21 junho 2012

BC CORES DO ARCO-IRIS »» Cor Verde

Na Cromoterapia, o verde é considerado uma cor de equilibrio, harmonia, simpatia, possuindo o poder de contrabalançar as energias positivas e negativas da pessoa. Entendida como cor que cura desequilibrios excessivos a todos os niveis, é uma cor afastada dos extremos quentes (vermelho, laranja) e afastada de extremos frios (violeta, azul). É a cor do meio do espectro de luz visivel. Conforme se costuma afirmar, é no meio que reside a virtude. Portanto, o verde é uma cor virtuosa.
Para participar na BC Cores do Arco-Iris, idealizada pela Margarida escolhi o ARROZ DOCE VEGAN DE MENTA. Foi uma invenção inesperada que guardei para este evento pois sabia que a cor escolhida pela Lina para o mês de Junho, seria o verdinho.
A presente blogagem irá decorrer durante alguns meses, se estiver interessada em participar, click no blog TvsP.
  • 3 xicaras Arroz branco cozido com pouco sal;
  • 2 litros de leite de soja (aroma baunilha);
  • Casca de limão;
  • Pau de canela;
  • Xicara e meia de açúcar mascavado claro;
  • 2 colheres sopa de manteiga vegetal;
  • 1 xicara de xarope de menta;
  • Para decorar: hortelã, chocolate ralado e canela.
Cozer o arroz em água com pouco sal. Reservar quando cozido.
Colocar o leite de soja ao lume com a casca de limão e canela. Quando começar a ferver, juntar o açúcar. Deixar ferver um tempo. Juntar o arroz e mexer a panela com frequência, até começar a engrossar. Quando sentir que está quase pronto, junte o xarope de menta. Espalhe em pratos fundos. Dá muita quantidade esta receita.
Depois de arrefecer, sirva com chocolate ralado, canela e folhas de hortelã picadas.
Fresquinho é extraordinário. Um arroz doce com sabor a "After Eight".
Artigos relacionados:
Arroz doce Cor de Rosa 
Arroz doce Castanho 
Arroz doce Branco 

17 junho 2012

BCAP - 5ªFASE - REINTEGRAÇÃO - 15_JUL_2012

A vida é desfazer nós, nós... de nós mesmos.
A linha da vida fica maior, se você conseguir tirar o nó.
A vida é desfazer nós e os motivos de fazê-los, ninguém pode desfazer por nós,
Ninguem pode impedir os nós. Nós aqui, nunca estamos sós.
A vida é desfazer nós. Nós que fazemos para complicar um caminho só.
E a linha da vida fica maior, se você consegue tirar o nó...(cante conosco)

Enfim chegamos à última fase do nosso Amor aos pedaços...
Que ideia sensacional a aventura que percorremos durante cinco meses na tentativa de traçarmos um esboço do Amor, tema tão vasto e reflexivo... com uma amplitude tamanha que mal ousamos nos adentrar nele!!
Particularmente, nós nos sentimos muito à vontade de falar dos Pedaços de Amor...
E você???
Sentiu dificuldade???
Bem, creio ser fácil falar do que se vive...
Pois bem, passamos por várias fases que nos foram sugeridas pela Equipe:
Encantamento »» Desencanto »» Esperança »» Questionamento
E eis que alcançamos uma maturidade no amor: Reintegração...
Quantas vezes estamos assim:
«Ando por aí,
Um sorriso falso no rosto,
Um coração despedaçado no peito...»
(Iara Gonçalves)
E como seria bom se fôssemos levados a chegar a um ponto menos crucial...mais inteiros:
"Tão bom morrer de amor e continuar vivendo."
(Mário Quintana)
Essa é nossa proposta para o mês de Julho, no dia 15 costumeiro... Que tal entrar no equilibrio da barca, que já está em alto mar e galgarmos distanciamento da estreiteza do nosso coração...alçar vôo alto, como a águia e galgarmos alturas nos limiares do Amor MAIOR???
"Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença, entre dar a mão e acorrentar a alma. E que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começa a aprender que beijos não são contratos e presentes, não são promessas. E começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança."
(William Shakespeare)
Sendo assim, vamos dar um giro máximo e criarmos espaço de abundância de amor em nosso coração a ponto de o buscarmos não na carência... para não cairmos no alvo de aprisionarmos o outro... o ser amante... a tal ponto de sufocá-lo(a)... 
Sentirmo-nos libertos de afetos desordenados... livres internamente... sem dependências doentias???
Livres para amar!!! Seremos todos pois...
Que tal???
Até, dia 15 de Julho, então!!!
O coração da organização bate de emoção, repleto de gratidão por se disporem a compartilhar conosco os pedaços do vosso amor, terminando agora, na reintegração de todos eles, em um só. Agradecemos a companhia, a camaradagem, o amor em forma de posts e comentários. Muito obrigada por tudo!
PublicarParaPartilhar
NacoZinhaBrasil (membro honorário)
NOTAS IMPORTANTES:
  • Os participantes não são obrigados a seguir todas as fases,  podem participar apenas na que desejarem;
  • É permitido trazer para o dia de participação qualquer artigo já publicado que se adapte ao tema;
  • O artigo participante pode servir mais do que uma blogagem, desde que não fuja à temática;
  • No dia 15, uma vez publicado seu post, deixe um comentário a informar.

15 junho 2012

QUESTIONAMENTO - No Reino de Trevos ♣

Imagem m/autoria
BCAP - 4ªFASE - QUESTIONAMENTO
«"Cheguei ... para conquistar o mundo"- você, seduz e vai bem fundo.
A vida é assim e nunca é demais, o que mamãe falou, não vale mais nada. Não vale, nada!!
Você, é feito de feitiço. Joguei, e vou pagar por isso.
A vida é assim e nunca é demais, o que mamãe falou, não vale mais nada. Não vale, nada!!
Pega, brinca, leva que é de graça.
Fica linda que o amor não passa. Vem com tudo em cima que eu vou com você.»

Há um momento em nossa vida que temos de contra-agir(♣). Cortar o naipe no jogo da sedução. Afirmar sem medos: "o trunfo hoje é proatividade(♣)!" Vou antecipar jogada, me responsabilizar pelas próprias escolhas, enfrentar com coragem as situações que me são impostas. Virar a mesa!
Cansei de ser forçada a conquistar o mundo, a alinhar no feitiço. De ser tratada como um baralho que enquanto novo e vistoso, é idolatrado, mas se apresenta desgaste, logo é descartado.

Antes de jogar os trunfos (♣), as entranhas revolveram-se, as dúvidas emergiram. Sexo ou amor? Selva ou paz? Desejo ou consciência? Talvez a separatividade não exista de fato. Talvez sexo seja amor e amor seja sexo, ou somente exista um fogo (♣) que quando dominado com maestria, nos conduz ao amor consciente.
Tantrismo?
Acho que é isso, temos de ir além do limiar da fisicalidade, para conseguir vencer. Deixar que a força sexual ascenda ao plano mental e espiritual. Evitar o imediatismo, a superficialidade... e não falo apenas de relações fortuitas em que deixamos invadir, desrespeitosamente, nosso templo e usufruir do nosso cálice sagrado. Quantos casamentos não dão o devido valor ao ato sexual? À sagrada união dos corpos energéticos?
É nessas alturas que se pergunta: Sexo ou amor? Descarregar tensões do dia num orgasmo, ou celebrar a comunhão do mútuo amor num genuíno acoplamento áurico? Maltratar o outro com pensamentos e palavras, atos e omissões, e depois... querer fazer amor? Rita Lee canta que Sexo é 2 (cada um por si); Amor é 1 (dois em UM); Sexo é Carnaval; Amor é Ritual.
Para mim, chega de dualidade, chega de mascaradas! Está na hora de pegar o instinto animal e evolui-lo a novo patamar. Esse novo estágio do amor expande a visão que cada um tem da realidade. Todos viram super-herois, com visão raio-x, enxergando as dores e alegrias do outro, tendo como objetivo prioritário o interesse conjunto e não o individual.
No jogo consciente do amor não há ganhar ou perder, nem fazer bluff ou batota. Há discernimento para entender que juntos evoluimos mais rápido, promovendo a humildade. A humildade necessária para falar: - Eu errei.- A interajuda para superar imperfeições um do outro. A compaixão para afastar tentações de vingança. E o perdão! Amar de forma suprema é perdoar. Amor incondicional.
Aí sim, um trevo () simbolizará a união familiar, a sagrada trindade de folhinhas com um só pé, um só caminho, uma só forma de enraizar e transmutar a vida em trevo () da sorte. Que desnorteamento é esse de amizade colorida? Sugeriste? Por vezes não se sugere, deixa-se acontecer. A relação vai definhando a tal ponto que não se pode viver junto, nem se pode viver separado. Felizmente ofereci resistência e assim o amor se transformou numa pura amizade.
Enroladas em couve na "cama" com o refogado
E vocês, o que "cozinharam" para hoje?
  1. Eu
  2. Espiritual-idade
  3. Luz de Luma - Yes Party!
  4. CadeiranteEmPrimeirasViagens
  5. BelBlogandoComAvida 
  6. INSÉTE 
  7. Etnias-ObisturiDaSociedade 
  8. PensamentosDeUmaMoca 
  9. SóTutoriais 
  10. CasaCoisasEoutros 
  11. TenhoAlmaVintage 
  12. Quiproquó 
  13. PreservandoOVerde 
  14. ProjetandoPessoas 
  15. DiarioDaCrisnane 
  16. ConversasCartomânticas 
  17. AsasDosVersosEreversos 
  18. SuTheBest-ViverÉaprender 
  19. ChicaEscrevePorAí 
  20. DebbyEuAmoAminhaVida 
  21. Lucinha´sDreamGarden 
  22. AescolaÉbela 
  23. TachosVsPanelas 
  24. Sexta-Feira 
  25. DemocratizaçãoDaModa 
  26. PensandoEmFamilia 
  27. DoQueEuGosto 
  28. PontoLivro 
  29. SimplesEClara 
  30. Jubliart 
  31. MensagensAbençoadas 
  32. CozinhandoComJosy 
  33. LuluOnTheSky 
  34. VozAtiva2 
  35. BuscandoOAmor 
  36. CasaDaAlquimia
  37. FractaisDeCalu 
  38. SãoBanza 
  39. RetalhosDoQueSou 
  40. JorgeVicente 
  41. LichiaDoce 
  42. CasaCoisasEsabores 
  43. UmaCertaLuz 
  44. EsplendorDaCriação 
  45. JanelaPessoal 
  46. InsanidadeTemporaria 
  47. AvaliandoAvida 
  48. AcorDaLetra 
  49. AromaDeCafé 
  50. AletraE 
  51. ArteLivreVimaje 
  52. NadaSério 
  53. MãosDeManteiga 
  54. SonharEser 
  55. CaméliaDePedra 
  56. AdaoBraga 
  57. OrganizandoOcaos 
  58. ConversasComXunandinha 
  59. Revolta&Romance
  60. M@myrene 
  61. NãoEstavaAfim 
  62. RumosLibertadores 
  63. JulioMoraes 

07 junho 2012

AO FUNDO DO FUNDO NA TEIA AMBIENTAL

"Sai debaixo das pedras. E vai... vai... Descola a memória... flutua no vácuo... deixa-te ficar.
Sai debaixo das pedras. E vai. Vai. Vai mais longe e mais fundo. Não mudes de assunto, só porque é mais fácil.
Sai... vai mais longe vai. Vai ao fundo do fundo, não mudes de assunto...(música aqui)"
Hoje nos encontramos de novo para investigar as ações do ser humano, descer à raiz do problema, abandonar a superficialidade das aparências. Hoje é dia de perguntar se as pessoas de fato amam o ambiental, e dia 15, questionaremos se em verdade, nos amamos uns aos outros:
Sempre fui de ir ao fundo do fundo. Certa vez na escola primária, a professora chamou a minha mãe para uma conversa - A sua filha partiu os lápis dos colegas e desmembrou uma esferográfica de outra menina - quando interrogada, expliquei - Só queria ver o que tinha dentro :( Não foi por mal.
Junto da curiosidade "do ver por dentro" existia a curiosidade de perguntar. Martirizava minha mãe com questões. Por exemplo, numa ida à praia: - Mãe, quando lá chegarmos estará maré cheia? E porque é que há maré cheia e maré vazia? São os peixes que enchem a maré? Ou é uma baleia? E quando a maré vaza, eles vão para outra praia? Porquê?
Questionava incessantemente. Até que minha mãe respondia »»Porque sim!!
Aí eu ficava zangada - Eiiiiiiiiiiiiiiii. Porque sim não é resposta!!!
Esta situação era tão sistemática que me ofereceram o livro dos porquês.
Não sei se veio dai...
Só sei que não descanso, enquanto não entendo como funcionam as coisas (e as pessoas). E o hábito de ir ao fundo do fundo manifesta-se até nas mais pequenas ações. Por isso lembrei de vos falar do costume que tenho de abrir todas as embalagens antes de irem para o lixo. Em especial os cremes, ou detergentes, para aproveitar os restinhos.
A parte incrivel é que ainda se retira tanto produto dos restinhos que pouco a pouco obtém-se muito, e o ambiente agradece concerteza.
Outra situação que muito questionei foi, para onde ia tanto lixo!!
Muito antes de existir a reciclagem, eu ficava preocupadissima com o destino do lixo e novamente massacrava minha mãe com perguntas. 
Ela, coitada, explicava que existiam as lixeiras onde era enterrado o lixo. Que existia a incineração que era o processo de queimar o lixo. Meu Deus, mas depois eu lia os livros ou ouvia falar na poluição dos terrenos e do ar. A preocupação aumentava. O coração apertava. Eu achava que ia morrer já já, nem queria respirar! Cheguei a inventar (e acreditar) que era asmática só para as pessoas não fumarem perto de mim.
Não sei se veio dai... Mas talvez por isso prefira alimentos organicos. Talvez por isso gosto de colher produtos diretamente da horta pessoal. E talvez por isso, dou especial atenção ao lixo que produzo.
Assim continuo na estrada dos porquês, a toda a hora exclamando: Só sei que nada sei!!
A toda a hora me perguntando porque é que há pessoas que não questionam?
Falta de tempo? Falta de prática? Falta de curiosidade? Falta de interesse pela vida?
Hummm pode ser... Mas eu prefiro me manter criança, continuar a chegar atrasada porque fiquei pensando nos porquês. Dispersar porque sou viciada em criatividade e curiosidade. E jamais perder o interesse por viver, por proteger o planeta onde vivo e as pessoas e os animais que amo.
Estão vendo a interminável reflexão que surgiu só de contemplar um restinho de creme no fundo da embalagem?
Gente! faço longas viagens filosoficas nos pequenos nadas da vida e encontro felicidade debaixo de muitas pedras. Basta apenas questionar, levantar a pedra que encerrou o assunto antes de surgir a hipotese de o aprofundar.
E agora? Vai ficar se questionando ou...
Vamos conferir a inquiribilidade alheia?
Esta é uma iniciativa da Flora e do Gilberto.
Duas pessoas maravilhosas por quem me encantei desde há 2 anos atrás.
Deixo a lista de participações para poderem seguir a familia verde:
  1. Flora da Serra 
  2. Alma Mater 
  3. Fractais de Calu 
  4. Essência Estrelar Maia 
  5. Luz de Luma - Yes Party!!
  6. Espiritual-idade
  7. Pensando Em Familia
  8. Cozinhando Com Josy
  9. Lar Encantado
  10. Preservando o Verde 
  11. Debby Amo a minha Vida
  12. Jorge Vicente 

02 junho 2012

¿interrogação torta? ou ¿torta interrogatória?




Ele chegou para jantar... 
Ela avisou: hoje vamos ter de conversar... 
Ele sentou, olhou a torta interrogatória; Ela questionou: 
-Posso saber porque andas grudado no telemóvel (celular) nos últimos dias? (e lhe serviu uma fatia do topo da interrogação). 
Ele olhou para o prato e de boca cheia tentou responder: 
-¿Eu? Grudado no telemóvel? Ui, a quiche tá quente! Não...eu não ando grudado no telemóvel. Mas tenho o hábito de colocá-lo sempre no bolso. 
Ela exclamou: -Que eu saiba, dormes nú! Porque levas o telemóvel quando vais à casa-de-banho durante a noite? (e se serviu do resto do ponto de interrogação que agora se revelava um ponto de exclamação). 
Ele desviou a conversa: 
-Ai que interrogatório tão torto e desconfiado. Posso comer mais uma fatia? Também queres? Deixa que agora sirvo eu, nós os dois... Vamos pôr um ponto final na conversa desnecessária? (e se serviu de uma fatia com ponto). Amor, luz dos meus olhos, sabes que eu só te amo a ti, para quê matares a cabeça com teorias da conspiração? (e lhe serviu uma fatia com borboleta).
Xiiiiiiiii foi xeque-mate!! Virou-se o feitiço contra o feiticeiro. Foi só ele borboletar um pouquinho e ela saiu da mesa perdoando tudo.
INGREDIENTES: 
  • 1 base de massa quebrada (de compra); 
  • 1 base de massa folhada (de compra); 
  • 2 requeijões de cabra; 
  • 2 xicaras de espinafres crús; 
  • 2 xicaras de alho francês crú; 
  • 2 tiras de pimento verde; 
  • Azeite; 
  • 6 ovos M; 
  • 1 pacote de natas de soja (br:creme de leite); 
  • Sal e pimenta a gosto. 
CONFEÇÃO: 
Preparar os espinafres, higienizados e cortados grosseiramente. Preparar os alhos franceses, utilizar apenas a parte branca, cortada às rodelas finas. Misturar os espinafres, alhos franceses e  pimento picado. Temperar de azeite e sal. 
Aquecer o forno a 200º. Cobrir uma tarteira com a massa quebrada. Esfarelar os requeijões para dentro da massa quebrada. Temperar de sal e pimenta. Introduzir os vegetais no requeijão, misturar bem e espalhar igual por toda a superficie da tarteira. 
Bater os ovos com as natas (creme de leite). Verter por cima do preparado da tarteira. Com um garfo ajudar o liquido a incorporar na mistura anterior. Recortar a massa folhada com os motivos que quiser e sobrepôr em 3 camadas cada, por cima do recheio. Levar ao forno a 200º durante os minutos iniciais, depois baixar para 180º quando a massa folhar e ganhar cor. 

E você? Já passou por momentos duvidosos no amor, daqueles que enchem nossa cabeça de interrogações, exclamações e pontos finais? Vem contar sua versão de torta interrogatória no dia 15 Junho.