite. Se até para uma azeitona caída há a esperança de um futuro tão nobre, quem dirá para nós :) A esperança é o próprio motor da vida, se a gente não esperasse mais nada nem estaríamos aqui. Texto maravilhoso e criativo, como sempre :)

    Antes tarde que mais tarde, rs, minha participação:

    http://casacoisasesabores.blogspot.com.br/2012/05/blogagem-coletiva-esperanca.html

    Um beijo!

    ResponderEliminar
  14. Olá Rute,

    A esperança está entrelaçada ao amor, mas também a muitos outros sentimentos. É impossível dissociá-los, porque habitam todos em lacunas de nossa mente (coração, na linguagem poética, metafórica), são vizinhos! O amadurecimento traz lições diferentes para cada pessoa, porque cada qual vive de maneira muito particular o envolvimento com o sentimento que o habita. O amor se redescobre... Numa mesma relação ou noutra. Antes de tudo, há que amar a si mesmo. Não no grito do egoísmo, que é a prática da moda, mas amar-se para exercitar o autoconhecimento. Acredito nisso, persevero nesta crença.

    Um abraço,

    Michelle

    ResponderEliminar
  15. Rute, pessoal: o texto está pronto, mas estou sem internet. Publicarei o mais rápido possível. Desculpem-me.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu texto: http://conversascartomanticas.blogspot.com.br/2012/05/blogagem-coletiva-esperanca.html

      Eliminar
    2. Oi Emanuel,
      inclui sua participação na lista da Esperança e avisei as meninas.
      Logo mais ou amanhã, visito/comento sua participação. Obrigada.
      A 4ªchamada já está publicada. Dê uma passadinha na fase do Questionamento.
      Beijos.
      Rute

      Eliminar
  16. Rute, gostei muito deste teu relato de uma fase da tua vida. Pois que esta BCAP está tão entrelaçada com a BCFV!...
    E, como sempre, estas ligações (e trocadilhos) tão inteligentes que tu fazes, conferem o cunho pessoal de "post da Rute", sem qualquer sombra de dúvida. Para além de ainda nos presenteares com os teus sentimentos e emoções. Mais completo que isto??? Rute, maninha, no seu melhor!!! :)
    Publiquei só agora, embora já tivesse o post praticamente pronto desde há semanas ;), faltavam-me os links para os posts associados. E ainda me faltam as fotos que só colocarei mais tarde. Isto cá em casa tem andado com a energia focada em resolução de problemas (o Alex esteve doentinho e desta vez demorou a passar, recaíu e a recuperação foi mais lenta, mas já respiro mais fundo, as coisas já estão a normalizar).
    Muitos beijinhos e grata por tudo
    Isabel

    ResponderEliminar
  17. Rute,

    A metáfora da azeitona foi excelente, ilustra pelo que passou com muita clareza; e é com crinho que vamos acompanhandoa s linhas, saboreando o texto. Belíssima participação.

    Abraços ;)

    ResponderEliminar
  18. Adorei seu texto,por vezes vivemos sempre na Esperança de Algo,beijinhos e parabéns pela blogagem

    ResponderEliminar
  19. É, nem sempre se acerta no amor à primeira. Aliás, raramente! Não impede que tenha sido um verdadeiro amor, com bons momentos partilhados. Mas a rotina, a imaturidade, as obrigações e tantos outros problemas vão quebrando qualquer coisa, até que um dia descobrimos que temos as mãos cheias de nada... Há que ter coragem e tentar de novo!

    Bom texto e boa comparação com a oliveira e as azeitonas!

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  20. Rute,

    Sempre me surpreendo com seus textos. As fases da Esperança. Cremos sempre no amadurecimento dos homens, por que será???

    Mas todo metal inferior pode ser transformado em superior.
    Já postei minha participação.
    Obrigada pela oportunidade.
    Abraço

    ResponderEliminar
  21. Adorei a comparaçao com a azeitona... o verde da esperança que se veste de luto tantas vezes para gerar desilusões. Gostei muito do teu texto.
    Acabei de publicar agora o meu! Finalmente, ainda dentro do dia 15!
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  22. Rute querida, essa associação que vc fez da azeitona foi excelente. Cada participação sua sempre leio com prazer e atenção, pois só voce consegue passar em palavras o que lhe vai na alma. As azeitonas, o azeite, em comparação com as oliveiras, a sua trajetória de vida, tão real quanto a de muitas de nós. Eu estou transformando minha vida ainda em azeite, com muitas perdas, dores, mas aempre levando uma lição de tudo e aprendendo continuamente, sem nunca desistir de ter esperança, sonhar, e esperar, sempre.Bela participação. Bjos

    ResponderEliminar
  23. Oi, voltei!Ontem(quer dizer hoje!)já estava a cabecear de sono e não pude ler com o pormenor e atenção que o teu lindo texto merece! Primeiro: estou a adorar este jogo...mas o baralho tem 4 naipes, falta o paus, e depois? Nunca gostei de jogar às cartas, mas já fui apaixonada por leitura de cartas e teve uma época da minha juventude que estava sempre a perguntar coisas às cartas, estou revivendo isto com os teus textos!Realmente a descoberta do amor compara-se à exploração de um continente desconhecido, nunca sabemos o que iremos encontrar, mesmo levando bússola, a rota pode ser alterada...e para voltar a ela não podemos ter nada que nos distraia, que nos faça fugir à realidade, os sentidos tem de estar em alerta...e muitas vezes o encantamento cega-nos, o desencanto tolhe-nos e a esperança engana e nos faz perder tempo...Escreveste sobre isto tudo, com a genialidade de sempre! E ainda foste buscar a azeitona, e a analogia da transformação do fruto em luz, cada palavra tua me fez pensar e refletir na vida. E agora mais desperta vejo que temos mesmo pontos em comum nos textos, e nos pensamentos também, não é maninha? O que eu escrevi, "valorizar o que já temos", é mesmo isso, sermos magas e aprender a visionar a realidade como é, o lado bom que já existe e tornar este o principal, a mudança(magia) está dentro de nós e não fora! Parece fácil, não é...mas não é impossível! O caminho é trilhado passo a passo...como os pedaços desta coletiva!
    E agora vou navegar pelas outras esperanças, de certeza voltarei mais rica desta viagem!
    Beijinhos aos milhares

    ResponderEliminar
  24. Meninas e meninos,
    hoje não deu para me dedicar em exclusivo à BCAP pois estou num mês de muito trabalho na profissão. No entanto a listinha está atualizada até ao momento. Agora vou deitar (23:00 Portugal).
    Amanhã visitirei mais participações. Hoje termino no ponto 14. Vocês sabem que eu gosto de ler com atenção, saboreando cada palavra vossa.
    Grata pelo carinho e atenção. Adorei o vosso feedback em relação ao meu post.
    Beijinhos aquém e além mar.
    Rute

    ResponderEliminar
  25. Oi Rute!
    A esperança é nosso fio condutor, nossa luz.
    Lindo e cheio de emoção o seu depoimento. A esperaança venceu, mesmo depois de transformar azeitona em azeite.
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  26. Olá, Rute, Dormiu bem! Depois do susto que tive ontem ao ver a sua BCAP, e que eu me esquecera da minha, consegui dormir e fazer, hoje, dia 15 a danada. Rute, verdadeiro dom é o seu para a escrita e tão bem elaborada, que, às vezes, tenho que reler para compreender. Sem falar nas expressões daí que não tenho familiaridade como essa da azeitona "varejada da Oliveira." Essa frase que você escreveu, chamou-me atenção
    "Não sei se foi fé, esperança... eu acho que foi paciência." Quem tem esperança tem fé e quem tem isso, óbvio é porque é paciente. É como a trindade santa. Gostei imenso mesmo! Grande abraço! Beijos!

    ResponderEliminar
  27. E eu vou ver se amanhã escrevo, se me inspiro.

    Muito trabalho também: o mestrado, a biblioteca...

    Um grande beijinho para ti, minha amiga
    Jorge

    ResponderEliminar
  28. Olá, Rute!
    Que bela sua participação sobre este tema tão bonito que é a Esperança!
    Adorei seus paralelos e comparações, e percebi em cada linha, uma pessoa cheia de fé e esperança, por isso feliz. parabéns!

    Aproveito para comunicar-lhe que a amiga Calú está impossibilitada de participar nos comentários sobre esta coletiva, pois ficou sem internet e irá colocar um novo provedor que só ficará pronto em dois dias, ok.
    um super abraço carioca

    ResponderEliminar
  29. Rutinha, só para dizer que não vivo em Almada, mas sim em Alverca. :) Mas vou a Lisboa todas as semanas.
    Isto era por mail, mas como venho aqui de vez em qdo linkar nas participações, lembrei-me agora disto. :)
    Qdo estiveres mais "livre" combinamos, ok?
    bjs

    ResponderEliminar
  30. Olá Rute!
    Mas que extraordinária contribuição para a Esperança! E a sua dissertação é tao verosímil tão sincera que depois da leitura, apesar dos amargos de boca, o sorriso quer aparecer mesmo sem licença prévia!
    E a esperança, se não morar aqui, mora ao lado noutro caminho que espera as nossas pegadas; assim , mesmo assim, esperança sempre!
    Olhe, gostei, apreciei muito, muito!
    Um grande abraço de Esperança!

    ResponderEliminar
  31. Rute, seus textos são maravilhosos. Adoro o paralelo que você faz, como neste trecho: "A mulher do leme grita: -Terra à vista!! - ou por outras palavras - Amor sólido à vista!..."
    É muito bom fazer parte deste universo de pessoas e sentimento. Beijos.

    ResponderEliminar
  32. Perder a esperança jamais! Mas também penso que não se deve manter por muito tempo a esperança em algo que não depende de você, que está nos outros. Coisa que só a maturidade pode nos mostrar.
    Suas metáforas são sempre muito apropriadas e venho só hoje curtir algumas das participações, já que o tempo continua o mesmo, mas as atividades próximas de uma viagem andam mais corridas.
    Beijos, amiga!

    ResponderEliminar
  33. Gostei do que li e me emocionei ao recordar a adinha sobre a aseitona, que há tanto tempo não ouvia.


    Um avraço cordial, Rute

    ResponderEliminar
  34. ERRATA:
    Adivinha/Azeitona/Abraço

    ResponderEliminar
  35. Olá Rute! Maravilhoso texto!
    Na minha opinião a paciência anda juntinho com a esperança, elas andam de mãos dadas, ou pelo menos devem andar. Mas acredito que seja assim: sempre temos a esperança e com ela é que vem a paciência.

    Beijos no coração

    ResponderEliminar
  36. Rutinha minha irmã,

    Foi de arrepiar!!!!
    Todos passamos por momentos em que acreditamos que perdemos a fé e a esperança, mas, são coisas de momentos.......e com o passar do tempo todas as dores são transformadas em experiências, que ao olharmos para trás, percebemos que não foram nada......e já amadurecidas, as dores já não existem mais, pois dão lugar á experiência e a maturidade.
    Na vida tudo é aprendizado, e saber fazer uma reflexão observando pontos que nos fizeram crescer em todos os sentidos, é de muita sabedoria.
    Parabéns querida, pelo lindo relato e por toda a superação!!!!

    Um imenso beijo em seu coração!!!!

    ResponderEliminar
  37. Pois então!!! Tudo na vida se transforma da azeitona ao nosso pensamento. Este sim, faz com que nos transformamos em magas/os maravilhosos. Destilados/mutilados/as, prensados/arrasados/as e por ai...Depois emergimos para iluminar, senão o mundo, mas nosso pequeno mundo, onde convivemos, mostrando que com fé e Esperança podemos sempre recomeçar! Bjs.

    ResponderEliminar
  38. Oi, Rute!

    A beleza da maturidade, do crescimento interior, é justamente a consciência e o valor que se dá à vida. As adversidades nos moldam e nos encaminham para este fim. E é uma vitória atingirmos esta meta. Amei o seu texto, e as imagens, belíssimas, utilizadas para nos fazer ver que, apesar de tudo, há sempre uma luz à nossa frente, há esperanças de que tudo vai melhorar, pois, que nada é igual, e tudo se transforma, sempre.
    Infelizmente, por motivo de viagem, não pude participar desta etapa, mas, na próxima, farei o possível para marcar presença, se Deus permitir.

    Beijos, amiga
    Socorro Melo

    ResponderEliminar
  39. Muito bonito, honesto, sentido, este post - como é hábito, aliás! Para mim, esperança anda ligada ao optimismo. Sou optimista por natureza, mas para mim o optimismo não é achar que vai tudo correr como eu imaginei, é antes procurar o lado bom em cada coisa, cada acontecimento, mesmo que este seja à partida menos bom. E aceitar que nada fica igual para sempre, tudo muda, incluindo nós próprios. E a vida é mesmo assim, e da mudança nasce sempre algo novo, e até pode ser melhor...

    ResponderEliminar
  40. Rute,que grandeza de texto!A esperança e suas nuances, seus caminhos...uma linda história de amor e fé!Bjs e meu carinho,

    ResponderEliminar
  41. Muito,muito bom...E cheio de coragem para narrar,falar de si,que me falta...Bjs...Vou postar neste blog:http://rumoslibertadores.blogspot.com,pois o Somos Todos Aprendizes está com postagem de aniversário para o sorteio até o dia 20/05.Passe lá para participar.Bjsss

    ResponderEliminar
  42. Como sempre, muito interessante sua postagem, Rute !!!

    Dizem que a Esperança é a última que morre. Mas será que ela morre ?
    Eu acho que não...
    Morrem os amores, mas a Esperança de novos amores continua viva, bem viva.
    E novos amores surgem !
    Mas, enquanto isso não acontece, sentimo-nos como a azeitona.
    Mas não esqueça que a azeitona sobe de patamar ao transformar-se no valorizado azeite !

    Compensa manter a Esperança bem alimentada, verdinha e saudável !!!

    Beijo

    PS: Vou fazer agora minha participação. Confesso que esqueci completamente, com tantos afazeres por cá !

    ResponderEliminar
  43. Gente, obrigada de coração.
    Ainda estou nas visitas e comentários, atualmente no ponto 44. Lamento a demora, mas como falei lá em cima, estou num mês de muito trabalho. Durante o dia não tem dado para me dedicar às leituras. Amanhã de manhã adianto mais um bocadinho, agora vou deitar pois estou exausta!
    Abraços apertados.
    Rute

    ResponderEliminar
  44. Olá,chegando atrasada, mas não pude deixar de participar, amo estar por aqui, aprender, decifrar e compartilhar tanta sabedoria.Estou apenas chegando nos comentários hoje e parece-me que vou demorar a tantas postagens...
    beijooooooooo
    Paz e bem

    ResponderEliminar
  45. Rute,
    tua sensibilidade jorra na narrativa fecunda das aventuras da Esperança,em suas vitórias, descobertas, frustrações e renovações, essas promessas contidas mesmo n'almas machucadas, mas esperançosas da cura, que se faz presente em quem na crença da vida e em sua circularidade, espera a volta da esperança com certeza e confiança.
    Minha querida, esta coletiva é mais um presente que vcs nos dão.Obrigada!
    Bjinhos praianos,
    Calu

    ResponderEliminar
  46. Obrigada a todos.
    Terminei as visitinhas muito agradada com as partipações. O pessoal está todo de parabéns!
    Gente, já está postada a chamada para a 4ªfase. Vamos a "ela"!
    Beijinhos.
    Rute

    ResponderEliminar
  47. Rute,

    Sempre que leio suas participações percebo como nossas histórias são um pouco parecidas.
    O importante é nunca perdemos a fé, a esperança.
    Lindo e profundo o seu texto.

    Vim agradecer o seu comentário no meu blog, me alertando para a data da publicação. Eu não havia me esquecido, muito pelo contrário, é que estou trabalhando em dois empregos e estudando a noite. Com muito pouco tempo livre pra blogar, como tenho informado em minhas poucas postagens.

    Esse tema "Esperança", era o que eu queria mais falar, pois é isso que me move. Só que não consegui formular a publicação.

    Deixei recado lá na Luma, e deixo aqui também. Se eu conseguir fazer meu texto e revisar, vou participar da próxima fase. Isso se vocês permitirem, é claro.
    Se isso acontecer, eu informo à equipe de organização. Ok?

    De qualquer forma, já que é final de semana, estou passando em alguns blogs participantes e comentando.

    Um abraço e um ótimo final de semana.

    ResponderEliminar
  48. Obrigada Lucinha.
    Fique à vontade para ainda participar na fase Esperança e se quiser também nas anteriores. Não tem problema. Incluiremos à listinha.
    Grande abraço. Bom fim-de-semana tb para você.
    Rute

    ResponderEliminar
  49. Oi, Rute! Um pouco atrasada na visita dos blogs participantes, mas cheguei, enfim!
    Acho que isso, a gente vai buscando esperança em cada circunstancia da vida. Passamos por tantas fases na vida, umas boas, outras nem tanto... mas nosso instinto de sobrevivência faz com que vençamos os desencantos e sublimemos o sofrimento para enfim alcançar a esperança de um novo recomeço.

    Bjs. Bom final de semana.

    ResponderEliminar
  50. Adorei o texto e, em especial a ilustração: "amor sólido à vista!"

    Realmente, junto com a esperança temos que ter uma boa dose de paciência.

    Beijos!!!

    ResponderEliminar
  51. Oi Rute! Desculpe a demora em vir ler sua participação na BCAP. Você nos brindou com sua participação. Obrigada por sua visita! Bjks e bom final de semana! Tetê - avaliando a Vida

    ResponderEliminar
  52. Rute...
    gostaria muitíssimo de esclarecer que já vim aqui antes, li e saía.
    Ficava pensando....
    E hoje finalmente conseguirei "registrar" minha presença.

    Que interessante Rute: o azeite existe porque a azeitona não teve receio de sofrer.
    (talvez a azeitona nem quisesse virar azeite, nem sempre é uma alternativa)
    O fato é que viver produz encanto, desencanto, esperança, medo, dor, questionamento..
    E viver amando produz resultados inesperados, às vezes.

    Mas no seu caso, penso que você saiu mais forte, mais madura e determinada, não foi?
    Então, valeu o sacrifício.
    Bom dia Rute...
    Colha da vida aquilo que é seu, afinal você foi generosa ao plantar.
    grande abraço querida amiga.....

    ResponderEliminar
  53. Olá a quem veio por último,
    muito grata por vossa visita e dedicação.

    Sem dúvida que valeu a pena "virar azeite". Só se aprende quando se passa pelos desafios da vida sem desistir. A gente bate no fundo mas sempre sobe à superficie mais fortes e determinadas a tentar triunfar de novo.
    Obrigada pelo carinho.
    Beijinhos.
    Rute

    ResponderEliminar